Os ursos polares estão (mesmo) a morrer à fome

paulnicklen / Instagram

As imagens extremamente tristes de ursos polares em pele e osso não são casos isolados, muito menos jogadas de marketing. Segundo um novo estudo americano, devido ao derretimento do gelo, é provável que mais ursos polares morram de fome em breve.

Um estudo publicado na sexta-feira na revista Science revela que os ursos polares precisam de comer 60% mais do que se pensava. A pesquisa contou com a colaboração de membros do Serviço Geológico dos Estados Unidos, da Universidade da Califórnia e da ONG de conservação San Diego Zoo Global.

Como predadores de alta energia, os ursos queimam cerca de 12.000 calorias por dia. No entanto, com a diminuição do gelo, estão a ter muitas dificuldades em encontrar comida – neste caso, focas.

É possível que tenha visto o último vídeo de um urso polar faminto a lutar pela sobrevivência, do grupo sem fins lucrativos Sea Legacy, publicado no início de dezembro. De há uns tempos para cá, as imagens têm aberto o debate sobre os impactos da mudança climática nesses animais.

My entire @Sea_Legacy team was pushing through their tears and emotions while documenting this dying polar bear. It’s a soul-crushing scene that still haunts me, but I know we need to share both the beautiful and the heartbreaking if we are going to break down the walls of apathy. This is what starvation looks like. The muscles atrophy. No energy. It’s a slow, painful death. When scientists say polar bears will be extinct in the next 100 years, I think of the global population of 25,000 bears dying in this manner. There is no band aid solution. There was no saving this individual bear. People think that we can put platforms in the ocean or we can feed the odd starving bear. The simple truth is this—if the Earth continues to warm, we will lose bears and entire polar ecosystems. This large male bear was not old, and he certainly died within hours or days of this moment. But there are solutions. We must reduce our carbon footprint, eat the right food, stop cutting down our forests, and begin putting the Earth—our home—first. Please join us at @sea_legacy as we search for and implement solutions for the oceans and the animals that rely on them—including us humans. Thank you your support in keeping my @sea_legacy team in the field. With @CristinaMittermeier #turningthetide with @Sea_Legacy #bethechange #nature #naturelovers This video is exclusively managed by Caters News. To license or use in a commercial player please contact info@catersnews.com or call +44 121 616 1100 / +1 646 380 1615”

A post shared by Paul Nicklen (@paulnicklen) on

Os ursos polares dependem quase exclusivamente de uma dieta carregada de calorias de focas. Para minimizar o consumo de energia, os ursos caçam sentados e aguardam durante horas a passagem de uma foca, até que esta se aproxime da superfície para respirar.

Quando encontram uma, os ursos apoiam-se nas patas traseiras e atingem o animal na cabeça com as duas patas dianteiras, atordoando-o, para em seguida morder o pescoço e arrastá-lo para o gelo.

Este é o método mais bem-sucedido de caça, e é também uma das razões pela qual o derretimento do gelo ameaça a sua sobrevivência.

O estudo envolveu a captura de nove ursas, todas fêmeas, no Mar de Beaufort, no Alasca, em abril passado, quando geralmente há bastante focas para alimentação. Os ursos foram equipados com colares de GPS que continham câmaras. Amostras de sangue e urina também foram recolhidas. Cerca de 11 dias depois, as ursas foram recapturadas.

Uma delas tinha andado 250 quilómetros. Os dados mostraram que os animais ficaram ativos durante cerca de 35% do tempo e descansaram o restante, mas queimaram em média 12.325 calorias por dia. Isso significa cerca de 60% a mais do que estudos anteriores tinham estimado, e essas calorias vieram em grande parte das reservas que as ursas tinham no corpo.

Os vídeos revelaram que quatro das fêmeas não conseguiram apanhar uma única foca. As medidas mostraram que os animais perderam 10% ou mais da sua massa corporal. Uma ursa perdeu cerca de 20 quilos, incluindo músculo magro, em 10 dias. Esta mesma ursa saltou para o mar numa tentativa fracassada de apanhar uma foca a nadar, no que deve ter sido um ato desesperado.

O novo estudo mostra que os ursos polares são mais parecidos com os grandes felinos, como leões e tigres, do que pensávamos. Ou seja, são carnívoros predatórios com metabolismos de alta energia.

Como caçadores solitários, os ursos são mais como tigres, só que com o dobro do tamanho. No entanto, são vulneráveis na dependência quase total de uma única espécie de presa.

Os resultados indicam que a perda de gelo marinho pode ter um impacto maior nos ursos do que acreditávamos.

A mudança climática está a aquecer o Ártico mais rápido do que qualquer outro lugar. O gelo marinho está a diminuir 14% por década. Hoje, há quase dois milhões de quilómetros quadrados a menos de gelo do que a média de 1981 a 2010.

O gelo fragmenta-se mais cedo no final da primavera e forma-se mais tarde no outono, forçando os ursos a queimar grandes quantidades de energia ao caminhar ou nadar longas distâncias, ou a ficar mais tempo em terra, em jejum, vivendo da gordura das focas que tinham conseguido capturar anteriormente.

Em 2010, uma pesquisa realizada por Steven Amstrup, cientista-chefe da Polar Bears International, uma organização centrada na conservação desses animais, previu que o declínio continuado do gelo marinho reduziria a população mundial de ursos em dois terços, para menos de 10.000 até 2050.

As melhores estimativas dizem que há 20.000 a 30.000 ursos polares em 19 grupos diferentes ou populações espalhadas pelos EUA, Canadá, Gronelândia, Noruega e Rússia.

Quatro dessas populações estão em declínio, e cinco dessas populações são consideradas estáveis. Não há informações suficientes sobre as restantes. Os ursos na região do Mar de Beaufort estão entre os melhores estudados e os números caíram 40% nos últimos dez anos.

O que aprendemos com esta nova pesquisa é que ursos não são feitos para caminhar. Graças à dieta energética de focas, podem percorrer áreas grandes, mas perdem peso rapidamente. Isso não seria um problema se os animais conseguissem recuperar o peso rapidamente também – machos de 500 quilos podem consumir 100 quilos de foca em uma única refeição.

Contudo, quanto mais os ursos têm que viajar para chegar ao gelo e caçar, mais peso perdem. Eventualmente, começam a perder músculo, prejudicando as probabilidades de sucesso na caça – ou seja, um ciclo terrível que só piora.

Os ursos também estão a nadar muito mais devido à diminuição do gelo. Embora sejam capazes de nadar longas distâncias, queimam muita mais energia a fazer isso do que a caminhar. A necessidade de mais natação poderia levar a ursos menores, taxas de reprodução reduzidas e até aumento do risco de morte – algo já visto no oeste da baía de Hudson e no Mar de Beaufort.

Não há dúvida de que, à medida que o gelo marinho diminui, mais e mais ursos morrerão de fome. “Eu não sei se aquele pobre urso naquele vídeo estava a morrer de fome. Eu sei que a única solução para a sobrevivência a longo prazo do urso polar é lidar com a mudança climática”, afirma Amstrup.

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Já que uma parcela importante das alterações climáticas se fica a dever à ação humanas, façam favor, monitorizem e alimentem os ursos polares!

    • Tem toda a razão mas isto apenas enquanto não for a nossa vez e ela estará muito mais próxima do que muitos pensam, o mundo está super-lotado de humanos e não pára de aumentar, os resultados estão já bem à vista e o mal acelera a grande velocidade.

  2. “As imagens do urso em pele e osso não são jogadas de marketing!”
    E depois vamos ver o site da NASA. O gelo no Ártico a aumentar.
    https://www.nasa.gov/feature/goddard/2017/nasa-annual-arctic-ice-survey-expanded-range-this-year
    Consultamos outro site e nao ha tanto gelo desde 1987.
    https://www.zerohedge.com/news/2017-09-28/inconvenient-record-arctic-sea-ice-growth-september
    Vamos a outro site o WP de extrema esquerda. E até nesse dizem que os cientistas nao percebem como sobe tanto o gelo na Antartica
    https://www.washingtonpost.com/news/energy-environment/wp/2017/03/01/antarctic-ice-has-set-an-unexpected-record-and-scientists-are-struggling-to-figure-out-why/?utm_term=.d28bd47be127

RESPONDER

Alverca 2-0 Sporting | Leões desinspirados afastados da Taça pelo Alverca

O Alverca surpreendeu hoje o Sporting com uma vitória por 2-0, na terceira eliminatória da Taça de Portugal, tornando-se no primeiro grande «tomba-gigantes» da competição ao afastar o atual detentor do troféu. Alex Apolinário, aos 10 …

A Barbie também arrenda casa no Airbnb

A boneca mais famosa do mundo celebra 60 anos. Agora, a empresa que produz a Barbie, a Matel, tornou a boneca uma anfitriã no Airbnb e vai arrendar uma mansão à beira-mar em Malibu, na …

Os primeiros bebés podem nascer no Espaço daqui a 12 anos

A empresa SpaceBorn United pretende realizar missões espaciais entre 24 e 36 horas para que algumas mulheres dêem à luz em órbita dentro de 12 anos. A notícia é avançada pelo fundador e CEO da empresa, …

Japão importou cinco vírus mortais, incluindo Ebola, por causa de Tóquio 2020

Com os Jogos Olímpicos à porta, um laboratório japonês decidiu importar cinco vírus mortais, nomeadamente Ebola, para fazer frente a um eventual surto durante a competição que vai levar ao país mais de 600 mil …

Empresa anónima quer os direitos do seu rosto para construir robôs (e paga 115 mil euros)

Uma empresa privada anónima está a oferecer 115 mil euros pelos direitos de usar o seu rosto numa nova linha de robôs humanóides. A empresa quer usar a imagem para dar uma cara a um robô …

Empresa está a vender vinho (com flocos de ouro) para celebrar o Brexit

Quando o Reino Unido abandonar a União Europeia, uma saída programada para 31 de outubro, é provável que as pessoas celebrem com um vinho especial com flocos de ouro. Para aqueles que querem celebrar a saída …

Neandertais ocuparam ilhas do Mediterrâneo dezenas de milhares de anos antes do que se pensava

Cientistas descobriram provas de que a ilha de Naxos, na Grécia, já era habitada por neandertais há 200.000 anos, dezenas de milhares de anos antes do que se pensava até agora. Um estudo publicado esta quinta-feira …

Testes "bárbaros" em macacos levam ativistas a pedir encerramento de laboratório alemão

Durante meses, um ativista pelos direitos dos animais trabalhou no Laboratório de Farmacologia e Toxicologia (LPT, na sigla inglesa), em Hamburgo, na Alemanha, onde testemunhou situações de violência contra os animais utilizados em testes e …

Próxima cimeira do G7 vai ser num resort de Donald Trump

A próxima cimeira do G7 será realizada num dos clubes de golfe do Presidente norte-americano, Donald Trump, na Florida, e o clima não constará da agenda de trabalhos, disse esta quinta-feira o chefe de gabinete …

Russos e ucranianos estão em guerra por causa de sopa

A sopa de beterraba é russa ou ucraniana? Um tweet do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa veio falar em prato nacional e a reação na Ucrânia não tardou a chegar. O tweet é de …