Parlamento escocês aprova moção contra legislação para Brexit

plaidcymru / Flickr

A primeira ministra da Escócia, Nicola Sturgeonescócia

O parlamento escocês aprovou, esta quarta-feira, uma moção que rejeita a proposta de lei sobre o Brexit em discussão na Câmara dos Comuns que estabelece as bases para a saída do Reino Unido da União Europeia em 31 de janeiro.

A moção estipula que a “melhor opção para o Reino Unido como um todo e para a Escócia” é “permanecer na UE como foi votado pela população da Escócia” e foi aprovada com os votos do Partido Nacionalista Escocês (SNP), que governa a região, o Partido Trabalhista, os Liberais Democratas e os Verdes.

Embora seja necessário o consentimento dos parlamentos regionais para legislar sobre questões que dizem respeito aos governos autónomos, na prática o governo britânico pode prosseguir sem o acordo das administrações da Escócia, país de Gales e Irlanda do Norte.

O executivo escocês, liderado pelo nacionalista Nicola Sturgeon, recusou-se a recomendar à assembleia autónoma que dê o consentimento à legislação sobre o “Brexit”, argumentando que a maioria dos eleitores da Escócia (62%) votaram para permanecer na UE no referendo de 2016.

Sturgeon usou o mesmo argumento para solicitar, em dezembro passado, autorização para realizar um novo referendo sobre a independência ainda este ano, reforçada pelo facto de o SNP ter sido o partido mais votado nas eleições legislativas.

Um porta-voz do governo britânico qualificou o resultado da votação de “dececionante” e observou que a recusa do governo escocês em recomendar o consentimento à legislação do Brexit mostra o desejo de “minar este processo para evidenciar a oposição ao Brexit”.

 

Von der Leyen aconselha Boris a rever o calendário

A aprovação do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia pela Câmara dos Comuns, esta quinta-feira, e a efetiva separação política dos dois blocos, no próximo dia 31 de janeiro, não afastam definitivamente a hipótese de um “Brexit” desordenado e caótico.

Para a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, este é um prazo dramaticamente curto para negociar e ratificar um acordo comercial.

Em Londres, von der Leyen lembrou a Boris que quanto maior for o grau de divergência entre o Reino Unido e a União Europeia, maiores serão as dificuldades em desenhar o novo quadro de cooperação económica e política entre os dois “velhos amigos” que querem permanecer “grandes aliados”.

“Sem uma extensão do período de transição para além de 2020, não devemos ter a expetativa de que será possível negociar todos os aspetos da nossa relação futura”, considerou, citada pelo jornal Público.

Patrick Seeger / EPA

Ursula Von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia

A chefe do executivo europeu referia-se ao prazo estabelecido no acordo de saída para a “implementação” do Brexit. Durante esse período, que termina no momento em que expira o atual quadro financeiro plurianual, o Reino Unido já está fora da UE, mas continua a cumprir na íntegra o chamado “acervo comunitário”.

Ursula von der Leyen aconselhou-o a “reconsiderar” a sua posição de princípio. “É basicamente impossível negociar tudo antes do final de 2020. Vamos ter de estabelecer prioridades, ou voltaremos a confrontar-nos com uma saída dura que não seria boa nem para o Reino Unido, nem para a UE”, alertou.

A legislação para regular e ratificar o Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia (UE) deverá concluir na quinta-feira a votação na especialidade na Câmara dos Comuns, passando depois para a Câmara dos Lordes para concluir o processo e ser promulgada. Não se esperam obstáculos pela câmara alta do parlamento, tendo em conta o apoio e determinação dos deputados na câmara baixa, na qual o Partido Conservador tem desde as eleições legislativas de 12 de dezembro uma maioria absoluta.

Esta maioria permitiu ao governo de Boris Johnson aprovar o diploma na generalidade no dia 20 de dezembro, por 358 votos a favor e 234 contra, e acelerar o processo legislativo, deixando apenas três dias para o debate na especialidade.

Após a promulgação da lei, resta ao Parlamento Europeu ratificar o Acordo, que formalizará assim a saída do Reino Unido em 31 de janeiro, às 23h da UE, após 47 anos como membro.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. É curioso ver como as posições estão trocadas: já não é o PM de Londres que pede adiamento de prazo, é Bruxelas. E, segundo li, Também já não é o PM de Londres que se desloca Bruxelas para negociar, é a presidente da Comissão que se desloca a Londres.

RESPONDER

Libertação de reclusos. Esquerda ao lado do Governo garante aprovação

PSD, CDS-PP, PAN e Iniciativa Liberal manifestaram reservas ao diploma que prevê a concessão de indultos e antecipação do fim das penas para reclusos que tenham cometido crimes pouco graves. A proposta do Governo que cria …

Galp anuncia cortes de 500 milhões de euros por ano devido à pandemia

A Galp Energia decidiu cortar mais de 500 milhões de euros por ano dos seus custos operacionais e investimentos para 2020 e 2021, visando fazer face ao impacto da pandemia de Covid-19 na procura de …

Bombeiros de Beja admitem recusar transportar suspeitos e doentes

As 15 corporações de bombeiros do distrito de Beja admitem recusar transportar utentes suspeitos e doentes com covid-19 por falta de condições e apoios. As 15 corporações de bombeiros do distrito de Beja referem que, "por …

Ministra sul-africana suspensa por violar medidas de contenção

A ministra das Comunicações sul-africana, Stella Ndabeni-Abrahams, foi suspensa depois de ter sido apanhada em flagrante desobediência numa fotografia publicada no Instagram, onde é vista a almoçar com outras cinco pessoas. O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, anunciou …

Suécia já tem acordo para impor medidas restritivas (mas ainda não está convencida)

A Suécia vai recuar na sua abordagem light à covid-19 e prepara-se para aplicar medidas restritivas. Os partidos já chegaram a acordo, mas o Governo não tem planos para usar já os novos poderes. Os partidos …

Bernie Sanders desiste da candidatura à Casa Branca

Bernie Sanders desistiu da corrida à nomeação para as eleições presidenciais de 2020 nos Estados Unidos, abrindo assim o caminho para que Joe Biden venha a competir com Donald Trump. Bernie Sanders desistiu da candidatura à …

Se o turismo contrair 25%, a economia portuguesa recua 2,9%

Em Portugal, o setor do turismo tem um peso de 11,3% no PIB. Com o setor fechado, o impacto no crescimento português será significativo. Uma redução de 25% na atividade turística, quer do turismo de visitantes …

Federação Portuguesa de Futebol dá por concluídos campeonatos não profissionais

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) explica que não existem condições que permitam finalizar as provas não profissionais, pelo que as dá por concluídas, sem vencedores. Os campeonatos seniores não profissionais de futebol e futsal da …

"Seus burros." Nova Jérsia decidiu revelar os nomes de quem viola o recolher obrigatório

O estado norte-americano de Nova Jérsia está a revelar os nomes de quem viola o recolher obrigatório, uma decisão que partiu do ministro da Justiça estadual, Gurbir Grewal. De acordo com o Expresso, Gurbir Grewal, ministro …

Quatro em cada cinco trabalhadores serão suspensos total ou parcialmente

A Organização Mundial do Trabalho estima que 38 por cento da força de trabalho global (1,25 mil milhões de trabalhadores) esteja empregada nos setores de maior risco. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que quatro …