Um número de quatro dígitos impediu Monika de casar aos 13 anos

A Índia continua a ser o país com o maior número de raparigas menores casadas à força, mesmo havendo leis que proíbem este tipo de matrimónio. Casos como o de Monika, de apenas 13 anos, mostram que a situação está a mudar.

O testemunho de Monika chega-nos através da jornalista da BBC, Naomi Grimley, que viajou até Bikaner, no noroeste da Índia, para contar a sua história. Tinha apenas 13 anos quando os pais anunciaram que lhe tinham arranjado um noivo.

Embora os registos escolares o provassem, os pais diziam que a filha já tinha 17 anos. Nesta região do país, a idade nem sempre é uma coisa clara e a pobreza torna as certidões de nascimento uma documento de difícil acesso.

“Os meus pais disseram-me que tinham encontrado um homem para mim em Churu. Disseram que era muito amável, educado e que trabalhava como operário”, recorda, acrescentando que o rapaz tinha 22 anos.

Como era obediente, o primeiro instinto foi aceitar a novidade mas depois começou a ter dúvidas. “Sentia que era muito jovem, que não devia casar. Eu queria estudar e ser professora”, conta.

Foi então que decidiu confrontar os pais. “Disse-lhes que não me queria casar. Perguntaram o porquê da minha escolha e eu respondi que era suposto ter mais de 18 anos para poder casar”.

Na sua perspetiva, o matrimónio ia significar uma vida de isolamento na casa do futuro marido, a quatro horas de comboio do seu verdadeiro lar. “Não ia poder brincar ou falar, ia ficar responsável por todas as tarefas domésticas. Iam obrigar-me a trabalhar”.

Um casamento duplo

A vida de Ganesh e Sita, pais desta jovem de 13 anos, não é fácil. Têm cinco filhas. Ganesh ganha 500 rupias por dia, cerca de seis euros, na construção civil, e nem sempre o trabalho é certo. A mãe e a avó limpam os contentores do lixo de algumas casas do bairro.

A filha mais velha, Rajini, também se iria casar em novembro desse ano. O noivo tinha um irmão e a família de Monika acreditou que, caso se juntasse a ele, poderia haver dois casamentos num só, o que acabaria por poupar algum dinheiro.

No entanto, a decisão de casar uma menor de 18 anos é ilegal na Índia. “Sabíamos que era proibido e sentimo-nos mal com isso”, conta o pai, notando que, por outro lado, não lhes restava outra opção.

À BBC, a mãe também considerou que o casamento era a decisão mais acertada por causa da segurança da filha. “Quando vamos trabalhar, ficamos preocupados em deixá-la sozinha em casa porque o nosso bairro não é seguro“, justifica.

A data para a cerimónia estava marcada: 4 de novembro de 2017.

Último recurso

Poucas horas antes da cerimónia, ninguém sabia que a noiva estaria escondida entre as sombras da sua casa a tentar fazer uma última chamada antes de subir ao altar. O número marcado tinha apenas quatro dígitos: 1098. Trata-se da “Childline”, um número de telefone nacional para ajudar crianças indianas.

Quando atenderam o telefone, em Nova Deli, capital da Índia, Monika começou a contar a sua história. A pessoa do outro lado da linha anotou os seus dados e respondeu prontamente: “Não se preocupe, estamos a caminho”, recorda a jovem.

É, neste momento, que a voluntária Preeti Yadav entra nesta história. A jovem trabalha na organização Urmul Trust, que atende estes casos, e assegura que as chamadas não param, seja dia ou de noite.

Preeti conta que, muitas vezes, trata-se de um verdadeiro contra-relógio para evitar o casamento de alguma menina menor de idade. Era o caso de Monika: “Tivemos o grande desafio de a salvar do casamento apenas três horas antes“, conta.

As autoridades locais chegaram a casa de Monika e alertaram os convidados de que o casamento não podia realizar-se. A família não respeitou as ordens e ainda tentou mudar a cerimónia para a casa da avó. Monika voltou a ligar para Preeti.

Duas horas depois, a voluntária e a polícia apareceram no local. “Levámos os pais e os avós para um quarto e explicámos que só a rapariga é que sofre com este casamento. Também mostramos que poderiam ser punidos judicialmente“, acrescenta.

A polícia conseguiu uma declaração escrita da família, na qual se compromete a não casar Monika antes dos 18 anos, e foram alertados de poderem ser presos caso não cumpram a lei. Preeti diz que se vê como uma espécie de irmã mais velha destas raparigas.

“Mantenho o contacto com estas raparigas para sempre. Sinto-me muito orgulhosa por ajudá-las a salvar as suas vidas e a proteger os seus futuros”, diz.

Uma mudança lenta

A voluntária conta que, só este ano, já viu entre 20 a 25 casos de casamento infantil. Apesar desta prática ter sido proibida em 2006, a Índia continua a ser o país com o maior número de raparigas casadas à força, segundo a UNICEF.

A situação está a mudar e a idade média do casamento está também a aumentar. Antes, estava entre os 10 e 11 anos, agora está entre os 14 e 15″, explica Arvind Ojha, líder da organização Urmul Trust.

Esta semana, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lembrou que, anualmente, 12 milhões de raparigas são obrigadas a casar antes dos 18 anos e mais de 150 milhões correm o risco de ser submetidas a casamentos forçados até 2030, se não se acelerarem os progressos em algumas regiões do mundo.

A maior queda nas estatísticas foi registada na última década na Ásia meridional, onde a a agência especializada das Nações Unidas dá como exemplo os progressos na Índia precisamente. Por outro lado, na África subsaariana, a situação agravou-se.

A UNICEF calcula que, atualmente, cerca de 650 milhões de mulheres de todo o mundo casaram quando eram crianças.

ZAP // BBC

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. nunca percebi este encanto/atração para com a India ?!?!

    nela existem uma panoplia de deuses, religioes e etc, mas mesmo assim aquele povo vive na completa miséria, ignorancia e obscurantismo.
    grandes nomes do ocidente iam/foram até lá como se tivessem as respostas para tudo …
    afinal são uns pobres coitados, aquele sistema de castas, aquela mentalidade fatalista, enfim … deuses os ajudem …

RESPONDER

Fundação Champalimaud anuncia prémio de um milhão de euros para erradicar o cancro

A Fundação Champalimaud anunciou, esta segunda-feira, um prémio de um milhão de euros a atribuir anualmente, e sem limite temporal, vocacionado para a "erradicação do cancro". O prémio é atribuído em parceria com o casal de …

A maior lixeira da China ficou cheia 25 anos antes do previsto

O maior depósito de lixo da China, Jiangcungou, na cidade de Xi'an, já está cheio, 25 anos antes da altura prevista. O aterro tinha sido preparado para receber 2500 toneladas de resíduos por dia. Porém, de …

Cigarros eletrónicos podem prejudicar o coração mais do que os cigarros comuns

Há muito que está provado que fumar é uma das principais causas de mortes por doenças cardíacas. Agora, há evidências crescentes de que os cigarros eletrónicos podem causar danos ao coração. Em dois estudos que serão …

Sindicato dos Magistrados acusa Conselho Superior de fazer escolhas pessoais

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) acusou, esta segunda-feira, o Conselho Superior do Ministério Público de escolher os procuradores para os departamentos mais importantes da investigação criminal por preferências pessoais. Em comunicado, o Sindicato …

Esta empresa está a produzir "carne" feita de ar

Enquanto várias startups estão a vender "carne" feita de plantas, a Air Protein, uma empresa sediada na Califórnia, nos Estados Unidos, está a criar carne feita de ar. A ideia não é nova, uma vez que …

Autoridade da Concorrência faz buscas em cinco empresas de vigilância privada

A Autoridade da Concorrência (AdC) anunciou, esta segunda-feira, que realizou diligências de busca e apreensão em cinco empresas do setor da vigilância privada, no distrito de Lisboa, "por suspeitas de práticas anticoncorrenciais lesivas do normal …

"Breaking Bad" da vida real. Dois professores de Química acusados de produzir metanfetamina

Dois professores universitários de Química do estado do Arkansas, nos Estados Unidos, foram detidos no domingo por suspeitas de produzirem metanfetaminas. O caso tem atraído atenção mediática por se parecer inspirar no enredo da série …

TAP regista prejuízos de 111 milhões de euros até setembro

A TAP registou, nos primeiros nove meses deste ano, prejuízos acumulados de 111 milhões de euros que atribui a "variações cambiais sem impacto na tesouraria". "A TAP S.A. apurou um prejuízo acumulado, nos primeiros nove meses …

Coreia do Norte não está interessada em mais cimeiras com os EUA

A Coreia do Norte advertiu, esta segunda-feira, que "não está interessada" em mais cimeiras com os Estados Unidos, se Washington persistir na recusa em fazer concessões. A Coreia do Norte deu a Washington até ao final …

Refugiado detido que escreveu um livro pelo Whatsapp conquista a liberdade

O jornalista e escritor curdo-iraniano Behrouz Boochani, que estava detido há seis anos num centro de imigrantes na Austrália, conquistou a liberdade. Boochani escreveu, através de mensagens da rede social Whatsapp, o livro “No Friend But …