Os seis escândalos que mancham o percurso político de Sarkozy

Paul Gogo / Flickr

Nicolas Sarkozy, ex-Presidente francês

A investigação de uma suposta rede de tráfico de influência levou o ex-Presidente francês Nicolas Sarkozy a ser detido esta terça-feira, numa ação sem precedentes na História do país.

Este caso é apenas um dos processos judiciais em que está envolvido um dos homens mais poderosos de França, que é também investigado por financiamento irregular de campanha, contratação de serviços sem licitação e influência em arbitragem litigiosa a favor de empresário francês.

No entanto, numa entrevista ao canal TF1 e à rádio Europe 1 transmitida esta quarta-feira, Sarkozy diz que “a situação é muito grave, e devo dizer ao povo francês que hoje estamos diante de uma exploração política do sistema judiciário“.

“Digo a todos aqueles que estão a ouvir-me que eu nunca traí ou cometi qualquer ato contra os princípios da República e do Estado de direito.”

Sarkozy diz-se “profundamente chocado” com a investigação e acusa o sindicato dos magistrados de tentar destruí-lo. “Tudo está a ser feito para imputar-me uma reputação que não é verdadeira”, afirmou.

Eis os casos que estão a manchar a carreira política de Sarkozy e podem afetar o seu futuro político:

1. Tráfico de influências

No caso que despoletou a sua detenção esta semana, Sarkozy é suspeito de acompanhar indevidamente o andamento de investigações ligadas a processos judiciais anteriores contra si – como a acusação de financiamento ilegal de campanha – através de uma rede de informantes na polícia e na própria Justiça francesa.

Sarkozy também teria prometido ajudar um magistrado do Tribunal de Cassação (Supremo Tribunal de Justiça francês), Gilbert Azibert, a obter um cargo prestigioso no Mónaco em troca de informações sobre esses processos.

O ex-presidente foi detido na terça-feira para interrogatório – a primeira vez que a Justiça francesa prende um ex-chefe de Estado.

2. Caso Tapie

Em julho de 2008, o empresário Bernard Tapie recebeu uma indemnização multimilionária do governo francês numa decisão jurídica controversa.

No litígio entre Tapie e o banco Crédit sobre a venda da empresa Adidas, a Justiça decretou que o governo francês deveria pagar 430 milhões de euros ao empresário.

Está em investigação se o empresário foi favorecido pelos juízes do caso, com aval do executivo. Cinco pessoas foram acusadas de “fraude em grupo organizada” pelo caso. O ex-presidente rejeitou as acusações contra si.

Tapie entrou na política na década de 1980, ao lado do socialista François Mitterrand, mas acabou a apoiar o conservador Nicolas Sarkozy nas eleições de 2007.

3. Financiamento líbio

Outro caso que envolve Sarkozy é o suposto financiamento ilegal recebido da Líbia na campanha eleitoral vitoriosa de 2007, contra a socialista Ségolène Royal.

Poucos antes de sua morte, o ex-chefe de Estado líbio Muammar Kadhafi admitiu ter financiado a campanha do ex-presidente.

A imprensa francesa publicou documentos oficiais que supostamente mostram que o ex-líder líbio autorizou o pagamento de 50 milhões de euros para a campanha. O caso está em investigação desde 2013. Sarkozy nega as acusações.

4. Pesquisas de opinião

Sarkozy também está ligado ao escândalo das “pesquisas de opinião do Palácio do Eliseu”, em que a Justiça investiga a suposta irregularidade dos contratos com as empresas sem licitação pública, com suspeitas de favoritismo e de desvio de dinheiro público.

Documentos revelam que 9,4 milhões de euros foram gastos em centenas de pesquisas de opinião realizadas durante a presidência de Sarkozy.

Uma boa parte delas foi feita sem licitação e beneficiou o escritório de consultoria política de um amigo do ex-Presidente, o jornalista Patrick Buisson, ligado à extrema direita e que foi seu conselheiro durante a campanha presidencial de 2012.

Neste caso, Sarkozy ainda continua a salvo, na avaliação da Justiça, pela imunidade presidencial. No entanto, pode ser ligado ao caso se a Justiça determinar que as pesquisas tiverem sido feitas por motivos pessoais ou partidários, de acordo com advogados de uma associação anticorrupção que apresentou uma queixa sobre o caso.

5. Bettencourt e financiamento de campanha

O ex-presidente foi investigado por ter recebido dinheiro da herdeira multimilionária do grupo de cosméticos L’Oreal, Liliane Bettencourt, dona da segunda maior fortuna da França, para a campanha de 2007. Em outubro de 2013, a justiça concluiu que não existiam provas contra Sarkozy sobre o caso.

No mesmo mês, contudo, outro caso envolvendo financiamento de campanha foi aberto contra o ex-Presidente.

Sarkozy é investigado por desvio de dinheiro público sobre o financiamento de um comício no sul do país no final de 2011. O comício não está descrito nos gastos da campanha. A Justiça investiga ainda se os gastos da campanha presidencial de 2012 ultrapassam o limite legal autorizado.

6. Campanha de ex-Primeiro-ministro

Outro processo de investigação envolvendo o nome de Sarkozy é o financiamento da campanha do ex-Primeiro-ministro Edouard Balladur, em 1995.

Sarkozy era então ministro das Finanças de Balladar e assinou uma série de contratos para a venda de armas para o Paquistão e a Arábia Saudita. A Justiça investiga se esses contratos teriam sido usados para financiar a campanha presidencial de Balladur, que não chegou a passar para o segundo turno na campanha. Mais uma vez, Sarkozy rejeitou a acusação.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Chega quer expulsar autor de moção pela remoção de ovários a mulheres

A direção do Chega vai propor a “suspensão imediata” do militante Rui Roque que defendia a extração dos ovários numa moção de estratégia que foi rejeitada em congresso, informou esta segunda-feira o partido. Mais de uma …

Precários à espera de apoio extraordinário estão a receber multas do fisco

A Associação de Combate à Precariedade denunciou que a Autoridade Tributária (AT) está a aplicar multas de 75 euros a trabalhadores precários que ficaram sem rendimento e estão a recorrer ao novo apoio extraordinário a …

Portugal regista mais seis óbitos e 688 novos casos

Portugal contabiliza esta segunda-feira mais seis mortos relacionados com a covid-19 e 688 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo o último boletim divulgado epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da …

Novo lay-off é para "aguentar o emprego e as empresas" (mas agrava cortes dos trabalhadores)

O novo regime de lay-off anunciado pelo Governo, para apoiar as empresas com "perdas mais significativas", nomeadamente na área do turismo, visa "aguentar o emprego e as empresas", segundo o ministro da Economia, Siza Vieira, …

Jornal "The Guardian" sugere que Portugal é um país racista e compara Ventura a Bolsonaro

O jornal britânico "The Guardian" noticiou, esta segunda-feira, alguns dos mais recentes acontecimentos racistas que têm ocorrido no país, afirmando no seu título que "Portugal regista um aumento da violência racista com ascensão da extrema …

Jornal Washington Post declara apoio a Biden e quer afastar "o pior presidente dos tempos modernos"

O jornal de referência Washington Post declarou esta segunda-feira o seu apoio ao candidato democrata à presidência dos EUA, Joe Biden, para derrotar o republicano Donald Trump, que considera “o pior Presidente dos tempos modernos”. No …

Portugal não recorrerá aos empréstimos do fundo de recuperação da UE

O primeiro-ministro António Costa salientou esta terça-feira que Portugal "recorrerá integralmente" aos cerca de 15,3 mil milhões de euros em subvenções que poderá receber do fundo de recuperação europeu, mas adiantou que não utilizará a …

Isabel dos Santos impugna nacionalização da Efacec

A empresária angolana Isabel dos Santos avançou com uma ação para impugnar a nacionalização da Efacec, decisão que foi anunciada pelo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, no início de julho. Numa nota enviada às …

Brexit. Na nona e última ronda, Von der Leyen está convencida de que acordo é possível

A União Europeia (UE) e o Reino Unido voltam esta terça-feira às negociações, na nona e última ronda para sair do impasse em questões como as pescas e concorrência e chegar a um acordo de …

Fundo de Resolução deve ser analisado com rigor, diz BCP. Presidente do banco defende moratórias

O presidente da Comissão Executiva do Millennium BCP, Miguel Maya, disse na segunda-feira que o tema do financiamento do Fundo de Resolução deve ser analisado com o "máximo cuidado e rigor", afirmando não ter nenhuma …