Os seis escândalos que mancham o percurso político de Sarkozy

Paul Gogo / Flickr

Nicolas Sarkozy, ex-Presidente francês

A investigação de uma suposta rede de tráfico de influência levou o ex-Presidente francês Nicolas Sarkozy a ser detido esta terça-feira, numa ação sem precedentes na História do país.

Este caso é apenas um dos processos judiciais em que está envolvido um dos homens mais poderosos de França, que é também investigado por financiamento irregular de campanha, contratação de serviços sem licitação e influência em arbitragem litigiosa a favor de empresário francês.

No entanto, numa entrevista ao canal TF1 e à rádio Europe 1 transmitida esta quarta-feira, Sarkozy diz que “a situação é muito grave, e devo dizer ao povo francês que hoje estamos diante de uma exploração política do sistema judiciário“.

“Digo a todos aqueles que estão a ouvir-me que eu nunca traí ou cometi qualquer ato contra os princípios da República e do Estado de direito.”

Sarkozy diz-se “profundamente chocado” com a investigação e acusa o sindicato dos magistrados de tentar destruí-lo. “Tudo está a ser feito para imputar-me uma reputação que não é verdadeira”, afirmou.

Eis os casos que estão a manchar a carreira política de Sarkozy e podem afetar o seu futuro político:

1. Tráfico de influências

No caso que despoletou a sua detenção esta semana, Sarkozy é suspeito de acompanhar indevidamente o andamento de investigações ligadas a processos judiciais anteriores contra si – como a acusação de financiamento ilegal de campanha – através de uma rede de informantes na polícia e na própria Justiça francesa.

Sarkozy também teria prometido ajudar um magistrado do Tribunal de Cassação (Supremo Tribunal de Justiça francês), Gilbert Azibert, a obter um cargo prestigioso no Mónaco em troca de informações sobre esses processos.

O ex-presidente foi detido na terça-feira para interrogatório – a primeira vez que a Justiça francesa prende um ex-chefe de Estado.

2. Caso Tapie

Em julho de 2008, o empresário Bernard Tapie recebeu uma indemnização multimilionária do governo francês numa decisão jurídica controversa.

No litígio entre Tapie e o banco Crédit sobre a venda da empresa Adidas, a Justiça decretou que o governo francês deveria pagar 430 milhões de euros ao empresário.

Está em investigação se o empresário foi favorecido pelos juízes do caso, com aval do executivo. Cinco pessoas foram acusadas de “fraude em grupo organizada” pelo caso. O ex-presidente rejeitou as acusações contra si.

Tapie entrou na política na década de 1980, ao lado do socialista François Mitterrand, mas acabou a apoiar o conservador Nicolas Sarkozy nas eleições de 2007.

3. Financiamento líbio

Outro caso que envolve Sarkozy é o suposto financiamento ilegal recebido da Líbia na campanha eleitoral vitoriosa de 2007, contra a socialista Ségolène Royal.

Poucos antes de sua morte, o ex-chefe de Estado líbio Muammar Kadhafi admitiu ter financiado a campanha do ex-presidente.

A imprensa francesa publicou documentos oficiais que supostamente mostram que o ex-líder líbio autorizou o pagamento de 50 milhões de euros para a campanha. O caso está em investigação desde 2013. Sarkozy nega as acusações.

4. Pesquisas de opinião

Sarkozy também está ligado ao escândalo das “pesquisas de opinião do Palácio do Eliseu”, em que a Justiça investiga a suposta irregularidade dos contratos com as empresas sem licitação pública, com suspeitas de favoritismo e de desvio de dinheiro público.

Documentos revelam que 9,4 milhões de euros foram gastos em centenas de pesquisas de opinião realizadas durante a presidência de Sarkozy.

Uma boa parte delas foi feita sem licitação e beneficiou o escritório de consultoria política de um amigo do ex-Presidente, o jornalista Patrick Buisson, ligado à extrema direita e que foi seu conselheiro durante a campanha presidencial de 2012.

Neste caso, Sarkozy ainda continua a salvo, na avaliação da Justiça, pela imunidade presidencial. No entanto, pode ser ligado ao caso se a Justiça determinar que as pesquisas tiverem sido feitas por motivos pessoais ou partidários, de acordo com advogados de uma associação anticorrupção que apresentou uma queixa sobre o caso.

5. Bettencourt e financiamento de campanha

O ex-presidente foi investigado por ter recebido dinheiro da herdeira multimilionária do grupo de cosméticos L’Oreal, Liliane Bettencourt, dona da segunda maior fortuna da França, para a campanha de 2007. Em outubro de 2013, a justiça concluiu que não existiam provas contra Sarkozy sobre o caso.

No mesmo mês, contudo, outro caso envolvendo financiamento de campanha foi aberto contra o ex-Presidente.

Sarkozy é investigado por desvio de dinheiro público sobre o financiamento de um comício no sul do país no final de 2011. O comício não está descrito nos gastos da campanha. A Justiça investiga ainda se os gastos da campanha presidencial de 2012 ultrapassam o limite legal autorizado.

6. Campanha de ex-Primeiro-ministro

Outro processo de investigação envolvendo o nome de Sarkozy é o financiamento da campanha do ex-Primeiro-ministro Edouard Balladur, em 1995.

Sarkozy era então ministro das Finanças de Balladar e assinou uma série de contratos para a venda de armas para o Paquistão e a Arábia Saudita. A Justiça investiga se esses contratos teriam sido usados para financiar a campanha presidencial de Balladur, que não chegou a passar para o segundo turno na campanha. Mais uma vez, Sarkozy rejeitou a acusação.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Isabel dos Santos não vai ser detida se for a Angola, garante PGR

O procurador-geral da República de Angola afirmou, esta sexta-feira, que a justiça quer esgotar todos os procedimentos para notificar a empresária angolana antes de pedir um mandado internacional de captura. "Primeiro vamos esgotar a possibilidade de …

Assange deixa ala médica da prisão e passa para área com outros reclusos

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, foi transferido da ala médica da prisão de Belmarsh, no sudeste de Londres, onde estava isolado, para uma área da prisão com outros presos, anunciou hoje um membro do …

"Saudações da Tailândia." Depois de fugir da prisão, Sekkaki enviou um postal aos diretores

Depois de fugir da prisão, Oualid Sekkaki provocou os responsáveis do estabelecimento prisional e enviou-lhes um postal. Em dezembro do ano passado, Oualid Sekkaki e outros quatro indivíduos fugiram do estabelecimento prisional de Turnhout, na Bélgica. …

Irlanda. Tribunal decide extraditar motorista acusado da morte de 39 migrantes vietnamitas

O tribunal de Dublin sentenciou, esta sexta-feira, que o motorista acusado da morte de 39 imigrantes vietnamitas - encontrados em outubro num contentor refrigerado, perto de Londres - pode ser extraditado para o Reino Unido, …

Atriz norte-americana confronta em tribunal Weinstein com acusação de violação

A atriz americana Annabella Sciorra, conhecida por ter participado na série "Os Sopranos", confrontou na quinta-feira o produtor Harvey Weinstein em tribunal, acusando-o de a ter violado, em meados dos anos 1990. Segundo avançou o Expresso, …

Mulher agride médica na Urgência do Hospital de Águeda

Uma médica foi agredida, esta quinta-feira, na Urgência do Hospital de Águeda, por uma mulher que acompanhava o filho a uma consulta. De acordo com o Jornal de Notícias, a médica, de 33 anos, que estava …

Polícia do Rio de Janeiro matou cinco pessoas por dia em 2019

A polícia do Rio de Janeiro matou 1.810 pessoas em 2019, um recorde de cinco mortes por dia e um aumento de 18% em relação ao ano anterior, informou o Instituto de Segurança Pública (ISP) …

Governo dedica 20 milhões do Orçamento ao combate à violência doméstica

O orçamento total para combater a violência doméstica em 2020 é de 20,3 milhões de euros, adiantou na quinta-feira a ministra de Estado e da Presidência no Parlamento, Mariana Vieira da Silva, sublinhando o reforço orçamental …

Chega quer câmaras nas fardas e nos carros-patrulha

O Chega, liderado por André Ventura, apresentou um projeto de resolução a defender que os agentes das forças de segurança nacionais devem poder utilizar câmaras, que seriam introduzidas nas fardas e nos carros-patrulha. O partido liderado …

"Não tenho o apoio de Assunção Cristas", diz João Almeida

O candidato à liderança do CDS-PP defende que o partido deve, no imediato, fortalecer-se e depois participar numa "plataforma à direita" de alternativa ao PS, com o PSD, mas sem o Chega. "A alternativa à governação …