Conselho para os nadadores olímpicos: Não ponham a cabeça debaixo da água

Com a abertura dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro à porta, os níveis de poluição das águas da cidade brasileira continuam a causar preocupação. Uma especialista recomenda mesmo aos nadadores em competição para não porem a cabeça debaixo de água para não ficarem doentes.

Os resultados de um estudo feito ao longo de 18 meses, encomendado pela Associated Press, revela que foram encontrados nas águas “níveis virais de até 1,7 milhões de vezes mais do que seria considerado preocupante nos Estados Unidos ou na Europa”.

Com concentrações tão elevadas, “nadadores e atletas que ingerem apenas três colheres de chá de água quase certamente ficam infectados com vírus que podem causar doenças do estômago e respiratórias e, mais raramente, inflamações do cérebro e do coração”, destaca a ABC News.

A investigação comissionada pela Associated Press registou a presença de adenovírus infecciosos em cerca de 90% dos locais analisados, ao longo dos 16 meses de testes.

“É uma percentagem muito, muito, muito alta. Ver este nível de vírus patogénico humano é praticamente inédito em águas superficiais nos EUA. Nunca, nunca, veríamos esses níveis porque tratamos as nossas águas residuais”, salienta a investigadora Valerie Harwood, do Departamento de Biologia Integradora da Universidade do Sul da Flórida, em declarações à ABC News.

Números tão assustadores que levam Harwood a deixar um conselho aos atletas que vão entrar nas provas em águas livres: “Não ponham a cabeça debaixo da água”.

Valerie Harwood nota ainda que quem não conseguir seguir este conselho pode ingerir água através da boca ou do nariz e arriscar “ficar violentamente doente”.

Super-bactéria em cinco praias do Rio

Em Junho deste ano, uma investigação do Instituto de Microbiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) detectou a presença de uma “super-bactéria” nas praias de Copacabana, Ipanema, Leblon, Botafogo e Flamengo, na zona sul da cidade.

De acordo com O Globo, trata-se de uma bactéria multi-resistente a antibióticos que pode provocar infecções “oportunistas”, conforme explica a coordenadora do estudo, Renata Picão.

A investigadora refere ao jornal que esta bactéria pode actuar no trato urinário, a nível pulmonar, na corrente sanguínea, no sistema nervoso central, “causando meningites, e infecções gastrointestinais”.

A Lagoa de Rodrigo de Freitas, onde vão decorrer as provas de remo, e a Marina Glória, de onde arrancarão as provas de vela, são alguns dos pontos mais contaminados.

Amostras de 2015 recolhidas na Lagoa, para o estudo da Associated Press, revelaram “uns espantosos 1.730 milhões de adenovírus por litro“, frisa a ABC. Em Junho passado, os registos estavam mais baixos, “mas ainda assim de arrepiar os cabelos com 248 milhões de adenovírus por litro”, destaca o mesmo canal.

Na Marina, as amostras de 2015 apontavam para 26 milhões de adenovírus por litro, enquanto em Junho os registos contavam mais de 37 milhões de adenovírus por litro – isto apesar de ter sido implantado um sistema de drenagem fluvial que pretendia evitar que os esgotos fossem directamente despejados na marina.

As águas de Copacabana, onde vão decorrer as provas de natação da maratona e do triatlo, e de Ipanema também apresentam níveis de coliformes fecais muito acima daquilo que é considerado seguro e a presença de rotavírus, o principal causador da gastroenterite.

Em Copacabana foram detectados 7,22 milhões de rotavírus por litro e em Ipanema 32,7 milhões de rotavírus por litro. São duas das praias mais conhecidas e mais procuradas do Rio de Janeiro, pelo que os milhares de turistas que as visitam também estão em risco.

São de resto, os visitantes de fora que mais fragilizados ficam, perante o problema, porque os locais já desenvolveram imunidades porque convivem desde pequenos com os níveis de poluição elevados provocados pelos esgotos.

Níveis tão preocupantes que levaria a interditar águas

Os números do estudo da Associated Press não cumprem sequer as normas estabelecidas no Rio de Janeiro, menos restritivas do que noutros locais do mundo, e noutros países poderiam levar a interditar essas praias ao público.

Alguns atletas que vão competir nos JO estão já a tomar antibióticos a título de prevenção, conforme avança a ABC News, notando ainda que muitos estão também a usar “remos branqueadores” e a vestir fatos de plástico e luvas para minimizarem as hipóteses de contacto com a água.

Já a organização dos JO continua a garantir que as águas serão seguras para os atletas.

O biólogo Mario Moscatelli, que se dedica há cerca de 20 anos à luta pela limpeza das águas do Rio de Janeiro, diz à ABC News que não vê melhorias há décadas, apesar de na candidatura à organização dos JO estar explícito o objectivo de resolver o problema.

“A Baía de Guanabara foi transformada numa latrina… e infelizmente, o Rio de Janeiro perdeu a oportunidade, talvez a última grande oportunidade” de se limpar, considera Moscatelli.

SV, ZAP

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. os governantes do Brasil q digam p/ onde foi o dinheiro q receberam p/ os Jogos Olímpicos. A grande % foi certamente p/ o bolso deles!…

  2. Num país enorme constroem-se super-cidades como se houvesse falta de espaço e pior do que isso constrói-se mal tudo em nome da ganância como se a natureza tudo suportasse, tudo isto vai terminar numa péssima publicidade para um país já tão fustigado por tudo o que é de mau e na queda do turismo que tanta falta lhes faz.

RESPONDER

Contrariando as autoridades, Hong Kong assinala aniversário de Tiananmen. "Podem reprimir as nossas atividades mas não o nosso espírito"

Evocando razões de saúde pública devido à pandemia, as autoridades de Hong Kong proibiram a vigília de quinta-feira que visava assinalar o 31.º aniversário do massacre de Tiananmen. As aglomerações com mais de oito pessoas …

Governo pondera criar nova contribuição sobre a banca para financiar Segurança Social

O Governo de António Costa está a estudar a criação de uma contribuição adicional de solideriedade sobre o setor bancário para ajudar a financiar a Segurança Social e fazer face aos custos de resposta à …

Arqueólogos encontram rara ferramenta de caça com 300 mil anos

Arqueólogos encontraram uma ferramenta de madeira utilizada na caça há 300 mil anos. É muito raro encontrar artefactos paleolíticos feitos de madeira, realça o autor do estudo. Uma equipa de investigadores da Universidade de Tübingen e …

Twitter não descarta suspender conta de Donald Trump

Um alto responsável da plataforma digital Twitter não excluiu a suspensão da conta da Donald Trump caso o Presidente norte-americano prossiga a publicação de mensagens incendiárias que transgridam as regras daquela rede social. Com 81,7 milhões …

Patrões agradados com o plano do Governo. PSD diz que "é muito fraco"

Enquanto patrões e sindicalistas ficaram bastante satisfeitos com o Programa de Estabilização Económica e Social apresentado pelo Governo, o PSD deixou duras críticas. Esta quinta-feira, no final do Conselho de Ministros, onde foi aprovado o plano …

Na resposta a uma crise, ligações humanas podem piorar ainda mais as coisas

Um novo estudo sugere que a conexão humana nem sempre é uma coisa boa, sobretudo quando se trata de ultrapassar uma crise com sucesso. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 2480 voluntários …

Brasil ultrapassa Itália e torna-se no terceiro país com mais mortes

O país sul-americano, que tem uma população estimada em 210 milhões de habitantes, contabiliza 34.021 vítimas mortais e 614.941 casos confirmados. O Brasil ultrapassou a Itália e tornou-se no terceiro país do mundo com mais mortes …

PCP é o primeiro partido a retomar comícios ao ar livre

O PCP foi o último partido a fazer um comício, em março, antes de o país "parar" devido à pandemia de covid-19 e vai ser o primeiro a organizar uma iniciativa deste tipo, no domingo, …

Asteróide que matou os dinossauros criou uma província hidrotermal nove vezes maior do que Yellowstone

O asteróide que dizimou os dinossauros da face da Terra criou uma província hidrotermal nove vezes maior do que a caldeira do supervulcão Yellowstone, localizado nos Estados Unidos, conclui um novo estudo agora divulgado. De acordo …

Encontrar uma agulha num palheiro cósmico. Astrónomos resolvem mistério do primeiro Anel de Einstein

Determinados a encontrar uma agulha num palheiro cósmico, um par de astrónomos viajou no tempo através dos arquivos de dados antigos do Observatório W. M. Keck em Mauankea e do Observatório de Raios-X Chandra da …