Os ratos-toupeira-nus têm mais um “superpoder” (igualmente invejável)

Smithsonian's National Zoo / Flickr

Heterocephalus glaber, também conhecido por rato-toupeira-nu

Podem até parecer um saco de peles completamente arruinado, mas têm uns superpoderes completamente bizarros (e que nós invejamos), nomeadamente, a imunidade completa ao cancro.

Além de saberem que sobrevivem quase 20 minutos sem oxigénio e que são resistentes ao cancro e à dor, os cientistas descobriram que estes feios animais também não envelhecem. Ou, por outras palavras, a sua probabilidade de morte não aumenta com o passar dos anos.

O estudo foi publicado na semana passada no jornal eLife.

Pelo contrário em qualquer outra espécie de mamífero, o risco de morte aumenta com a passagem do tempo. No entanto, isso não acontece com os ratos-toupeira-nus – ou Heterocephalus glaber, no seu nome científico -, uma espécie de roedor que vive por baixo dos desertos da África Ocidental.

A mortalidade nestes ratos, geralmente, segue a lei da mortalidade Gompertz-Makeham, uma equação matemática que descreve o aumento da taxa de mortalidade juntamente com o aumento da idade após atingir a idade adulta.

Nos humanos, o risco quase dobra a cada ano a partir dos 30. Mas para estes roedores enrugados, isto funciona de forma totalmente diferente.

“Para mim, estes são os dados mais excitantes a que já tive acesso“, disse Rochelle Buffenstein da Calico, uma companhia independente de biotecnologia de combate ao envelhecimento e doenças associadas detida pela Google. “Vai contra tudo o que sabemos em termos de biologia de mamíferos”.

Buffenstein tem estudado este tipo de ratos por mais de 30 anos e documentou, cuidadosamente, cada morte de cada um dos ratos que esteve ao seu cuidado.

Depois de estudar os registos de 3229 ratos-toupeira-nus, a investigadora descobriu que o risco de mortalidade permaneceu em cerca de um em cada 10.000 para o resto das vidas dos ratos.

Os ratos-toupeira-nus atingem a maturidade sexual aos seis meses de idade. Com base no seu tamanho, a sua esperança média de vida em laboratório é de seis anos. Mas alguns vivem para além dos 30 anos.

“A nossa pesquisa demonstra que estes ratos não envelhecem da mesma forma que outros mamíferos, e, na verdade, mostram entre poucos a nenhuns sinais de envelhecimento. Além disso, o seu risco de envelhecimento não chega a aumentar 25% passado o seu tempo para a maturidade reprodutiva”, disse Buffenstein.

“Estas descobertas reforçam a nossa crença de que os ratos-toupeira-nus são animais excecionais para estudar de forma a compreendermos melhor os mecanismos biológicos da longevidade”.

Não é sabido, por agora, como é que estes roedores são tão bons “a viver”. Um estudo de 2009 propôs, no entanto, várias causas – proteínas estáveis desdobram-se menos do que em modelos de ratos e têm menos oxidação do que a observada noutros mamíferos.

Será necessária mais pesquisa em animais com mais idade para verificar se a tendência se mantém após os 30 anos.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …