Uma peça perdida de Stonehenge foi recuperada depois de desaparecer misteriosamente

Em 1958, uma pedra de Stonehenge desapareceu sem deixar rasto durante um trabalho arqueológico no monumento pré-histórico famoso. Mas, agora, está de volta.

Depois de várias décadas, a peça que faltava – um “núcleo” de pedra cilíndrica e estreita – foi encontrada. Agora que o núcleo foi devolvido ao seu lugar na coleção de artefactos do English Heritage, os arqueólogos esperam que o núcleo de pedra forneça alguns insights inestimáveis sobre a história do local único do Neolítico – e talvez até mesmo descubra a origem das grandes pedras que formam os seus trilitos.

Três núcleos desapareceram quando os arqueólogos começaram a reerguer um dos trilitos caídos do Henge, uma estrutura distinta composta de duas grandes pedras verticais com uma terceira pedra horizontalmente na parte superior. Para fixar e reforçar a estrutura, foram perfurados três buracos de 32 milímetros da pedra e foram inseridos hastes de metal, que produziram três longos cilindros de pedra.

Uma das pessoas que trabalhava neste projeto foi Robert Phillips, do negócio de corte de diamantes Van Moppes. Phillips conseguiu colocar as mãos num dos núcleos cilíndricos, que ocupou um lugar de destaque no seu escritório durante muitos anos.

Em 1976, deixou o seu emprego na Van Moppes e emigrou para os EUA, onde ocupou, acompanhado do núcleo de Stonehenge, vários postos em todo o país, de Nova Iorque e Chicago à Califórnia e Florida. Na véspera do seu 90º aniversário, Robert decidiu que era hora de colocar a sua lembrança favorita aos cuidados do English Heritage.

“O nosso pai sempre se interessou pela arqueologia e reconheceu a enorme importância da peça do monumento sob os seus cuidados. Foi seu desejo que fosse devolvido a Stonehenge”, disse o filho de Robert, Lewis Phillips, em comunicado. “Estamos todos encantados que o núcleo tenha voltado para casa, particularmente porque agora está a ser usado para futuras investigações importantes”.

No entanto, os outros dois núcleos permanecem à solta. “Os outros dois núcleos de Stonehenge ainda podem estar por aí em algum lugar e, se alguém tiver alguma informação, adoraríamos ouvi-los”, disse Heather Sebire, curadora do English Heritage.

Os arqueólogos estão certos de que os arenitos menores de Stonehenge foram trazidos das colinas de Preseli, no sudoeste do País de Gales – quase 300 quilómetros de distância do megálito – com base na análise da rocha. No entanto, é ainda desconhecida a origem dos maiores blocos. Agora, equipados com os núcleos bem preservados, os investigadores esperam obter uma visão mais detalhada do “ADN” de Stonehenge.

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas mediram o período de tempo mais curto de sempre

Uma equipa de físicos e metrologista da Universidade Goethe de Frankfurt, na Alemanha, anunciou que conseguiu medir o menor período de tempo já determinado - são 247 zeptosegundos, segundo os cientistas. O processo físico cuja …

Viagens expresso no Sistema Solar. Nave espacial pode chegar a Titã em apenas 2 anos

Uma equipa de cientistas está a trabalhar num propulsor de nave espacial que, segundo eles, poderia alcançar a misteriosa lua de Saturno, Titã, em menos da metade do tempo que o satélite Cassini demoraria. Apesar de …

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …