Partidos e Governo fazem tréguas (mas o juízo crítico mantém-se)

António Pedro Santos / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, acompanhado pelo presidente do PSD, Rui Rio

Não é tempo de guerrilha nem de acusações. Unem-se esforços, à esquerda e à direita, em prol do país. Mas um passo em falso do Governo não passará despercebido.

À direita, o PSD e o CDS-PP estão menos empenhados em fazer oposição e mais disponíveis para ajudar os socialistas nesta desordem que a pandemia do novo coronavírus provocou. Tanto Rui Rio como Francisco Rodrigues dos Santos se mostraram disponíveis para ajudar, incluindo para aprovar um eventual Orçamento retificativo. Mas, segundo o semanário Expresso, a vigilância mantém-se.

Aliás, este é o momento em que o Governo tem de provar que é capaz de proteger o país, caso contrário, não tem condições para continuar em funções.

Na convenção organizada pelo Movimento Europa e Liberdade (MEL), Paulo Mota Pinto, do PSD, disse que “os portugueses não aceitarão álibis nem manobras de diversão”. Do CDS, Telmo Correia, em entrevista ao Público, afirmou que “mais uma vez com este Governo há dificuldade na gestão de uma crise”.

A crise pode fazer-se sentir, e com força, no modelo económico definido por Mário Centeno e na gestão do Serviço Nacional de Saúde (SNS), duas das principais críticas apontadas pela direita. “Quando (ou se) o país entrar em crise, a direita não se coibirá de apontar o dedo ao Governo, não pelos efeitos da Covid-19 na economia, mas porque nunca cuidou da robustez das contas públicas”, escreve o Expresso.

O mesmo se aplica ao SNS: se, no futuro, ficar provado que houve má gestão e que a falta de meios e recursos humanos contribuiu para uma crise, “cabeças terão de rolar”, disse ao semanário um dirigente social-democrata.

Ainda assim, é tempo de unir forças e garantir apoio à estratégia do Governo. “Devemos estar todos aqui a combater um inimigo comum”, afirmou Rui Rio, no final do encontro com o primeiro-ministro, António Costa.

À esquerda, a prioridade passou a ser aumentar o tom de exigências como o reforço do SNS, descrito como o único sistema que “poderá responder” a esta crise. “Queremos dar a colaboração necessária e adaptámos a nossa agenda a isso. Este não é o momento para lutas políticas”, disse ao matutino o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares.

A requisição de meios dos privados para ajudar na resposta ao surto foi uma medida que partiu do Bloco de Esquerda. Da mesma forma, os direitos laborais, particularmente dos trabalhadores independentes (recibos verdes), foram um dos focos das propostas que a delegação bloquista levou ao encontro com o primeiro-ministro, e que foram adotadas.

O PCP priorizou soluções para a área do Trabalho e no reforço do SNS, embora com um discurso crítico do que diz ser um aproveitamento da situação para intensificar “ataques” ao SNS e retirar direitos aos trabalhadores, sobretudo aos independentes ou em lay-off.

À saída do encontro com o primeiro-ministro, Jerónimo de Sousa deu um sinal de inegável preocupação: “Não saio daqui descansado.”

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Morreu um dos jovens infetados com peste negra na Mongólia

Morreu um dos jovens infetados com peste bubónica, também conhecida como peste negra, na Mongólia. O rapaz contraiu a doença depois de ter comido carne de marmota. Um jovem de 15 anos morreu, esta segunda-feira, vítima …

PCP quer Costa no Parlamento de 15 em 15 dias (e não vai contribuir para acabar com os debates quinzenais)

O PCP não concorda que será o fim da democracia caso os debate quinzenais passem a mensais. No entanto, não vai contribuir para acabar com este modelo. Ao Expresso, o deputado comunista António Filipe Duarte garantiu …

"Espero contar tudo o que sei". Cientista chinesa fugiu da China para alertar que "não temos muito tempo"

A virologista chinesa Li-Meng Yan, que fugiu para os Estados Unidos, deu uma segunda entrevista à Fox News, na qual alertou que "não temos muito tempo".   Li-Meng Yan, especialista em virologia e imunologia, era uma …

Galp perde 60 milhões de euros em negócios não autorizados

A Galp perdeu 60 milhões de euros em negócios não autorizados com licenças de CO2. A petrolífera já avançou com ações disciplinares e uma auditoria. A Galp informou que foram identificadas transações, não autorizadas pela empresa, …

"Bandeira vermelha". Tóquio em alerta máximo após aumento de novas infeções

A capital do Japão, Tóquio, com 14 milhões de habitantes, está no nível mais alto de alerta para o novo coronavírus após um aumento dos casos registados. “Os especialistas disseram-nos que a situação das infeções está …

Operação Saco Azul. Empresas "zombie" terão desviado 1,8 milhões do Benfica

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e a SAD do clube lisboeta foram constituídos arguidos pelo crime de fraude fiscal, no âmbito da operação ‘saco azul’, confirmou esta terça-feira à agência Lusa fonte oficial …

Maçãs com preços em alta, menos vinho e cerveja a estragar-se (os efeitos da pandemia)

A pandemia de covid-19 está a levar milhares de litros de cerveja a estragar-se, enquanto os produtores de vinho temem uma quebra na produção e, logo, nos lucros. Enquanto isso há menos maçãs e mais …

TAD anula sanção de cinco jogos à porta fechada ao Benfica

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) deu provimento ao recurso do Benfica e revogou a sanção de cinco jogos à porta fechada imposta pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) ao clube, pelo apoio prestado a …

Costa vira à esquerda, mas Catarina Martins diz que "não pode ser só conversa"

Esta quarta-feira, António Costa lança as negociações para o Orçamento do Estado para 2021 com os partidos que, até aqui, foram seus aliados. O primeiro-ministro insiste que o caminho da sua governação passa por entendimentos à …

No novo ano letivo, a Educação Física continua a ser maior incógnita

No início de julho, o Ministério da Educação anunciou algumas orientações sobre o próximo ano letivo que não contemplavam a Educação Física e o futuro da disciplina continua a ser uma incógnita.  Nas escolas, a falta …