Parlamento escocês aprova moção contra legislação para Brexit

plaidcymru / Flickr

A primeira ministra da Escócia, Nicola Sturgeonescócia

O parlamento escocês aprovou, esta quarta-feira, uma moção que rejeita a proposta de lei sobre o Brexit em discussão na Câmara dos Comuns que estabelece as bases para a saída do Reino Unido da União Europeia em 31 de janeiro.

A moção estipula que a “melhor opção para o Reino Unido como um todo e para a Escócia” é “permanecer na UE como foi votado pela população da Escócia” e foi aprovada com os votos do Partido Nacionalista Escocês (SNP), que governa a região, o Partido Trabalhista, os Liberais Democratas e os Verdes.

Embora seja necessário o consentimento dos parlamentos regionais para legislar sobre questões que dizem respeito aos governos autónomos, na prática o governo britânico pode prosseguir sem o acordo das administrações da Escócia, país de Gales e Irlanda do Norte.

O executivo escocês, liderado pelo nacionalista Nicola Sturgeon, recusou-se a recomendar à assembleia autónoma que dê o consentimento à legislação sobre o “Brexit”, argumentando que a maioria dos eleitores da Escócia (62%) votaram para permanecer na UE no referendo de 2016.

Sturgeon usou o mesmo argumento para solicitar, em dezembro passado, autorização para realizar um novo referendo sobre a independência ainda este ano, reforçada pelo facto de o SNP ter sido o partido mais votado nas eleições legislativas.

Um porta-voz do governo britânico qualificou o resultado da votação de “dececionante” e observou que a recusa do governo escocês em recomendar o consentimento à legislação do Brexit mostra o desejo de “minar este processo para evidenciar a oposição ao Brexit”.

 

Von der Leyen aconselha Boris a rever o calendário

A aprovação do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia pela Câmara dos Comuns, esta quinta-feira, e a efetiva separação política dos dois blocos, no próximo dia 31 de janeiro, não afastam definitivamente a hipótese de um “Brexit” desordenado e caótico.

Para a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, este é um prazo dramaticamente curto para negociar e ratificar um acordo comercial.

Em Londres, von der Leyen lembrou a Boris que quanto maior for o grau de divergência entre o Reino Unido e a União Europeia, maiores serão as dificuldades em desenhar o novo quadro de cooperação económica e política entre os dois “velhos amigos” que querem permanecer “grandes aliados”.

“Sem uma extensão do período de transição para além de 2020, não devemos ter a expetativa de que será possível negociar todos os aspetos da nossa relação futura”, considerou, citada pelo jornal Público.

Patrick Seeger / EPA

Ursula Von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia

A chefe do executivo europeu referia-se ao prazo estabelecido no acordo de saída para a “implementação” do Brexit. Durante esse período, que termina no momento em que expira o atual quadro financeiro plurianual, o Reino Unido já está fora da UE, mas continua a cumprir na íntegra o chamado “acervo comunitário”.

Ursula von der Leyen aconselhou-o a “reconsiderar” a sua posição de princípio. “É basicamente impossível negociar tudo antes do final de 2020. Vamos ter de estabelecer prioridades, ou voltaremos a confrontar-nos com uma saída dura que não seria boa nem para o Reino Unido, nem para a UE”, alertou.

A legislação para regular e ratificar o Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia (UE) deverá concluir na quinta-feira a votação na especialidade na Câmara dos Comuns, passando depois para a Câmara dos Lordes para concluir o processo e ser promulgada. Não se esperam obstáculos pela câmara alta do parlamento, tendo em conta o apoio e determinação dos deputados na câmara baixa, na qual o Partido Conservador tem desde as eleições legislativas de 12 de dezembro uma maioria absoluta.

Esta maioria permitiu ao governo de Boris Johnson aprovar o diploma na generalidade no dia 20 de dezembro, por 358 votos a favor e 234 contra, e acelerar o processo legislativo, deixando apenas três dias para o debate na especialidade.

Após a promulgação da lei, resta ao Parlamento Europeu ratificar o Acordo, que formalizará assim a saída do Reino Unido em 31 de janeiro, às 23h da UE, após 47 anos como membro.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. É curioso ver como as posições estão trocadas: já não é o PM de Londres que pede adiamento de prazo, é Bruxelas. E, segundo li, Também já não é o PM de Londres que se desloca Bruxelas para negociar, é a presidente da Comissão que se desloca a Londres.

RESPONDER

“Foi torturada”. Princesa Latifa escreve carta à polícia a pedir que investigue desaparecimento da irmã

Latifa escreveu à polícia britânica em 2019. O caso da sua irmã Shamsa, raptada em Inglaterra há mais de vinte anos, tem muitas semelhanças com o drama agora vivido pela princesa. A princesa Latifa, filha do …

Pelo menos oito mortos após golpe de Estado em Myanmar. ONG pedem embargo ao fornecimento de armas

Pelo menos oito pessoas morreram em Myanmar, como resultado da violência desencadeada após o golpe de Estado realizado pelos militares a 1 de fevereiro, segundo a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP). Até agora, o …

24 mil milhões até 2025 e 100% renovável até 2030. Eis o novo plano estratégico da EDP

A EDP apresenta esta quinta-feira o seu novo plano estratégico, comprometendo-se a investir 24 mil milhões de euros até 2025 na transição energética e anunciando o objetivo de até 2030 se tornar 100% verde. Na nota …

Manchester United e Liverpool querem Raphinha, ex-Sporting

Raphinha, antigo jogador do Sporting CP e do Vitória SC, está a ser sondado pelo Manchester United e pelo Liverpool. O brasileiro tem estado em destaque na Premier League, ao serviço do Leeds. Manchester United e …

50 deputados e menos de 100 pessoas na sala. Posse de Marcelo segue modelo do 25 de Abril

Marcelo Rebelo de Sousa vai tomar posse como Presidente da República, no parlamento, no dia 9 de março, numa cerimónia em que apenas estarão presentes 50 dos 230 deputados e menos de 100 pessoas no …

Depois de um conselho nacional tenso, líder do CDS reúne-se com a bancada parlamentar

O líder do CDS vai reunir-se, esta quinta-feira, com os cinco deputados centristas para dialogarem sobre a articulação entre a direção e a bancada parlamentar. Tal como recorda o jornal Público, esta reunião de trabalho acontece depois …

Enquanto Flamengo afasta regresso de Jorge Jesus, o "Galo" vem ao ataque

O treinador benfiquista afasta o cenário de uma saída precoce do Estádio da Luz. O Flamengo rejeita o regresso de Jorge Jesus, enquanto o Atlético Mineiro manifesta o seu interesse. Jorge Jesus foi categórico: "Não vou …

"Ihor gritava como um cão atropelado". Seguranças contam nova versão em tribunal

O segurança Manuel Correia testemunhou esta quarta-feira que “ouviu gritos” de Ihor Homeniuk vindos de uma sala do SEF no aeroporto de Lisboa e que encontrou um dos inspetores com um pé em cima da …

Dos pés de Cancelo para a cabeça de Bernardo Silva. City ganha na Champions com um golo 100% português

Os internacionais portugueses João Cancelo e Bernardo Silva foram fundamentais para a vitória do Manchester City sobre o Borussia Monchengladbach (2-0), na primeira mão dos oitavos da Liga dos Campeões, com ação direta nos dois …

"População não interiorizou a gravidade da situação". Depois de Siza, Cabrita aponta o dedo aos portugueses

Num relatório sobre a aplicação do decreto do estado de emergência na segunda quinzena de janeiro, Eduardo Cabrita justifica o fecho das escolas e o fim das vendas ao postigo, culpando a população pelas decisões …