Parlamento francês aprova propostas de lei contra palmadas às crianças

55Laney69 / Flickr

O Parlamento francês adotou na noite de quinta-feira uma proposta de lei que visa proibir “as violências educativas ordinárias”. O texto do partido centrista MoDem foi adotado com 51 votos a favor, um contra e três abstenções.

O projeto de lei ainda terá ainda que passar por outros processos legislativos, bem como pelo Senado, antes de ser adotado definitivamente. O documento não prevê novas sanções penais das já existentes no código francês.

De acordo com dados da organização Fondation pour l’Enfance, citados pelo jornal Público, 85% dos pais franceses batem nos seus filhos, na alçada da “violência educativa”. A proposta do MoDem pede, desta forma, que o Governo francês faça uma “análise situacional” antes de setembro de 2019.

Segundo Maud Petit, a deputada que redigiu o decreto, a lei tem um objetivo “pedagógico”, que visa que os pais deixem de utilizar punições corporais para educar os seus filhos.

“É uma escolha de sociedade”, declarou a deputada Alice Thourot, do partido República em Marcha, do presidente francês, Emmanuel Macron. O texto prevê que o Código Civil inclua a frase: “a autoridade dos pais deve ser exercida sem violências físicas ou psicológicas”.

Também a ministra da Saúde, Agnès Buzyn, mostrou apoio à proposta de lei: “Não se educa através do medo”, afirmou. Para Buzyn, esta violência, “supostamente educativa”, tem “consequências desastrosas no desenvolvimento das crianças”.

A ministra que tutela a Saúde defendeu ainda que, ainda que caiba aos pais o papel principal na educação das crianças, “o Estado tem como missão proteger a dignidade e a integridade” das mesmas.

O debate na Assembleia foi moderado. Apenas um deputado do partido de direita Os Republicanos, Raphael Schellenberger, criticou o tempo desperdiçado pelos deptudados com a análise do documento. “A intenção é boa”, disse, mas, acrescentou, a lei é mais simbólica do que essencial. O deputado criticou ainda “o marketing” em torno do projeto.

A única deputada a votar contra a lei foi Emmanuelle Ménard, representante do partido de extrema direita Reagrupamento Nacional, de Marine Le Pen. Segundo Ménard, a proibição da palmada “retira dos pais certas prerrogativas” na educação dos filhos e o texto considera os franceses como “imbecis”.

Caso passe no Senado, a França vai tornar-se o 55.° país a proibir totalmente os castigos corporais. O país foi já sancionado várias vezes por não estar em conformidade com as leis internacionais. Em 2015, recebeu “um puxão de orelhas” da Comissão Europeia.

ZAP // RFI

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Uma coisa é a violência, outra é a educação…. Acho que se anda a baralhar tudo isto… Mais uma modinha para tornar as crianças ainda mais irresponsáveis.

RESPONDER

Demissão em bloco dos chefes de equipa de urgência do hospital D. Estefânia

Os chefes de equipa de urgência do hospital D. Estefânia, em Lisboa, consideram que houve "quebra do compromisso" feito pela instituição de contratar mais médicos. O anúncio, feito esta quarta-feira, refere que os médicos consideram que …

Lidl aumenta salário mínimo para 670 euros

O Lidl decidiu aumentar “para 670 euros o valor do ordenado de entrada” no primeiro ano na empresa, acima do salário mínimo nacional, que é de 600 euros. O Lidl Portugal anunciou esta terça-feira que …

Sindicato dos estivadores prolonga greve até 2019

O Sindicato Nacional dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL) vai avançar com o pré-aviso para que a greve às horas extraordinárias dos estivadores do Porto de Setúbal continue em 2019 por tempo indeterminado. A greve às …

Time elege Khashoggi e outros jornalistas "guardiões da verdade" como personalidades do ano

O jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado a 2 de outubro deste ano no consulado da Arábia Saudita em Istambul, é uma das personalidades do ano eleitas pela revista norte-americana Time. O colunista do Washington Post, voz …

Função Pública: Nova modalidade pré-reforma propõe 25% a 100% do salário-base

O Governo quer avançar com uma nova modalidade de pré-reforma na Função Pública, permitindo assim que os funcionários com 55 anos ou mais possam deixar de trabalhar, mantendo parte do salário. O Governo quer avançar com …

Trump ameaça paralisar Governo caso não consiga fundos para o muro. Norte-americanos preferem que desista

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou nesta terça-feira paralisar o próprio Governo caso não consiga fundos suficiente para a construção do muro na fronteira com o México, iniciativa contestada pelos democratas.  “Se não conseguir o que …

"Coletes Amarelos" chegam a Portugal a 21 de dezembro e querem parar o país

O evento, marcado para o dia 21 de dezembro e inspirado nos "Coletes Amarelos" franceses, ganha cada vez mais dimensão nas redes sociais: mais de 13 mil pessoas confirmaram presença. Depois de França, é a vez …

Ministério Público abre inquérito às incongruências no currículo de candidata à JS

O Ministério Público de Lisboa abriu um inquérito ao casos dos erros e incongruências no currículo de Maria Begonha, candidata à liderança da Juventude Socialista. O Ministério Público abriu um inquérito ao caso dos erros e …

"Agora, só falo de anos aos 100". Ninguém sabe como Marcelo vai celebrar os 70

Marcelo Rebelo de Sousa cumpre hoje 70 anos de vida e, como não é nada habitual, não tem agenda oficial, deixando de lado os compromissos como Presidente da República, e até recusou dar entrevistas, afastando-se …

Atentado em Estrasburgo faz três mortos. Atirador ainda em fuga

A França está em estado de "Alerta Atentado", depois do tiroteio em Estrasburgo. O atirador que matou 3 pessoas estava sinalizado por radicalização e continua em fuga. O movimento "Coletes Amarelos" lança no ar uma …