Legislativas. PCP inclui salário mínimo de 850 euros no programa eleitoral

Miguel A. Lopes/ Lusa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa

O PCP apresentou esta quarta-feira as linhas gerais do programa eleitoral para as eleições legislativas de 6 de outubro, que incluem um “aumento geral dos salários” e das pensões e um programa de investimento nos transportes.

A apresentação das linhas gerais do programa comunista decorreu em Lisboa, na sede do PCP, pela voz do secretário-geral do partido, Jerónimo de Sousa. Já o documento final, que será levado a sufrágio, só será revelado em julho, adiantou o dirigente.

Na conferência de imprensa, o líder do Partido Comunista afirmou que a “emergência salarial” deve ser encarada como um “objetivo nuclear” e “exige o aumento geral dos salários para todos os trabalhadores, a valorização das profissões e das carreiras, com um aumento significativo do salário médio, o aumento do salário mínimo nacional para os 850 euros e a convergência progressiva com a média salarial da zona euro”.

“Deste objetivo são indissociáveis a garantia de horários dignos e da sua redução, o combate à precariedade com emprego estável, melhores condições de trabalho e a revogação das normas gravosas de legislação laboral”, acrescentou. Na opinião dos comunistas, na próxima legislatura será também necessário “aumentar as reformas e pensões”, tanto no setor público como no privado.

Ainda no setor social, o PCP (que concorre a eleições integrado na CDU, juntamente com o PEV) prevê o “reforço do sistema de Segurança Social público, diversificando as suas fontes de financiamento e garantindo a sua robustez financeira por via da criação de emprego e do aumento dos salários”.

Desta forma, a Segurança Social terá os recursos necessários para “assegurar a universalização e majoração do abono de família, do reforço do apoio ao desemprego e à doença”, e também do apoio aos idosos, através da “ampliação do papel do Estado em redes de lares, criando uma verdadeira rede pública de suporte à deficiência e às necessidades de cuidados continuados”.

Continuando no tema da saúde, o programa eleitoral defende também um “programa de investimento na saúde”, que garanta a contratação de mais profissionais e a construção de mais unidades. Para os comunistas é preciso também assegurar “o retorno à esfera pública dos estabelecimentos hospitalares entregues a privados”, ou seja, o fim das Parcerias Público-Privadas (PPP).

Programa extraordinário de investimentos nos transportes

Jerónimo de Sousa destacou também que o PCP quer implementar “um programa extraordinário de investimento no setor dos transportes públicos“, que “dê resposta imediata à superação da carência de oferta que corresponda às necessidades de uso de transporte público há muito em falta” e que “assegure um robusto aumento da oferta”.

Para isso, o programa prevê também a contratação de mais trabalhadores e a aquisição de material circulante, a par do “reforço dos meios financeiros afetos ao programa de apoio à redução tarifária, tendo por objetivo a progressiva gratuitidade do uso de transporte público”.

O líder comunista esclareceu também que o partido pretende uma maior justiça fiscal, através da “efetiva taxação do grande capital” e da “redução dos impostos sobre os trabalhadores”, bem como um “elevado nível de investimento público”, a dinamização do mercado interno e o apoio às micro, pequenas e médias empresas.

O Partido Comunista defende, assim, um investimento “nos serviços públicos, invertendo o crónico subfinanciamento dos meios indispensáveis, repondo serviços extintos e elevando as condições de resposta”, nomeadamente na educação, habitação, proteção civil, segurança pública, e ainda na saúde e transportes públicos.

Nas linhas gerais apresentadas esta quarta-feira, o PCP também não esquece as políticas ambientais, a “recuperação do controlo público dos CTT” e a regionalização.

Neste âmbito, o secretário-geral do partido referiu ser necessário combater “o processo de desresponsabilização e de transferência de competências” e uma recuperação das freguesias “segundo a vontade das populações”. Segundo Jerónimo de Sousa, este processo deveria assegurar ainda maiores condições ao poder local, através de uma “capacidade financeira reforçada”.

Neste esboço do programa eleitoral, o PCP não deixa de lado também o combate à corrupção, e a necessidade de garantir uma “justiça mais igualitária, acessível e próxima dos cidadãos”. Para este combate seria essencial, de acordo com o líder dos comunistas, maior investimento na justiça e uma “política de efetiva dotação dos meios humanos e materiais afetos à investigação criminal, para além do respeito pela autonomia do Ministério Público”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Governo flexibiliza prescrição eletrónica de medicamentos

Esta quinta-feira, foi publicado em Diário da República o decreto-lei que cria o regime excecional de prescrição eletrónica de medicamentos durante o estado de emergência. O Governo criou um regime excecional de prescrição eletrónica de …

Médicos imigrantes impedidos de ajudar a combater o coronavírus nos EUA

Devido às regras dos vistos, muitos médicos imigrantes estão a ser proibidos de ajudar a combater a pandemia de covid-19 fora do hospital em que trabalham. Os Estados Unidos continuam a sentir em força as consequências …

Espanha insiste em emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo"

A ministra da Economia espanhola diz que o acordo alcançado pelo Eurogrupo "fazia falta", mas insiste que haja emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo". O Parlamento espanhol aprovou, entretanto, a renovação do estado …

Hyundai apresenta conceito de novo elétrico conduzido com joysticks

A Hyundai apresentou o conceito para um novo veículo, chamado Prophecy. O carro elétrico não é guiado pelo tradicional volante, mas sim por dois joysticks. As feiras automóveis estão todas interrompidas devido à pandemia de covid-19, …

Hospital da Cruz Vermelha excluído da rede de combate à pandemia

O Hospital da Cruz Vermelha não vai integrar a "rede covid", criada em resposta à pandemia do novo coronavírus, anunciou esta quinta-feira o executivo, realçando que esta decisão é tomada porque, face à situação atual, …

Coronavírus. Luvas de látex são perigosas quando não utilizadas corretamente

Quase como acontece com as máscaras, caso não sejam utilizadas corretamente, as luvas descartáveis de látex podem ser perigosas, ajudando a disseminar mais facilmente o vírus. A pandemia de covid-19 despertou grande interesse de como as …

Bloco de Esquerda "não vai aceitar austeridade" no pós-pandemia

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda diz que "não vai aceitar austeridade" em 2021, após a pandemia da covid-19, e garantiu que, pelo seu partido, "não faltará maioria" para ajudar Portugal a sair de …

Em Canonica d'Adda, homens e mulheres têm dias diferentes para ir às compras

A presidente da câmara de uma pequena cidade da Lombardia, Canonica d'Adda, em Itália, decidiu que homens e mulheres terão dias diferentes para fazer compras, visando limitar a multidão nas lojas e lutar contra a …

Linhas de crédito alargadas a todos os setores de atividade

O Governo alargou os apoios "à globalidade do tecido empresarial", nomeadamente aos setores do comércio e serviços, dos transportes, do imobiliário, da construção, indústrias extrativas e transformadoras. As linhas de crédito lançadas pelo Governo para apoiar …

Rui Rio: PSD não está a cooperar com o PS, mas com o Governo em nome de Portugal

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou esta quinta-feira que não está a cooperar com o PS, mas com o Governo de Portugal na crise da pandemia, esclarecendo que aquilo que defende é uma lógica …