Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça.

Nenhum alimento é criado da mesma maneira. A maioria é saborosa, o que é útil porque precisamos de comer para sobreviver. Por exemplo, uma maçã fresca é agradável à maioria das pessoas e fornece nutrientes e calorias vitais.

Mas certos alimentos, como pizza, batatas fritas e bolachas de chocolate, são quase irresistíveis. São sempre procuradas nas festas e são fáceis de continuar a comer, mesmo quando estamos cheios.

Nestes alimentos, uma sinergia entre os principais ingredientes pode criar uma experiência de palatabilidade artificialmente aprimorada, maior do que qualquer ingrediente essencial produziria sozinho. Os investigadores chamam a isto de hiperpalatabilidade. Os gulosos chamam-lhe delicioso.

Estudos iniciais sugerem que alimentos com dois ou mais ingredientes principais associados à palatabilidade — especificamente açúcar, sal, gordura ou hidratos de carbono — podem ativar neurocircuitos de recompensa cerebral de maneira semelhante a drogas como cocaína ou opioides. Além disso, podem ignorar mecanismos nos nossos corpos que nos fazem sentir cheios e nos dizem para parar de comer.

Investigadores publicaram um estudo no mês passado na revista científica Obesity, que identifica três grupos de ingredientes-chave que podem tornar os alimentos hiperpalatáveis. Os cientistas estimam que quase dois terços dos alimentos amplamente consumidos nos EUA se enquadram em pelo menos um destes três grupos.

Alimentos altamente gratificantes, facilmente acessíveis e baratos estão por toda parte na nossa sociedade. Não é de surpreender que comê-los esteja associado à obesidade.

Documentários nos últimos 15 a 20 anos relataram que as empresas de alimentos desenvolveram fórmulas para tornar os alimentos saborosos mais atraentes. No entanto, os fabricantes normalmente guardam as receitas como segredos comerciais, para que os cientistas académicos não possam estudá-las.

Em vez disso, os investigadores usaram definições descritivas para captar o que torna alguns alimentos hiperpalatáveis. Por exemplo, David Kessler, ex-comissário da Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA), escreveu:

“Que alimentos são estes? Alguns são bebidas açucaradas, batatas fritas, bolachas, doces e outros salgadinhos. E, é claro, há ainda as refeições de fast food — frango frito, pizza, hambúrguer e batatas fritas”.

Mas estas definições não são padronizadas, por isso é difícil comparar os resultados entre os estudos. Além disso, não conseguem identificar os ingredientes relevantes. Este estudo mais recente procurou estabelecer uma definição quantitativa de alimentos hiperpalatáveis e usá-la para determinar a prevalência desses alimentos nos EUA.

Três grupos-chave

Os cientistas descobriram que os alimentos hiperpalatáveis se enquadravam em três grupos distintos:

  • Gordura e sódio, com mais de 25% do total de calorias e pelo menos 0,30% de sódio por grama por porção. Bacon e pizza são exemplos.
  • Açúcares simples e adicionados, com mais de 20% de kcal de açúcares simples e mais de 20% de kcal de açúcares adicionados. Bolo é um exemplo.
  • Hidratos de carbono e sódio, com mais de 40% de kcal de hidratos de carbono e pelo menos 0,20% de sódio por grama por porção. Pipocas com manteiga é um exemplo.

Em seguida, aplicaram a sua definição ao Banco de Dados de Alimentos e Nutrientes do Departamento de Agricultura dos EUA para Estudos Dietéticos, que cataloga os alimentos que os americanos relatam comer. O banco de dados continha 7.757 itens alimentares usados na análise dos cientistas

Mais de 60% desses alimentos atenderam aos critérios de hiperpalatabilidade. Entre eles, 70% estavam no grupo de gordura/sódio, incluindo muitas carnes, omeletes e molhos de queijo. Outros 25% enquadram-se no grupo de açúcares, que inclui doces e sobremesas, mas também alimentos como vegetais cozidos com gordura e açúcar.

Por fim, 16% estavam no grupo de hidratos de carbono/sódio, que consistia em alimentos de refeições ricas em hidratos, como pizza, pães, cereais e salgadinhos. Menos de 10% dos alimentos estavam presentes em vários grupos.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. A razão chama-se gula. Simples, gula. O resto é ciência da treta. Eu e muita outra gente para de comer ainda antes de estarmos saciados por completo. É uma velha regra com milhares de anos que garante saúde. Quanto à comida industrializada, ela é uma boa m****, é boa a valer para o lixo.
    A regra é comer tudo biológico da horta mais perto de onde se habita e de sua confiança.
    Basta então seguirmos regras sensatas, saudáveis e sustentáveis de há milhentos de anos, simples.

    • ora aqui está o comentario do belo iluminado
      Ele sim é que sabe… para de comer muito antes de estar saciado por completo… como se faz ha milhares de anos…. lololol… este iluminado sabe do que fala. Leu no facebook que é assim ha milhares de anos
      E claro… a ciencia é tudo treta.. a ciencia dele é que é boa

      vai dormir

    • ten razao o problema de hoje e a gula de comida por isso temos tanta baleia de 2 pernas, a comida da industria e lixo mas tem ainda muito pouca producao biologica

RESPONDER

Portugal deverá perder dois milhões de habitantes até 2080

A população residente em Portugal poderá baixar dos atuais 10,3 milhões de habitantes para 8,2 milhões em 2080, de acordo com projeções do Instituto Nacional de Estatística (INE) esta terça-feira divulgadas. Os mesmos dados indicam, porém, …

Ministro da Economia admite nacionalizar empresas em caso de necessidade para combater surto

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, admitiu esta terça-feira a possibilidade do Estado vir a nacionalizar empresas, caso seja necessário para combater as consequências económicas do surto de Covid-19. "O Estado tem ferramentas …

Coutinho quer voltar à Premier League (e já há cinco clubes na corrida)

Philippe Coutinho está interessado em regressar à Premier League, havendo já cinco clube ingleses na corrida pelo internacional brasileiro. Manchester United, Arsenal, Chelsea, Tottenham e Leicester são os clubes interessados em levar Coutinho de volta …

China criou um sistema para rastrear doenças infecciosas. Falhou (e já se sabe porquê)

Em 2002, o vírus SARS saiu da província chinesa de Cantão e propagou-se por 37 países, provocando 774 mortos e mais de oito mil infetados. Para que não voltasse a acontecer, o país criou um …

Ministro holandês faz mea culpa. "Não fomos suficientemente empáticos" com o sul da Europa

O ministro das Finanças holandês reconheceu que foi infeliz nas posições que assumiu sobre a resposta económica à pandemia de covid-19, assumindo que mostrou pouca “empatia” com os países do sul da Europa. Em declarações à …

Estados Unidos admitem possibilidade de novo surto no outono

O diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos disse haver a possibilidade de o país enfrentar um novo surto depois do verão, mas lembrou que nessa altura "várias coisas vão …

Mortes em Portugal estão a aumentar desde o início do mês (sem contar com a Covid-19)

Já morreram mais pessoas em Portugal, neste ano, do que em igual período do ano passado, com especial destaque para o  mês de Março, onde a taxa de mortalidade aumentou, mesmo sem contar com as vítimas de …

PCP quer reabrir camas e decretar preços máximos nos combustíveis para enfrentar pandemia

O PCP apresentou um pacote extenso de propostas para fazer face aos impactos do surto de covid-19. Entre elas está a reabertura do Hospital Militar. O PCP apresentou um conjunto de medidas para fazer face ao …

Houseparty nega pirataria e oferece recompensa milionária a quem provar "campanha difamatória"

A aplicação favorita de quem está em quarentena está sob acusação de piratear contas de outras apps. A Houseparty nega e oferece uma recompensa de 1 milhão de dólares a quem provar a "campanha de …

"Agricultura não pára". Há trabalho no campo para os trabalhadores em lay-off

Com a época das colheitas à porta e a falta de braços no campo, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) vai propor ao Governo a criação de plataformas de emprego temporário para permitir aos …