O sucesso olímpico do Japão seguiu-se de um falhanço na luta contra a pandemia

Embora os Jogos Olímpicos tenham sido um enorme sucesso para os japoneses, no que toca à pandemia de covid-19, foi um grande fracasso para o país.

Do ponto de vista desportivo, os Jogos Olímpicos de Tóquio foram um grande sucesso para o Japão. Terminando em terceiro atrás dos gigantes olímpicos dos Estados Unidos e da China, o Japão garantiu o recorde de 27 medalhas de ouro.

No entanto, à medida que a cerimónia de encerramento atingia um crescendo, nas ruas de Tóquio, ambulâncias levavam pacientes de hospital em hospital numa busca desesperada por camas disponíveis.

Durante a primeira semana de agosto, houve 2.897 casos de ambulâncias incapazes de admitir pacientes em hospitais de todo o país, um aumento acentuado em relação às semanas anteriores. E com a variante Delta agora dominante, a cada dia está a verificar-se um número recorde de novos casos de covid-19.

Pouco antes dos Jogos Olímpicos, tudo parecia estar no caminho certo: o programa de vacinação do Japão tinha acabado de atingir a impressionante marca de um milhão de vacinações por dia, o número de casos era gerível e tanto o Comité Olímpico Internacional como o Governo japonês tinham prometido uns Jogos “seguros e protegidos”. Desde então, porém, a situação do Japão entortou.

Atuar em ‘modo desastre’

Agora, o Japão enfrenta não apenas casos recordes, mas também números recordes de pacientes internados com gravidade: 1.974 em 26 de agosto de 2021. Só em Tóquio, as infeções diárias ultrapassaram 4.000 em agosto, incluindo mais de 270 casos graves até ao momento.

Novas diretrizes a estipular que apenas pacientes de alto risco sejam hospitalizados significa que mais de 20.000 indivíduos infetados em Tóquio ficarão em casa. Sem surpresa, estão a surgir relatórios de pacientes cujas condições deterioraram rapidamente, em alguns casos terminando em morte.

Infographic: Japan's Virus Surge Continues During Olympics | Statista Para lidar com este aumento de pacientes incapazes de receber cuidados médicos, o primeiro-ministro, Yoshihide Suga, delineou planos para estabelecer “estações de oxigénio” para fornecer oxigénio suplementar fora do hospital e para oferecer o tratamento com Ronapreve para os pacientes usarem em casa.

O painel de especialistas do governo descreveu a situação como “fora de controlo”, com os hospitais da capital a operarem agora em “modo desastre”. O painel está a alertar que, nesta fase, o público deve tomar as suas próprias medidas para se proteger do vírus. A atenção do público fixou-se na área metropolitana de Tóquio, mas o vírus agora espalhou-se e está a galopar por todo o país.

O papel dos Jogos Olímpicos

Houve ampla oposição à realização dos Jogos Olímpicos antes do seu início, já que o público era cético em relação às alegações de Jogos “livres de risco”. Sem dúvida, o evento ajudou a espalhar o vírus.

Afinal, não eram os atletas que eram o problema, mas sim a mensagem confusa de organizar o maior megaevento do mundo no meio de uma pandemia. Apesar de os espectadores não serem permitidos nas instalações olímpicas, as pessoas ainda se reuniam para assistir aos jogos em parques e bares por todo o país. A conformidade do público com as medidas governamentais deteriorou-se.

Como explicou o próprio chefe especialista em covid-19 do Governo de Suga, Shigeru Omi, os Jogos Olímpicos “afetaram a perceção do público” da crise, enfraquecendo a mensagem de permanência em casa do próprio Governo e debilitando a declaração do estado de emergência.

A vaga atual do Japão começou a diminuir, mas ainda não atingiu o seu pico. O seu impacto no sistema de saúde já é visível e provavelmente vai agravar-se. As consequências vão revelar-se com o tempo.

Um problema fundamental é que o Governo perdeu credibilidade. Organizar os Jogos Olímpicos foi apenas a última de uma série de mensagens contraditórias sobre a covid-19 — no ano passado, a campanha de viagens “Go To” do governo incentivou o turismo em plena terceira vaga do país, enquanto a campanha de vacinação atrasada é em parte resultado da priorização do desenvolvimento de vacinas domésticas em relação às importações.

O recente encobrimento do primeiro caso japonês da variante Lambda, por estar relacionado com os Jogos Olímpicos, aumentou a desconfiança do público.

De momento, é difícil ver o Governo reconquistar a confiança do povo e as perspetivas de curto prazo são desanimadoras. No entanto, conforme a situação se deteriora, o próprio público japonês pode alterar o comportamento o suficiente para retardar a propagação do vírus.

PARTILHAR

RESPONDER

O sucesso olímpico do Japão seguiu-se de um falhanço na luta contra a pandemia

Embora os Jogos Olímpicos tenham sido um enorme sucesso para os japoneses, no que toca à pandemia de covid-19, foi um grande fracasso para o país. Do ponto de vista desportivo, os Jogos Olímpicos de Tóquio …

Não acontecia há 19 anos: uma competição da UEFA sem clubes portugueses

Liga Conferência Europa não contará, nem com Paços de Ferreira, nem com Santa Clara. Liga dos Campeões de 2002/03 não teve equipas lusas - mas essa época terminou com uma conquista europeia do FC Porto. Quando, …

Pressão sobre os cuidados de saúde pode "aumentar nas próximas semanas"

A manter-se este quadro, a pressão sobre os cuidados de saúde pode "aumentar nas próximas semanas", avisa o mais recente relatório da DGS e do INSA. A DGS e o INSA divulgaram hoje o relatório das …

Reino Unido resgata famílias afegãs depois de contactos terem sido esquecidos na embaixada em Cabul

Devido ao caos na evacuação, os protocolos de destruição de documentos sensíveis não foram cumpridos na embaixada britânica em Cabul. Os contactos de vários afegãos ficaram espalhados pelo chão e alguns já estão no Reino …

Bolsonaro diz que brasileiros devem comprar armas para não serem escravizados

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, voltou a estimular hoje que a população brasileira compre armas para não serem escravizados, reiterando o seu discurso pró-armas enquanto aumenta críticas ao poderes judiciário e legislativo do país. "Tem …

Alemanha tira Lisboa da lista de "alto risco" mas mantém o Algarve

As autoridades alemãs tiraram a Área Metropolitana de Lisboa (AML) da lista de alto risco relativamente à covid-19, mas mantiveram o Algarve, segundo o relatório semanal do Instituto Robert Koch (RKI) hoje divulgado. A manutenção do …

Imã de Lisboa critica os que falam sobre o Islão sem conhecimento

O xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa, afirmou hoje que, “se a ignorância sobre o Islão pagasse as dívidas, o nosso défice estava resolvido”. “Desde a semana passada, fala-se muito de ‘Sharia’. As …

CR7 no United

Ronaldo está de volta ao Manchester United (já é oficial)

Está selado o regresso de Cristiano Ronaldo ao Manchester United. O clube inglês já anunciou o regresso do craque português, confirmando que chegou a acordo com a Juventus para a transferência. O clube inglês anunciou o …

Países anunciam fim das operações em Cabul. Retirada britânica está por "horas"

Os Estados Unidos da América deverão ser os últimos a deixar o Afeganistão, com a retirada do seu contingente militar prevista para 31 de Agosto. As forças militares britânicas deram por terminadas as operações de retirada …

Marcelo teve "longa conversa" com Xi Jinping sobre Macau e Afeganistão

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, falou hoje por telefone com o Presidente chinês, Xi Jinping, sobre o relacionamento bilateral, Macau e a situação internacional, em particular, no Afeganistão, divulgou a Presidência da …