Novos cursos superiores de dois anos aprovados quinta-feira

 

Tulane Publications / Flickr

-

As regras dos cursos superiores de curta duração serão aprovadas quinta-feira em Conselho de Ministros mas os politécnicos temem que o diploma tenha de ser alterado antes de entrar em vigor, uma vez que existem questões “criticas”.

As praxes académicas e os novos cursos superiores foram os principais temas debatidos hoje de manhã no Palácio das Laranjeiras, onde estiveram reunidos o secretário de Estado do Ensino Superior, José Ferreira Gomes, e os representantes dos institutos politécnicos.

No final do encontro, o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), Joaquim Mourato, saudou a decisão de “finalmente” ser aprovado em Conselho de Ministros o diploma que vai definir as regras de funcionamento dos novos cursos superiores, que terão a duração de apenas dois anos.

No entanto, Joaquim Mourato lamentou a falta de informação sobre estes cursos que vão começar a funcionar no próximo ano lectivo nos politécnicos.

Neste momento, sabe-se que além das licenciaturas, mestrados e doutoramentos, no próximo ano lectivo deverá haver a possibilidade de estudar para um novo grau académico: o de Técnico Superior Profissional, que é uma “espécie de meia licenciatura“, exemplificou o secretário de estado.

Os novos cursos destinam-se a jovens com mais de 18 anos que tenham terminado o secundário ou a quem falte apenas uma disciplina para terminar o 12.º ano, disse Ferreira Gomes, explicando que no caso de não terem o secundário completo, os alunos podem fazer as disciplinas que faltam “ao longo do 1.º ano” do curso superior.

Os cursos também vão implicar o pagamento de uma propina anual, que será fixada pelos politécnicos. Segundo Ferreira Gomes, o valor máximo da propina não poderá ultrapassar o valor das licenciaturas “mas, provavelmente, será um valor menor”.

Para aceder aos novos cursos, os alunos não terão de fazer exames nacionais mas sim uma prova local no instituto onde pretendem ingressar.

“As empresas terão um papel crucial que é dizer quais são as suas necessidades e depois acolher estes jovens. Estes são cursos de dois anos. No primeiro ano é dada formação geral. No 2.º tem um primeiro semestre de formação profissionais e um segundo semestre é estágio numa empresa”, explicou o secretário de estado.

Para Joaquim Mourato, as informações disponibilizadas pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC) aos representantes dos politécnicos são apenas “um rascunho do que vai ser apresentado em Conselho de Ministros”, havendo ainda questões por esclarecer.

“Existem algumas situações que são criticas e que ainda temos dificuldade em perceber com exactidão”, criticou Joaquim Mourato referindo-se, nomeadamente, ao financiamento dos cursos e à forma como estes cursos se irão distinguir dos restantes cursos de especialização tecnológica.

“Ainda não temos o conhecimento completo de como se organiza, de como se faz a ligação ao ensino superior, como é que são financiados, como é que convivem com os cursos de especialização tecnológica. Estas questões estão por esclarecer”, alertou em declarações aos jornalistas.

Segundo Joaquim Mourato, depois da aprovação do diploma em Conselho de Ministros haverá uma sessão de trabalho com a secretaria de Estado para perceber como implementar os novos cursos nos institutos politécnicos.

No entanto, defendeu, nessa altura poderá ser tarde demais: “Provavelmente vamos estar a discutir esse assunto com o documento aprovado o que é um enorme risco. Se encontrarmos questões que não podem ser ultrapassadas, provavelmente terá de ser alterado antes de ser implementado”, concluiu Mourato.

Confrontado com estas críticas, o secretário de Estado sublinhou a qualidade do diploma: “O senhor presidente do CCISP apresentou algumas preocupações que nós partilhamos. É natural que haja algumas dúvidas, mas a legislação é razoavelmente aberta para poder enquadrar algumas das preocupações e vamos acompanhar a entrada em funcionamento desses cursos para garantir o seu sucesso”.

O secretário de Estado explicou ainda que o financiamento dos cursos está previsto no quadro comunitário de apoio através dos programas regionais operacionais.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. isto é que é um curso à medida dos relvas uma vergonha tão exigente que este ministro e seus acólitos são . é uma medida que está de acordo com o despedimento dos trabalhadores mais bem pagos para serem substituidos por outros com vencimentos se calhar abaixo do salário minimo

RESPONDER

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …

Apple vai começar a produzir um milhão de máscaras por semana

O presidente da Apple, Tim Cook, anunciou que a empresa poderá produzir um milhão de máscaras por semana a partir do próximo fim de semana. Tim Cook explicou, na sua conta da rede social Twitter, que …

Robert Weighton é o homem mais velho do mundo. Tem 112 anos

Com 112 anos completados no dia 29 de março, o britânico Robert Weighton tornou-se o homem mais velho do mundo. Robert Weighton nasceu no dia 29 de março de 1908, em Kingston-Upon-Hull, no Yorkshire. Ao longo …