Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça.

Nenhum alimento é criado da mesma maneira. A maioria é saborosa, o que é útil porque precisamos de comer para sobreviver. Por exemplo, uma maçã fresca é agradável à maioria das pessoas e fornece nutrientes e calorias vitais.

Mas certos alimentos, como pizza, batatas fritas e bolachas de chocolate, são quase irresistíveis. São sempre procuradas nas festas e são fáceis de continuar a comer, mesmo quando estamos cheios.

Nestes alimentos, uma sinergia entre os principais ingredientes pode criar uma experiência de palatabilidade artificialmente aprimorada, maior do que qualquer ingrediente essencial produziria sozinho. Os investigadores chamam a isto de hiperpalatabilidade. Os gulosos chamam-lhe delicioso.

Estudos iniciais sugerem que alimentos com dois ou mais ingredientes principais associados à palatabilidade — especificamente açúcar, sal, gordura ou hidratos de carbono — podem ativar neurocircuitos de recompensa cerebral de maneira semelhante a drogas como cocaína ou opioides. Além disso, podem ignorar mecanismos nos nossos corpos que nos fazem sentir cheios e nos dizem para parar de comer.

Investigadores publicaram um estudo no mês passado na revista científica Obesity, que identifica três grupos de ingredientes-chave que podem tornar os alimentos hiperpalatáveis. Os cientistas estimam que quase dois terços dos alimentos amplamente consumidos nos EUA se enquadram em pelo menos um destes três grupos.

Alimentos altamente gratificantes, facilmente acessíveis e baratos estão por toda parte na nossa sociedade. Não é de surpreender que comê-los esteja associado à obesidade.

Documentários nos últimos 15 a 20 anos relataram que as empresas de alimentos desenvolveram fórmulas para tornar os alimentos saborosos mais atraentes. No entanto, os fabricantes normalmente guardam as receitas como segredos comerciais, para que os cientistas académicos não possam estudá-las.

Em vez disso, os investigadores usaram definições descritivas para captar o que torna alguns alimentos hiperpalatáveis. Por exemplo, David Kessler, ex-comissário da Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA), escreveu:

“Que alimentos são estes? Alguns são bebidas açucaradas, batatas fritas, bolachas, doces e outros salgadinhos. E, é claro, há ainda as refeições de fast food — frango frito, pizza, hambúrguer e batatas fritas”.

Mas estas definições não são padronizadas, por isso é difícil comparar os resultados entre os estudos. Além disso, não conseguem identificar os ingredientes relevantes. Este estudo mais recente procurou estabelecer uma definição quantitativa de alimentos hiperpalatáveis e usá-la para determinar a prevalência desses alimentos nos EUA.

Três grupos-chave

Os cientistas descobriram que os alimentos hiperpalatáveis se enquadravam em três grupos distintos:

  • Gordura e sódio, com mais de 25% do total de calorias e pelo menos 0,30% de sódio por grama por porção. Bacon e pizza são exemplos.
  • Açúcares simples e adicionados, com mais de 20% de kcal de açúcares simples e mais de 20% de kcal de açúcares adicionados. Bolo é um exemplo.
  • Hidratos de carbono e sódio, com mais de 40% de kcal de hidratos de carbono e pelo menos 0,20% de sódio por grama por porção. Pipocas com manteiga é um exemplo.

Em seguida, aplicaram a sua definição ao Banco de Dados de Alimentos e Nutrientes do Departamento de Agricultura dos EUA para Estudos Dietéticos, que cataloga os alimentos que os americanos relatam comer. O banco de dados continha 7.757 itens alimentares usados na análise dos cientistas

Mais de 60% desses alimentos atenderam aos critérios de hiperpalatabilidade. Entre eles, 70% estavam no grupo de gordura/sódio, incluindo muitas carnes, omeletes e molhos de queijo. Outros 25% enquadram-se no grupo de açúcares, que inclui doces e sobremesas, mas também alimentos como vegetais cozidos com gordura e açúcar.

Por fim, 16% estavam no grupo de hidratos de carbono/sódio, que consistia em alimentos de refeições ricas em hidratos, como pizza, pães, cereais e salgadinhos. Menos de 10% dos alimentos estavam presentes em vários grupos.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. A razão chama-se gula. Simples, gula. O resto é ciência da treta. Eu e muita outra gente para de comer ainda antes de estarmos saciados por completo. É uma velha regra com milhares de anos que garante saúde. Quanto à comida industrializada, ela é uma boa m****, é boa a valer para o lixo.
    A regra é comer tudo biológico da horta mais perto de onde se habita e de sua confiança.
    Basta então seguirmos regras sensatas, saudáveis e sustentáveis de há milhentos de anos, simples.

    • ora aqui está o comentario do belo iluminado
      Ele sim é que sabe… para de comer muito antes de estar saciado por completo… como se faz ha milhares de anos…. lololol… este iluminado sabe do que fala. Leu no facebook que é assim ha milhares de anos
      E claro… a ciencia é tudo treta.. a ciencia dele é que é boa

      vai dormir

    • ten razao o problema de hoje e a gula de comida por isso temos tanta baleia de 2 pernas, a comida da industria e lixo mas tem ainda muito pouca producao biologica

RESPONDER

O mar interno da misteriosa Encélado "grita" habitabilidade

Uma equipa de especialistas desenvolveu um novo modelo geoquímico que revela que o dióxido de carbono do interior de Encélado, lua de Saturno que abriga um oceano, pode ser controlado através de reações químicas no …

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …

Escorpião com 436 milhões de anos foi dos primeiros animais a pisar a Terra

Cientistas descobriram um escorpião com 436 milhões de anos que terá sido um dos primeiros animais da Terra a migrar dos habitats aquáticos para os terrestres. Foram encontrados dois fósseis da espécie num antigo mar tropical …

Bruno de Carvalho disposto a liderar SAD do Sporting com Varandas

O ex-presidente do Sporting admitiu, esta sexta-feira, estar disposto a liderar a SAD do clube, mesmo com Frederico Varandas como presidente. No seu comentário semanal na Rádio Estádio, Bruno de Carvalho disse estar disposto a regressar …

A Inteligência Artificial teria resolvido o mistério da fuga de Alcatraz

Um programa de Inteligência Artificial (IA) poderia ter resolvido o mistério da fuga dos irmãos irmãos John e Clarence Anglin e Frank Morris da prisão de Alcatraz, que foi considerada uma das mais seguras dos …

Mais de 30 militares dos EUA ficaram com lesões cerebrais após ataque iraniano

Mais de 30 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. 34 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque levado …

Homem que torturou suspeitos de planear o 11 de setembro diz que o voltaria a fazer

James Mitchell torturou os cinco suspeitos de terem planeado o ataque de 11 de setembro de 2001. Em tribunal, disse que não tem remorsos e que o voltaria a fazer. James Mitchell foi o psicólogo responsável …

Belenenses e Belenenses SAD chegam a acordo para suspender ações judiciais

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou, esta sexta-feira, que foi alcançada uma suspensão das ações judiciais entre o Belenenses e a Belenenses SAD. Em comunicado publicado na sua página oficial, a FPF informou que o …

Amazon quer que os clientes paguem com as mãos

A gigante tecnológica Amazon quer que os  clientes comprem e efetuem o pagamento com um aceno da mão em vez de passar um cartão numa máquina. De acordo com o Wall Street Journal, que cita fontes …