Obama diz que Trump é sintoma e não a causa da polarização

jmsloan / Flickr

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama

O ex-presidente dos Estados Unidos quebrou o silêncio e fez um discurso carregado de críticas ácidas ao seu sucessor, mencionando-o pelo nome pela primeira vez. Governo republicano promove “política de medo e ressentimento”, denuncia.

Num dos seus discursos de maior peso político desde que deixou a Casa Branca, o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama lançou, esta sexta-feira, uma série de críticas a Donald Trump, referindo-se ao governo do seu sucessor como uma “ameaça à democracia”.

Num discurso direcionado a estudantes na Universidade de Illinois, onde recebeu um prémio por ética no governo, Obama saiu de um período de silêncio político para antecipar temas que devem ser continuar a dar que falar durante a campanha do Partido Democrata para as eleições legislativas em novembro.

Assim, o ex-presidente não poupou ataques a Trump – às vezes mencionando-o pelo nome, algo inédito –, denunciando o líder republicano e os seus partidários por promoverem uma “política de medo e ressentimento” no governo do país.

Segundo Obama, algumas táticas empregadas pela atual gestão – como aproximar os Estados Unidos da Rússia, encorajar supremacistas brancos e politizar agências de aplicação da lei – representam uma ameaça sem precedentes ao futuro do país.

Apelar para tribos, apelar para o medo, colocar um grupo contra o outro, dizer às pessoas que a ordem e a segurança seriam restauradas se não fosse por aqueles que aparentam ser diferentes de nós, que não soam como nós ou não rezam como nós – isso é uma estratégia ultrapassada, é antiga como o tempo”, afirmou o democrata.

Isto tudo não começou com Donald Trump. Ele é um sintoma, e não a causa das políticas divisórias dos Estados Unidos”, acrescentou. “Trump está apenas a capitalizar ressentimentos que os políticos têm atiçado há muitos anos.”

Obama, então, destacou: “Quando há um vácuo na nossa democracia, quando não votamos, ou damos os nossos direitos e liberdades fundamentais como garantidos, a política de medo, ressentimento e contenção toma conta.”

De pé diante de uma multidão de jovens, o ex-presidente narrou o caos e a disfunção que caracterizam o governo Trump – e o que classificou como um consentimento republicano que permitiu o colapso das normas. “O que aconteceu com o Partido Republicano?”, indagou.

Não é conservador, e com certeza não é normal. É radical. Ao longo das últimas décadas, a política de divisão, ressentimento e paranoia infelizmente encontraram um lar no Partido Republicano”, denunciou o opositor.

Obama ainda alertou contra a ascensão da extrema direita e a proliferação de teorias conspiratórias – incluindo uma em torno de sua própria cidadania, que falsamente afirma que o ex-chefe de Estado não teria nascido nos Estados Unidos.

Criticou a postura de Trump diante da marcha de extremistas de direita em Charlottesville, no estado americano da Virgínia, em agosto de 2017, que acabou em confrontos violentos após grupos antirracismo saírem às ruas em contraprotesto. Na ocasião, o presidente disse que “houve culpa em ambos os lados” pela violência.

“Somos americanos. Devemos enfrentar os agressores, e não segui-los”, afirmou Obama. “Devemos enfrentar a discriminação e, com certeza, devemos posicionar-nos clara e inequivocamente contra simpatizantes do nazismo.

Um apelo para a ida às urnas

Diante de tais tensões, Obama ressaltou a importância das eleições deste ano e pediu aos jovens eleitores que canalizem as suas frustrações nas urnas, elegendo autoridades que reflitam a rica diversidade do país, e ajudem a recompor uma “democracia saudável”.

Estes são tempos extraordinários. E são tempos perigosos. Em dois meses, temos a oportunidade de restaurar algum semblante de sanidade para a nossa política”, declarou o democrata. “Há apenas uma forma de controlar os abusos de poder, e tem a ver convosco e com o vosso voto.”

Os Estados Unidos vão às urnas em novembro para eleições legislativas que definirão os seus deputados e senadores. O pleito ocorre sempre no meio do mandato de quatro anos do presidente, como forma de medir a satisfação da sociedade com a atual gestão. O voto não é obrigatório.

Os democratas almejam, assim, retomar o controlo do Congresso, formado atualmente por uma maioria republicana. Isto explica o tom mais ácido – e direto – adotado por Obama.

Desde que passou a chefia da Casa Branca para Trump, em janeiro de 2017, evitou mencionar o nome de seu sucessor em declarações ácidas, limitando-se a criticar medidas polémicas adotadas pelo republicano, como políticas migratórias restritivas e a saída de acordos internacionais importantes, incluindo o pacto nuclear iraniano e o Acordo de Paris sobre o clima.

Trump ironiza discurso de Obama

As declarações mais duras de Obama, no entanto, parecem não ter irritado Trump, que disse ter “sentido sono” ao ouvir o discurso de seu antecessor. “Sinto muito, eu assisti, mas fiquei com sono. Acredito que foi muito, muito bom para dormir”, afirmou.

Em ato eleitoral no estado de Dakota do Norte, o presidente ainda rebateu algumas das declarações proferidas por Obama, como a afirmação de que a boa situação da economia americana é resultado das políticas adotadas pelo governo democrata.

“Tenho que dizer ao presidente Obama: se os democratas tivessem chegado à presidência em novembro há quase dois anos, em vez de termos 4,2% de crescimento do PIB, estaríamos com 4,2% negativos”, afirmou Trump sobre a expansão da economia no segundo trimestre.

Apesar de ter acelerado ligeiramente nos últimos meses, a economia americana já estava num sólido caminho de crescimento nos últimos anos do governo Obama.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Infelizmente isto é uma realidade não só nos estados unidos.
    As democracias estão e vão falhar levando a que a venham a surgir regimes algo muito parecidos com “Ditaduras” ou “Fascismos” Democráticos.
    O problema da democracia é que deixou de ser baseada na liberdade e responsabilidade e passou a se basear na mentira e oportunismo.

RESPONDER

Encontradas três "estrelas fracassadas" ultrarrápidas. Estão prestes a autodestruir-se

Uma equipa de cientistas identificou as três anãs castanhas de rotação mais rápida já encontradas. Estas estrelas, conhecidas como "estrelas fracassadas" estão a girar tão depressa que podem estar prestes a desfazer-se. Usando dados no Spitzer …

“É como ser queimado com ácido quente“. Planta venenosa australiana causa dores que podem durar anos

Os "cabelos" da planta gympie-gympie causam uma picada tão tóxica que a dor pode durar anos. Esta pode ser encontrada nas florestas australianas. A gympie-gympie, ou dendrocnide moroides, é um tipo de arbusto que recebe o …

Sporting 1-1 Famalicão | Leão volta a tremer e vê Porto a 6

Segundo empate consecutivo do Sporting na Liga NOS, e pelo mesmo resultado, 1-1. Na recepção ao Famalicão, o líder do campeonato começou bem, marcou, mas sofreu um golo de imediato e nunca mais se encontrou …

Arqueólogos descobrem túnel medieval na Polónia. Tinha restos mortais de 18 carmelitas

Uma equipa de arqueólogos descobriu um cemitério medieval onde estava sediado um mosteiro do século XIV. No local foi ainda encontrado um túnel com dezoito esqueletos de padres carmelitas. A descoberta ocorreu em Jaslo - uma …

Militantes apoiados pelo Al-Qaeda defendem uso de mel contra a covid-19

O Al-Shabaab, um grupo rebelde islâmico apoiado pela Al-Qaeda, apela ao boicote à vacina da AstraZeneca contra a covid-19. A alternativa é "cominho preto e mel". A vacina da AstraZeneca não está apenas a levantar preocupações …

Em menos de um ano, a polícia foi chamada a intervir pelo menos nove vezes na mansão dos Sussex

A vida nos Estados Unidos não tem sido fácil para os duques de Sussex. No último ano, a polícia da Califórnia foi chamada pelo menos nove menos à mansão onde o casal habita desde que …

Rivalidade entre China e Índia é obstáculo à maior aproximação entre os BRICS, diz especialista

Apesar de os BRICS representarem "o tipo de relações entre países que queremos no século XXI", a rivalidade entre a Índia e a China ainda é um obstáculo a uma maior integração, dizem os especialistas. Na …

Variante sul-africana pode resistir à Pfizer. China pondera misturar vacinas

A variante do coronavírus descoberta na África do Sul pode "romper" a vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech até certo ponto, concluiu um estudo em Israel, embora a sua prevalência no país seja baixa e …

Rússia garante que não haverá guerra com Ucrânia. EUA desconfiam e prometem consequências

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, descartou este domingo a possibilidade de uma guerra com a Ucrânia, depois de Kiev ter manifestado preocupação com o reforço de tropas russas nas suas fronteiras. “Ninguém está a embarcar …

Inspetores do SEF rejeitam extinção sem aval do Parlamento (e dizem estar em causa o Espaço Schengen)

O sindicato dos inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) rejeitou este domingo a extinção daquele organismo sem a aprovação formal da Assembleia da República e considerou que está em causa a permanência de …