ONU denuncia contínua limpeza étnica dos Rohingya em Myanmar

A limpeza étnica da minoria Rohingya continua no estado de Rakhine, no oeste de Myanmar (antiga Birmânia), de onde mais de 700 mil pessoas fugiram desde agosto para o vizinho Bangladesh, alertaram as Nações Unidas na segunda-feira.

A ONU e organizações de defesa dos Direitos Humanos têm denunciado repetidamente os crimes cometidos pelo Exército da antiga Birmânia na ofensiva que inaugurou no norte de Rakhine no final de agosto passado, em resposta ao assalto armado de um grupo de rebeldes da minoria étnica.

O assistente do secretário-geral da ONU para os Direitos Humanos, Andrew Gilmour, sustentou na segunda-feira que, apesar de ter sido registada uma redução do grau de violência nessa ofensiva, as forças de segurança continuam a executar homicídios, violações, torturas, sequestros e a negar alimentos a elementos daquela etnia.

“Parece que a violência generalizada e sistemática contra os Rohingya persiste”, disse o responsável em comunicado, após visitar alguns dos campos de refugiados do Bangladesh. “A natureza da violência mudou para uma campanha de terror de baixa intensidade e de fome forçada, que parece ter sido elaborada para empurrar os Rohingya que ainda estão nas suas casas em direção ao Bangladesh”.

Gilmour também recriminou o governo liderado pela Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, por dizer que está preparado para o regresso dos refugiados quando a violência persiste, frisando que, nas atuais condições, “o retorno seguro, digno e sustentável é impossível”.

Por outro lado, elogiou a resposta humanitária do Bangladesh – um país pobre – e de organismos internacionais face à situação dos Rohingya, embora tenha alertado para os “devastadores efeitos” que o início da estação das chuvas trará para os campos de refugiados.

O Bangladesh e Myanmar assinaram um acordo para começar a repatriar os refugiados em finais de janeiro deste ano, que acabou por ser suspenso à última hora por Daca.

O exército birmanês continua a rejeitar as acusações de abusos, muito embora em janeiro tenha assumido um caso de homicídios extrajudiciais de Rohingya que foram enterrados numa vala comum, um potencial crime de guerra que remonta a setembro de 2017.

Myanmar não reconhece cidadania aos Rohingya, que considera imigrantes ilegais bengalis, submetendo-os há várias décadas a todo o tipo de discriminações, incluindo restrições à liberdade de movimentos e no acesso ao mercado de trabalho.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Moderna contradiz Trump. Não haverá vacina até às eleições

O diretor-executivo da farmacêutica Moderna Therapeutics, que está a desenvolver uma das mais avançadas vacinas para a covid-19, disse que esta não estará pronta até às eleições presidenciais dos Estados Unidos. Em declarações ao jornal Financial …

Brigadas dos lares arrancam com menos profissionais do que o previsto

As Brigadas de intervenção Rápida para os lares atingidos por surtos de covid-19 arrancam esta quinta-feira - mas há menos enfermeiros e cuidadores do que o previsto. Em declarações à Renascença, o presidente do Instituto da …

PS segue PSD e propõe voto antecipado para eleitores em confinamento

O Partido Socialista (PS) decidiu juntar-se ao Partido Social Democrata (PSD) na ideia de alargar o direito de voto antecipado aos eleitores que estejam em confinamento à data das próximas eleições presidenciais. De acordo com o …

Santos Silva assume "contactos" para reforço dos EUA da base das Lajes (e desdramatiza eventual crise política)

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, disse, em entrevista ao Público e à Renascença, que há "contactos" com os Estados Unidos para reforço norte-americano da base das Lajes e desdramatizou a aprovação do Orçamento …

3.800 euros por mês. Genebra aprova o primeiro salário mínimo (e é o mais alto do mundo)

Os habitantes de Genebra, na Suíça, aprovaram, este domingo, a proposta de um salário mínimo de 23 francos suíços por hora (equivalente a cerca de 21,30 euros) para todos os que trabalham na cidade. De acordo …

No day after do debate caótico, Biden pede regras rígidas e Trump queixa-se do moderador

O debate caótico entre Donald Trump e Joe Biden motivou críticas generalizadas que suscitam dúvidas sobre se será de manter os outros dois debates ou se, mantendo-os, será necessário alterar as regras. Um dia após a …

OE2021. Pontas soltas, alguns avanços e uma certeza: se houver entendimento, há acordo por escrito

Se houver entendimento em algumas matérias com o Bloco de Esquerda e o PCP, haverá um "compromisso escrito", adiantou Duarte Cordeiro, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares. Em entrevista ao podcast Política com Palavra, do PS, …

Covid-19. Hospitais da região de Lisboa pedem camas uns aos outros

Os hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo continuam a bater à porta uns dos outros a pedir camas para internar doentes com covid-19. Segundo a edição desta quinta-feira do jornal Público, os …

Vinícius perto do Tottenham de Mourinho

O avançado brasileiro deverá ser confirmado como reforço do Tottenham ainda esta quinta-feira, saindo do Benfica por empréstimo e com opção de compra que ronda os 40 milhões de euros. De acordo com o jornal Record, …

Navalny acusa Putin de estar por trás do seu envenenamento

O líder da oposição russa, que já deixou o hospital alemão onde estava a ser tratado, acusou o Presidente do país de ser a pessoa responsável pelo seu envenenamento. "Afirmo que Vladimir Putin está por trás …