ONU sem dinheiro para alimentar deslocados de Cabo Delgado. Portugal presta ajuda militar a “país irmão”

ONGAWA Ingeniería para el Desarrollo Humano / Flickr

Baía de Pemba em Cabo Delgado, Moçambique

O Programa Alimentar Mundial diz que as verbas vão acabar para a semana depois de um ano inteiro de sub-financiamento. O conflito no Norte de Moçambique já fez pelo menos 500 mil deslocados.

O Programa Alimentar Mundial (PAM) vai reduzir a ajuda alimentar a deslocados em Cabo Delgado, norte de Moçambique, a partir de terça-feira da próxima semana por falta de financiamento. “Sem financiamento adicional, o PAM será forçado ou a reduzir as porções de alimentos ou a diminuir o número de beneficiários já em Dezembro. Ou seja, daqui a uma semana”, referiu.

Está comprometida a assistência humanitária aos deslocados internos em Cabo Delgado, Nampula e Niassa, que segundo os últimos números do Governo moçambicano ascendem a 500.000 pessoas, sendo que cerca de metade são menores de 18 anos.

Em contraste com 29.150 deslocados que o PAM apoiou em Janeiro, a agência das Nações Unidas atingiu “um recorde de 331.630 beneficiários entre deslocados pelo conflito apoiados em Outubro” e o objetivo seria “alcançar cerca de 750.000 deslocados internos e comunidades acolhedoras nos próximos meses”.

A organização corrigiu o relatório de Outubro que na segunda-feira dava a ideia de que o número de beneficiários tinha diminuído desde Setembro, quando na realidade houve um recorde, agora ameaçado.

O PAM requer mensalmente oito milhões de dólares (6,7 milhões de euros) para prestar assistência a quem foge da guerra no norte de Moçambique, ou seja, 96 milhões de dólares (80 milhões de euros) para os próximos 12 meses. Mas “apenas 11,7 milhões de dólares (9,8 milhões de euros) estão garantidos”, explicou à Lusa.

Além de quem foge, a crise humanitária abate-se sobre quem os acolhe: “A monitorização remota indica que metade das famílias nas populações hospedeiras ficou sem reservas de alimentos”. A agência das Nações Unidas considera que a falta de financiamento deriva, “em primeiro lugar, da magnitude desta emergência”.

“O número de deslocados internos aumenta a cada semana, o que pressiona o plano operacional e as capacidades do PAM”, realça.

Em segundo lugar, o mundo está a lidar com a covid-19 e os doadores tradicionais “enfrentam também a crise sanitária e socioeconómica provocada pela emergência do novo coronavírus”, pelo que “a mobilização de recursos é ainda mais desafiadora”.

“Estamos a enfrentar uma situação de subfinanciamento ao longo de todo o ano, que daqui uma semana já será falta de financiamento” e que não é exclusiva de Cabo Delgado – embora esta seja a maior crise humanitária do país.

Todas as áreas estão subfinanciadas, sublinha nos esclarecimentos enviados à Lusa. E isso inclui as intervenções humanitárias em zonas de conflito, o trabalho de construção de resiliência a secas prolongadas e cíclicas, todas as estratégias implementadas após desastres naturais como os ciclones Idai e Kenneth, assim como o apoio ao desenvolvimento.

“O quadro agrava-se quando falamos do sector de nutrição, que é particularmente subfinanciado, beneficiando de menos de 1% de toda a assistência destinada ao desenvolvimento”, conclui.

Portugal quer ajudar “país irmão”

O ministro da Defesa admitiu a possibilidade de enviar forças militares para ajudar Moçambique no combate ao terrorismo em Cabo Delgado, em função do que as autoridades daquele país pretendam, destacando a experiência na área da formação.

“Portugal está disponível. Moçambique é um país irmão, da CPLP, um país com o qual sentimos grande proximidade e estamos obviamente sempre disponíveis. Em primeira linha, compete às autoridades moçambicanas estabelecer aquilo que entendem por útil. Portugal está completamente disponível”, disse Gomes Cravinho.

O ministro sublinhou que “Portugal tem múltiplas valências que têm sido visíveis” nas Forças Nacionais Destacadas e destacou que Portugal tem “uma longa experiência de trabalho com Moçambique”.

“Há também um diálogo com a União Europeia e, havendo uma missão da UE, naturalmente Portugal participaria, mas temos a nossa cooperação bilateral, que continuará e será seguramente reforçada neste âmbito”, concluiu Gomes Cravinho.

O primeiro-ministro, António Costa, comunicou terça-feira com o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e anunciou uma próxima cimeira bilateral entre os dois países, no segundo semestre de 2021, em Maputo.

A violência armada em Cabo Delgado, norte de Moçambique, está a provocar uma crise humanitária com cerca de duas mil mortes e 500 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

A província onde avança o maior investimento privado de África, para exploração de gás natural, está desde há três anos sob ataque de insurgentes e algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo jihadista Estado Islâmico desde 2019.

ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Cabrita, Van Dunem e Temido. Metade dos portugueses quer uma remodelação no Governo

Metade dos portugueses (52%) defende que deve ser levada a cabo uma remodelação no Governo, revela uma sondagem da Intercampus para o Jornal de Negócios e para o Correio da Manhã. Segundo a mesma pesquisa …

TAP a financiar-se sozinha já em 2022. Renegociação dos acordos arranca até abril

O ministro das Finanças, João Leão, considerou que a TAP deve conseguir financiar-se nos mercados já no próximo ano, dependendo isso da velocidade da retoma e da relação com os atuais investidores. "É importante que a …

Biden propõe estímulo de 1,9 mil milhões. Republicana promete processo de destituição após tomada de posse

O presidente eleito norte-americano Joe Biden pretende aplicar 1,9 mil milhões de dólares em medidas de aceleração da vacinação para a covid-19 e assistência financeira a indivíduos e empresas. Biden, cuja tomada de posse está marcada …

StayAway Covid só enviou 2.708 alertas de contágio. 60% já desinstalaram a app

Apenas 39% das quase três milhões de pessoas que instalaram a StayAway Covid é que a continuam a usar. A app só enviou 2.708 alertas de contágio. A StayAway Covid, a aplicação móvel criada para rastrear …

DGS define quais os cancros que não podem ficar por operar. Hospital de campanha fechado por falta de profissionais

Até ao final do mês os hospitais vão ter como foco a prestação de cuidados intensivos, podendo deixar de assegurar a atividade programada. A oncologia é uma área vital e os polos do Instituto Português …

"Vão fechar o Tozé". Mayan corta o cabelo (e alerta para dificuldades dos pequenos empresários)

O candidato presidencial Tiago Mayan Gonçalves foi esta quinta-feira cortar o cabelo a um barbeiro, no Porto, para alertar para as dificuldades decorrentes do encerramento desta atividade a partir de sexta-feira no âmbito do …

ERC cancela debates de Vitorino Silva com todos os candidatos no Porto Canal

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) cancelou os debates de Vitorino Silva com todos os candidatos presidenciais no Porto Canal, na sequência da queixa apresentada pelo PCP à Comissão Nacional de Eleições (CNE). Esta …

Bancos contestam lei da banca (mas Deco aplaude). Centeno admite ajustar medidas

O Banco de Portugal (BdP) quer alterar o Código da Atividade Bancária (CAB). Se por um lado, os bancos contestam algumas das normas, por outro, outras entidades, como a Deco, aplaudem as medidas. A consulta pública …

Mulher com covid-19 em coma e ventilada conseguiu o "milagre" de dar à luz

Em outubro de 2020, Elisângela Neves, de 31 anos, foi infetada com covid-19 quase morreu. A mulher estava grávida de 27 semanas, mas precisou de ser ventilada e ligada a uma máquina que respirou por …

Mais de 95% dos vacinados do São João apresentaram anticorpos em 15 dias

Entre 95 a 97% dos profissionais de saúde vacinados contra a covid-19 no Hospital de São João, no Porto, apresentaram, 15 dias após a primeira toma, anticorpos que conduzem à imunidade, revelou esta quinta-feira o …