Obama, Bush e Clinton vão vacinar-se publicamente para encorajar os norte-americanos

Patrick Hamilton / G20 Australia

Os ex-presidentes dos EUA Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton disseram que estão prontos para serem vacinados publicamente contra a covid-19, a fim de encorajar os seus concidadãos a fazer o mesmo.

Obama disse que “confia plenamente” nas autoridades de saúde, incluindo no imunologista Anthony Fauci, o conselheiro principal da Casa Branca no combate à pandemia, que entrou em rota de colisão com as posições do Presidente cessante, Donald Trump.

“Se Anthony Fauci me disser que esta vacina é segura e pode proteger-me contra a covid, não hesitarei em usá-la”, disse Obama numa entrevista à rádio SiriusXM.

“Prometo que, quando estiver disponível para pessoas menos vulneráveis, vou tomar a vacina. Poderei fazer isso perante câmaras de TV, para que as pessoas vejam que eu confio na ciência”, acrescentou o ex-Presidente democrata, de 59 anos.

Um representante de George W. Bush disse à CNN que este ex-Presidente republicano de 74 anos também estava disposto a promover as vacinas contra a covid-19.

“As vacinas devem primeiro ser consideradas seguras e administradas a populações prioritárias”, disse Freddy Ford, em nome de Bush, acrescentando que o ex-Presidente “vai esperar pela sua vez e ser vacinado de boa vontade na frente das câmaras”.

O porta-voz de Bill Clinton, Angel Urena, também disse à CNN que o ex-Presidente democrata, também de 74 anos, seria vacinado publicamente se isso ajudar os norte-americanos a seguirem o seu exemplo.

Um artigo publicado esta quinta-feira no jornal diário Washington Post desafiou o Presidente eleito, Joe Biden, de 78 anos, e a sua futura vice-Presidente, Kamala Harris, 56 anos, a serem vacinados perante câmaras de televisão, para convencer os mais céticos, que são muitos nos Estados Unidos, a usar vacinas contra a covid-19.

Estados Unidos com recorde de mais de 3.000 mortes

Os Estados Unidos registaram mais de 3.000 mortes com covid-19 num único dia, na quarta-feira, batendo todos os recordes desde o início da pandemia, segundo as autoridades sanitárias norte-americanas.

Se o aumento de casos diários se mantiver, os EUA enfrentam a possibilidade de registar todos os dias um número de mortos devido a covid-19 equivalente aos óbitos provocados pelos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

A base de dados da Universidade Johns Hopkins revela que 3.157 pessoas morreram com o novo coronavírus na quarta-feira, o que representa cerca de 1.000 mortes a mais do que os níveis de mortalidade alcançados na primeira vaga da pandemia, em maio.

Nada indica que os números de letalidade diminuam nos próximos dias, pelo que o país mais rico do mundo enfrenta a possibilidade devastadora de registar o equivalente a vários ataques de 11 de setembro, que fizeram 2.977 mortos, diariamente.

Os internamentos hospitalares por causa da pandemia também continuam a aumentar, com mais de 100 mil camas ocupadas, até quarta-feira, e quase 20 mil pacientes em unidades de cuidados intensivos.

Os Estados Unidos aproximam-se de 200.000 casos de infeções diárias, no dia de hoje, depois de adicionar mais de um milhão de infeções semanais ao longo de novembro, com as quais os Estados Unidos acumularam quase 14 milhões de casos de covid-19 desde o início da pandemia, mais do que qualquer outra nação do planeta.

ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, diz especialista da ONU

A junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, incluindo crianças com 20 semanas de idade, segundo o relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) destacado para o país, …

Regiões portuguesas entre as que mais colocaram trabalhadores em teletrabalho

  Apesar dos números elevados registados em Portugal, futuro do modelo está ainda em aberto, face à preferência dos patrões em ter os funcionários a trabalhar em ambiente de escritório. De acordo com dados revelados pelo Eurostat, …

Reino Unido em choque. Sabina Nessa pode ter sido assassinada por um estranho ainda em liberdade

Sabina Nessa, de 28 anos, terá sido assassinada enquanto caminhava pelo Cator Park, no sudeste de Londres, na passada sexta-feira. O percurso da sua casa até a um bar ia demorar apenas cinco minutos, mas …

A corrida a secretário-geral da UGT terá dois candidatos

É a primeira vez que a corrida à liderança da UGT conta com dois candidatos: além de José Abraão, atual dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Mário Mourão, presidente do Sindicato dos …

Colapso da Evergrande. China pede a governos regionais que se "preparem para a possível tempestade"

As autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais para se prepararem para um possível colapso da Evergrande. O The Wall Street Journal noticia, esta quinta-feira, que as autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais …

Governo vai testar 35 mil funcionários de creches e pré-escolar até 3 de outubro

Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram esta quinta-feira a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país. O …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

EUA reabrirá campo de detenção de migrantes perto da prisão de Guantánamo

A administração do Presidente dos Estados Unidos (EUA) Joe Biden se prepara para reabrir um campo de detenção de migrantes na Baía de Guantánamo, após um aumento de migrantes e requerentes de asilo no sul …

Défice desce para 5,3% do PIB no 2.º trimestre do ano

O défice orçamental do primeiro semestre deste ano é de 5,5% do PIB. A meta do ministro das Finanças para o ano de 2021 é de 4,5%.  O défice orçamental fixou-se em 5,3% do PIB no …

É a maior contração desde 1995. INE revê queda do PIB para 8,4%

A queda foi pior do que se esperava: o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 8,4% e não 7,6%, indicam os recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 8,4% em …