E se a Ómicron for uma prenda de Natal? Variante frankenstein pode ser “arma biológica”

2

A nova variante da covid-19, denominada Ómicron, continua a espalhar-se pelo mundo e entre as muitas dúvidas, há quem ache que “pode ser uma boa nova” e funcionar como uma espécie de “arma biológica fatal” que enfraqueça a pandemia.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A Ómicron já foi definida como uma variante frankenstein pelo elevado número de mutações que apresenta. Contudo, para já, não há dados que permitam concluir se esta nova variante da covid-19 é mais letal do que as anteriores.

Na África do Sul, onde foi detectada inicialmente, os indicadores apontam que a maioria dos infectados tem desenvolvido sintomas leves.

Além disso, dos casos registados a nível mundial, ainda não foram assinaladas quaisquer mortes relacionadas com a Ómicron.

Para o virologista belga Yves Van Laethem estes sinais podem indicar que a nova variante é “um belo presente de Natal, no sentido de que uma variante menos virulenta substituiria a outra e permitiria que os não vacinados fossem imunizados”.

A teoria de Van Laethem é que a Ómicron pode ser “a nossa melhor arma ecológica e biológica fatal contra a variante actual, a Delta”, que tem sido mais letal.

Em declarações ao jornal belga La Dernière Heure, o especialista nota que a Ómicron parece ser “menos virulenta, o que permitiria a protecção cruzada”. “Teríamos um familiar menos malvado, de acordo com os primeiros dados, que nos ensinaria como nos imunizar contra o irmão malvado (a Delta)”, refere.

A teoria do virologista carece, para já, de confirmação, uma vez que a Ómicron continua a ser estudada.

“Ómicron é completamente diferente da Delta”

Os primeiros dados que chegam da África do Sul, onde foram detectados os primeiros casos, indicam que os infectados com a nova variante têm tido sintomas ligeiros.

Os resultados de um estudo preliminar da Rede de Vigilância do Genoma Sul-Africano (NGS-SA na sigla em Inglês) preveem que a Ómicron vai tornar-se dominante, superando os casos de infecções com a variante Delta.

Além disso, este estudo detectou que é possível “seguir o rastro desta variante em tempo real” com os testes PCR, sem que seja preciso fazer uma sequenciação do genoma, que pode demorar até duas semanas, o que é uma boa notícia.

O estudo que foi apresentado na Comissão de Saúde do Parlamento da África do Sul aponta também que “as vacinas são a ferramenta que pode impedir que a doença seja grave e seja preciso hospitalização”, conforme destaca o especialista em doenças infecciosas Richard Lessels citado pelo El País.

Contudo, é preciso esperar para ver “a evolução” da variante, até porque a “Ómicron é completamente diferente da Delta ou de variantes anteriores”, refere ainda Lessels.

“Uma constelação de mutações”

Nesta variante frankenstein, como é chamada por ter, pelo menos, 27 mutações, a grande preocupação é que muitas destas mutações nunca tinham sido vistas juntas, apenas em separado.

“Tem algumas associadas a uma maior transmissibilidade e outras à redução dos anticorpos da nossa resposta imune para controlar a infecção”, explica no El Mundo o investigador espanhol Iñaki Comas do Instituto de Biomedicina de Valência e membro da equipa que está a fazer vigilância genómica às novas variantes de covid-19.

Este especialista fala de “uma constelação de mutações” e realça que ainda não se sabe como é que vão funcionar todas juntas. “De algumas nem sequer sabemos nada”, nota Comas.

Já Richard Lessels salienta que o mais preocupante não é “tanto o número de mutações, mas onde se concentram”. Muitas dessas alterações estão concentradas no “pico da proteína e, especificamente, em partes-chave, importantes para aceder às nossas células”, acrescenta o especialista sul-africano, notando que “não sabemos se os anticorpos aguentarão com elas”.

Assim, será fundamental perceber como é que a nova variante vai evoluir em países com elevadas taxas de vacinação, como são os casos de Portugal e Espanha.

  Susana Valente, ZAP //

2 Comments

  1. Uma coisa é certa , este vírus apareceu para destruir e matar “velhos” e corpos débeis . Quem apanhou Covid uma vez e não teve efeitos graves ou se teve foram leves , se apanhar a segunda vez nada indica que irá ter desta vez efeitos mais graves . Como a gripe todos os anos se apanham uma ou duas por ano … mesmo sem vacina . As vacinas não são como água para beber , em excesso também causam efeitos adversos no sistema imunitário , caso andava-se a tomar vacinas todos os meses para nada apanhar . Criaram aqui foi um comercio melhor que o petróleo sem fim à vista , entretanto os laboratórios lá vão lançado no mercado mais uma variante … depois dizem que veio do morcego … mas qual ? E, não está pior hoje em Portugal , porque na primeira leva , já derrubou muitos “velhos” e doentes . O vírus procura essas pessoas para matar , foi assim feito pelos Chineses ou tentado para esse efeito , mas escapou-se antes tempo . A colonização vai vingar um dia nesta Terra cheia … Adolfo Hitler tentou imitar noutros tempos a seleção da espécie …

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.