/

O maior “cemitério de aviões” do mundo tem quase 4.000 aeronaves “mortas”

6

Amber Porter / U.S. Navy

309th Aerospace Maintenance and Regeneration Group

As companhias aéreas podem colocar os seus aviões reformados em museus de aviação ao ar livre (é o caso do famoso Concorde), mas a maioria das aeronaves acaba em “cemitérios” depois de se reformarem.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Existem alguns “cemitérios” de aviões a pontilhar os desertos do sudoeste dos Estados Unidos, mais o maior do mundo situa-se na Base da Força Aérea Davis-Monthan, em Tucson, no Arizona, e é a casa de milhares de aeronaves reformadas.

O 309th Aerospace Maintenance and Regeneration Group (309th AMARG), vulgarmente conhecido como Boneyard, é a maior instalação de armazenamento e preservação de aviões do mundo.

Segundo o Interesting Engineering, a área, de 10,5 quilómetros quadrados, abriga quase 4.000 aeronaves e 13 veículos aeroespaciais da Força Aérea dos Estados Unidos, Exército, Guarda Costeira, Marinha, Corpo de Fuzileiros Navais e Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA).

Apesar de ser a casa de vários tipos de aviões, o grosso das aeronaves preservadas no Davis-Monthan pertence à aviação militar.

Tucson foi o lugar escolhido, em primeiro lugar, pelas condições climáticas do Arizona. O calor seco e a baixa humidade fazem com que as aeronaves demorem mais tempo a enferrujar e a degradar-se, tornando-as menos suscetíveis à corrosão e facilitando a sua manutenção em condições de trabalho adequadas.

Em segundo lugar, o facto de os desertos oferecerem uma grande quantidade de espaço por um preço acessível.

A geologia do deserto, com o seu solo alcalino, também é suficientemente dura para evitar que as aeronaves se afundem no solo. Os aviões podem, assim, ser estacionados no deserto sem serem necessárias rampas de estacionamento dispendiosas.

Se estiver curioso e quiser visitar as longas filas de aviões no calor do Arizona, está com sorte: o maior “cemitério” de aeronaves do mundo pode ser visitado através de uma excursão de autocarro.

  ZAP //

6 Comments

  1. 400 não 4.000; e não é um cemitério para aviões reformados, é apenas um “parque de estacionamento” de aviões a funcionar em pleno. Deviam ver o video antes de escrever o texto

    • Caro leitor,
      Obrigado pelo seu comentário.
      Nós vimos o vídeo, mas também recolhemos e lemos informação de diversas fontes antes de escrever o texto.
      Apesar de o vídeo em causa mostrar “um voo sobre 400 aeronaves”, no local em causa há na realidade quase 4.000 aeronaves — segundo aponta a nossa fonte, bem como a informação constante no site da Pima County Public Library, também citado no nosso texto.

  2. Se, se diz que é cemitério, é porque já não estão a funcionar. Se estivessem mesmo a funcionar andavam a circular, só o que cada um custa, é um desperdício estarem parados.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.