Pasteleiro que recusou fazer bolo de casamento homossexual volta a tribunal

Jack Phillips avançou com uma ação em tribunal contra o estado, alegando discriminação religiosa. Em causa está o facto de a Comissão de Direitos Civis do Colorado ter deliberado contra o pasteleiro, depois de este ter recusado fazer um bolo para uma advogada transexual.

Em junho do ano passado, Autumn Scardina ligou para a pastelaria Masterpiece Cakeshop em Lakewood, no Colorado, para encomendar um bolo de aniversário azul por fora e cor de rosa no interior. Na altura, a advogada explicou que o bolo visava não apenas celebrar o seu aniversário mas também o aniversário da sua mudança de sexo.

A pastelaria de Jack Phillips, o pasteleiro que recusou fazer um bolo de casamento para um casal homossexual, declinou o pedido com base em argumentos religiosos.

“Phillips recusou criar o bolo azul e rosa porque este visava celebrar mensagens contrárias à sua convicção religiosa que de o sexo – ser mulher ou homem – é atribuído por Deus, é determinado biologicamente, e não por perceções ou sentimentos, e não pode ser escolhido ou alterado.”

Mas, um ano depois, a 28 de junho de 2018, a Comissão de Direitos Civis do Colorado determinou que Phillips discriminou Scardina com base na sua identidade de género. O pasteleiro decidiu responder, esta terça-feira, com uma ação federal contra o estado do Colorado, alegando discriminação religiosa.

A deliberação da Comissão de Direitos Civis do Colorado aconteceu dias depois de o Supremo Tribunal de Justiça ter decidido a favor de Jack Philips, a 4 de junho, quando este se recusou a fazer um bolo de casamento para um casal homossexual.

Evitando abrir um precedente, o Supremo não tratou amplamente o assunto, limitando-se a constatar que o pasteleiro não beneficiou da neutralidade necessária nas instâncias inferiores para expor os seus argumentos.

No fundo, o tribunal considerou que a Comissão de Direitos Civis do Colorado – que, numa fase inicial, deliberou contra o pasteleiro – mostrou uma hostilidade inadmissível contra a religião quando descobriu que Phillips violou a lei antidiscriminação ao recusar-se a prestar um serviço ao casal gay David Mullins e Charlie Craig, em 2012.

Se por um lado a lei estadual impede que as empresas recusem o serviço com base em raça, sexo, estado civil ou orientação sexual; por outro lado o pasteleiro argumentou que a sua fé cristã o impediu de aceder ao pedido. Além disso, os advogados argumentaram que não se trata de um bolo comum, mas de casamento, com uma mensagem subjacente.

Apesar de ter deliberado a favor do pasteleiro, o tribunal reafirmou a proteção dos direitos das pessoas homossexuais. O tribunal concluiu então que a Comissão violou os direitos religiosos de Phillips no âmbito da Primeira Emenda da Constituição, na qual surge consagrada a liberdade de expressão.

No entanto, o tribunal não explicou em que situações podem as empresas estar isentas das leis antidiscriminação. Além disso, evitou ser claro sobre se a criação um bolo um bolo é um ato de expressão protegido pela garantia da liberdade de expressão.

Agora, a luta regressa aos tribunais, desta vez por causa de um bolo de aniversário.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A tecnologia usada na Bitcoin também está a ser usada para encontrar o amor

Várias dating apps (aplicações de encontros) estão a recorrer ao blockchain para que os seus utilizadores possam encontrar a cara-metade de uma forma mais segura e transparente. O Tinder é provavelmente a dating app mais usada …

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …