Novo Banco vai cortar mais 350 postos de trabalho até junho

André Kosters / Lusa

-

O presidente do Novo Banco reuniu-se esta terça-feira com a comissão de trabalhadores e com os sindicatos, informando-os do lançamento de um programa de rescisões voluntárias e outro de reformas antecipadas que visam a saída de 350 trabalhadores até junho.

“O objetivo do banco é reduzir até 350 trabalhadores até ao final do primeiro semestre”, disse à Lusa Rui Geraldes, porta-voz da Comissão Nacional de Trabalhadores do Novo Banco, no final do encontro com o presidente da instituição financeira, António Ramalho, sublinhando que esta medida consta do plano de reestruturação aprovado por Bruxelas em novembro de 2015.

“Na altura, o Governo acordou com Bruxelas um plano com metas relativas à redução dos custos operacionais, dos postos de trabalho e dos balcões. Nenhuma comissão de trabalhadores fica satisfeita com a redução de trabalhadores, mas foi algo imposto por Bruxelas e sempre defendemos que, face a esta imposição, devia haver um processo de rescisões voluntárias”, salientou o responsável.

“É uma solução menos dolorosa do que o despedimento coletivo”, acrescentou Rui Geraldes, elogiando a postura que a administração liderada por António Ramalho tem tido para com as estruturas representativas dos trabalhadores desde que tomou posse.

Apesar de o programa – que arranca esta quarta-feira e termina a 10 de março – ser, como o nome indica, de rescisões voluntárias, o Novo Banco reservou-se o direito de ter a “palavra final” sobre os candidatos, isto é, um trabalhador pode querer aderir e a administração pode impedi-lo de avançar com o processo.

“Compreendemos esta opção do banco, que assim se precavê para algumas situações que poderiam surgir. Imagine que todos os trabalhadores de uma agência específica queriam aderir ao programa, tal não podia ser aceite pelo banco”, comentou Rui Geraldes.

Outra fonte ligada às negociações, contactada pela Lusa no final da reunião de António Ramalho com a comissão de trabalhadores e com os vários sindicatos bancários, que decorreram em separado, assinalou que esta é “a primeira vez que o Novo Banco adota um programa de rescisões voluntárias”.

Segundo a mesma fonte, esta nova redução do pessoal estava definida desde novembro de 2015, quando a Direção-Geral da Concorrência (DG Comp) da Comissão Europeia impôs que, se o Novo Banco fosse vendido até ao final de 2016, teria que ter reduzido em mil pessoas o número de trabalhadores, mas que caso a venda não fosse concretizada, teriam que sair um total de 1.500 trabalhadores até junho de 2017.

“A nível doméstico, o objetivo é que as aceitações [do programa de rescisões voluntárias] se situem entre as 100 e as 150 pessoas, e que a nova fase do programa de reformas antecipadas abranja entre 150 e 200 pessoas. Isto é, um mínimo de 250 e um máximo de 350 trabalhadores”, sublinhou.

Desde novembro de 2015, saíram do Novo Banco 1.142 trabalhadores (excluindo as operações internacionais) e, levando em conta as vendas – ainda não concretizadas do NB Ásia e do Banque Espírito Santo et de la Vénétie (França) -, o total eleva-se para 1.327 pessoas.

Quanto aos balcões, o Novo Banco precisa de encerrar mais 70 agências para cumprir o objetivo de ter 550 balcões na atividade doméstica no final da primeira metade do ano.

A Lusa contactou fonte oficial do Novo Banco, que se escusou a fazer comentários sobre este tema.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Morri no Paralelo79N". Diário revela as últimas horas de um explorador que morreu sozinho na Gronelândia

Os investigadores analisaram a última entrada do diário de explorador polar do século XX, Jørgen Brønlund, incluindo uma curiosa mancha negra, escrita antes de morrer sozinho no nordeste da Gronelândia, descobrindo o que lhe aconteceu …

Cybershoes. O problema de andar em Realidade Virtual pode já ter uma solução

Um dos problemas com os jogos de Realidade Virtual é que, normalmente, as experiências são definidas numa escala maior do que uma sala de estar. Assim, o jogador acaba por ter de ficar numa parte …

"Um tsunami de dívidas". O mundo deve a si mesmo 277 mil milhões de dólares

Prevê-se que até ao final deste ano, a dívida da economia mundial atinja os 277 mil milhões de dólares. A pandemia de covid-19 é um dos fatores responsáveis. A pandemia de covid-19 não só está a …

Empresas podem negar trabalho a quem não se quiser vacinar

"É obviamente possível" que as empresas evitem contratar um trabalhador se não quiserem ser vacinadas contra a covid-19. A presidente do Comité Económico e Social Europeu (CESE), Christa Schweng, admitiu a possibilidade de uma empresa se …

"A Suitable Boy". Um beijo numa série da Netflix provocou um escândalo (social e político) na Índia

A Netflix está a enfrentar uma reação negativa na Índia por causa de uma cena de um beijo entre duas personagens na série A Suitable Boy ("Um bom partido"). O partido no poder já pediu …

Irmãos transformaram 7 linhas de código num império de 36 mil milhões de dólares

Patrick e John Collison são dois jovens empreendedores irlandeses que fundaram a Stripe, uma empresa que criou uma solução alternativa para os pagamentos online, avaliada em 36 mil milhões de dólares. Em vez de construirem soluções …

ECDC. Portugal terá "níveis muito baixos" de novos casos se mantiver restrições

Se Portugal mantiver as restrições adotadas atualmente, irá registar em dezembro “níveis muito baixos” de novos casos de covid-19. O Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), criado com a missão de ajudar os …

Com apenas 14 anos, Xiaoyu é o adolescente mais alto do mundo. Mede 2,21 metros

Ren Keyu nasceu na China a 18 de outubro de 2006, e no dia em que comemorou o seu 14º aniversário recebeu também o título do Guinness World Records do adolescente mais alto do mundo, …

Jerónimo "não está a prazo" no PCP (e vai continuar a negociar com o PS)

O PCP continua disponível para negociar com o PS, mas não a troco de nada. Quanto ao quinto mandato consecutivo enquanto secretário-geral do partido, Jerónimo avisou, este domingo, que não está "a prazo". No discurso de …

Hackers expõem na cloud dados que roubaram de utilizadores do Spotify. Foi um acidente

Um grupo de piratas informáticos compilou uma base de dados com cerca de 250.000 palavras-passe do Spotify e armazenaram os dados na cloud. No entanto, esqueceram-se de proteger o armazenamento com uma palavra-passe. De acordo com …