O Megalodonte comeu predadores (e predadores de predadores)

Um novo estudo de investigadores da Universidade de Princeton mostra que os míticos megalodontes pré-históricos — os maiores tubarões que já viveram — foram predadores ao mais alto nível jamais registado.

Estes tubarões “megatooth” são assim chamados, devido aos seus dentes maciços, que chegam a ser maiores que uma mão humana.

O grupo inclui o Megalodonte, o maior tubarão que alguma vez viveu, bem como várias espécies relacionadas.

De acordo com a EurekAlert, enquanto algumas espécies de tubarão já são mais antigas que os dinossauros — há mais de 400 milhões de anos — estes tubarões “megatooth” evoluíram após a extinção dos dinossauros e reinaram nos mares até há apenas 3 milhões de anos.

“Estamos habituados a pensar nestas espécies de grande porte — baleias azuis, tubarões-baleia, mesmo elefantes e diplodocos — como herbívoros, não predadores”, explica Emma Kast, autora principal do estudo publicado este mês na Science Advances.

“Mas a espécie Megalodonte e os outros tubarões megatooth eram na realidade enormes carnívoros que comiam outros predadores — e os Megalodonte extinguiram-se há apenas alguns milhões de anos”.

Segundo Danny Sigman, professor de Ciências Geológicas e Geofísicas de Princeton Dusenbury, se o temível Megalodonte existisse no oceano moderno, mudaria profundamente a interação dos seres humanos com o ambiente marinho.

A equipa de investigadores de Princeton descobriu agora provas claras de que esta espécie e alguns dos seus antepassados se encontravam no mais alto patamar da cadeia alimentar pré-histórica — o que os cientistas chamam o mais alto “nível trófico”.

De facto, a sua assinatura trófica é tão elevada que é provável que se tenham alimentado de outros “predadores e predadores de predadores” numa cadeia alimentar complicada, dizem os investigadores.

“As cadeias alimentares oceânicas tendem a ser mais longas do que a cadeia alimentar dos animais terrestres, porque começa com organismos muito pequenos”, disse Kast.

“Para atingir os níveis tróficos que estamos a medir nestes tubarões megatooth, não precisamos apenas de acrescentar um nível trófico — um predador apex, ou super-predador, no topo da cadeia alimentar marinha. Pecisamos de acrescentar vários no topo da moderna teia alimentar marinha”.

O tamanho do Megalodonte tem sido conservadoramente avaliado em 15 metros de comprimentos, enquanto os grandes tubarões brancos modernos normalmente atingem cerca de cinco metros.

Curiosamente, apesar da sua condição de super-predador e rei dos mares pré-históricos, o Megalodonte não conseguiu fugir à extinção — e, segundo um estudo recente, o animal culpado pela sua extinção é, precisamente, o tubarão-branco.

Para chegar às suas conclusões sobre a cadeia alimentar marinha pré-histórica, Kast, Sigman e os seus colegas utilizaram uma nova técnica para medir os isótopos de azoto nos dentes dos tubarões.

Os ecologistas há muito que sabem que quanto mais azoto-15 um organismo tem, maior é o seu nível trófico, mas os cientistas nunca antes foram capazes de medir as pequenas quantidades de nitrogénio preservado na camada de esmalte dos dentes destes predadores extintos.

“Temos uma série de dentes de tubarão de diferentes períodos de tempo, e fomos capazes de rastrear o seu nível trófico versus o seu tamanho“, disse Zixuan Rao, estudante de pós-graduação no grupo de investigação de Sigman e co-autor do presente artigo.

Sem uma máquina do tempo, não há forma fácil de recriar as teias alimentares de criaturas extintas, poucos ossos sobreviveram com marcas de dentes que dizem: “Fui mastigado por um tubarão maciço”.

Felizmente, Sigman e a sua equipa passaram décadas a desenvolver outros métodos, com base no conhecimento de que os níveis de isótopos de azoto nas células de uma criatura revelam se esta se encontra no topo, no meio ou na base de uma cadeia alimentar.

“Todo o focus da minha equipa de investigação é procurar matéria orgânica quimicamente fresca, mas fisicamente protegida — incluindo azoto — em organismos de um passado geológico distante”, disse Sigman.

“Quando se olha para o registo geológico, um dos tipos fósseis mais abundantes são os dentes de tubarão“, disse Sigman. “E dentro dos dentes, há uma pequena quantidade de matéria orgânica que foi utilizada para construir o esmalte dos dentes e agora está presa dentro desse esmalte”.

Uma vez que os dentes de tubarão são tão abundantes e estão tão bem conservados, as assinaturas de azoto no esmalte fornecem uma forma de medir o estado na cadeia alimentar, quer o dente tenha caído da boca de um tubarão há milhões de anos ou ontem.

A análise requer um sistema de preparação de óxido nitroso automatizado e personalizado que extrai, purifica, concentra e entrega o gás a um espectrómetro de massa de relação isotópica estável especializado.

“Esta tem sido uma pesquisa de várias décadas, em que tenho participado, para desenvolver um método central para medir estas quantidades de vestígios de azoto”, disse Sigman.

De micro fósseis em sedimentos, passaram para outros tipos de fósseis, como corais, ossos de orelha de peixe e dentes de tubarão.

“A seguir, nós e os nossos colaboradores queremos a aplicar isto a dentes de mamíferos e dentes de dinossauros”.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.