Novas regras de faturação da ADSE podem causar “grave rutura” nos serviços

Os hospitais privados exigiram o pagamento das faturas a 60 dias e alertam que as alterações às regras de faturação introduzidas pela ADSE são “impossíveis de concretizar em outubro”, o que pode causar uma “grave rutura na prestação”.

Os hospitais privados analisaram na quarta-feira, em assembleia-geral da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), todo o processo negocial com a ADSE e as “suas graves implicações”, tendo manifestado “grande preocupação” com “as recentes alterações às regras e procedimentos de faturação que a ADSE tem vindo a introduzir durante o Verão”.

“Independentemente da sua aceitabilidade, são impossíveis de concretizar em outubro, o que pode conduzir, assim, já, a uma significativa e muito grave rutura na prestação”, adverte em comunicado a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada.

Estando em causa “a transparência e o equilíbrio da relação e a necessidade de acautelar os superiores interesses dos Beneficiários da ADSE”, os operadores privados exigem o pagamento das faturas a 60 dias, em cumprimento da lei, e a aplicação da Tabela da Ordem dos Médicos no regime convencionado, em linha com o que já acontece no regime livre e de acordo com o compromisso assumido em fevereiro.

“A ADSE tem nas suas regras o pagamento a 120 dias quando a lei obriga expressamente a que se cumpra um prazo de 60 dias”, afirma a APHP, adiantando que “esta situação é particularmente gravosa para os operadores”.

Salienta que a ADSE não contemplou na sua Tabela de Preços e Regras as diversas matérias que fazem parte dos cuidados de saúde prestados aos beneficiários da ADSE, como a chamada de especialistas a atendimento médico permanente e ao internamento, a sala de observações em urgência, as diárias de curta duração, os atos de medicina com consumos, a utilização do piso de sala dos blocos cirúrgicos, os serviços de preparação e administração de fármacos ou a eventualidade do beneficiário ter necessidade de diferentes episódios hospitalares num mesmo dia.

Os hospitais privados afirmam que “têm levado até ao limite a capacidade de acomodar as reduções da ADSE”, frisando que “a realidade é que a ADSE insiste em medidas que, no limite, penalizam os beneficiários”.

“Os operadores privados não podem aceitar reduções unilaterais nem que a remuneração dos médicos, já extremamente baixa na prestação de cuidados à ADSE, baixe ainda mais, quando devia ser atualizada”, defendem.

A associação lamenta que se tenha perdido a oportunidade de definir “um novo modelo de relação, de verdadeira parceria, que tivesse em conta a sustentabilidade de todas as partes envolvidas, com base em regras claras, estáveis, equitativas, equilibradas e que assegurassem a previsibilidade de gestão de todas as partes envolvidas”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mota Soares. CDS tem de dialogar preferencialmente com o PSD

Pedro Mota Soares acredita que é do melhor interesse do CDS estabelecer diálogo com o PSD. Além disso, considera que o partido não deve permitir que seja eleito um Chefe de Estado mais à esquerda.  O …

Sporting chega a acordo para contratação de Sporar

O Sporting chegou a acordo com os eslovacos do Slovan Bratislava para a contratação do avançado esloveno Andraz Sporar, disse à Lusa fonte oficial dos leões. Andraz Sporar, de 25 anos, vai assinar um contrato até …

Aumentos da Função Pública acima dos 0,3% deverão ser nominais

Os aumentos que estão a ser estudados pelo Governo deverão ser nominais e contemplar as duas categorias remuneratórias mais baixas: os assistentes operacionais e os assistentes técnicos. Na semana passada, a ministra da Modernização do Estado e …

PSD de Loures pede demissão de Marta Temido por causa da não renovação de PPP

O PSD de Loures pediu, este domingo, a demissão da ministra da Saúde, num comunicado em que manifesta "profunda preocupação" com a não renovação da parceria público-privada (PPP) no Hospital Beatriz Ângelo. Para a concelhia do …

Ex-bombeiro e ex-militar entre os detidos pela morte de Giovani

Um ex-bombeiro e um ex-militar estão entre os cinco suspeitos que se encontram em prisão preventiva, acusados da morte do cabo-verdiano Luís Giovani Rodrigues. São todos naturais de Bragança, têm entre 22 e 35 anos …

Dois mil bilionários têm mais riqueza do que 60% do resto do mundo

Os 2.153 bilionários do mundo tinham em 2019 mais riqueza do que 4,6 mil milhões de pessoas, 60% da população mundial, alerta esta segunda-feira a Oxfam, segundo a qual a desigualdade económica e de género …

Liverpool vence Manchester United e vê o título cada vez mais perto

O Liverpool continua imparável na rota do título de campeão que lhe foge há três décadas, depois de ter vencido por 2-0 na receção ao Manchester United, este domingo, em jogo da 23.ª jornada da …

Novo mapa das freguesias na gaveta do Governo há dois anos

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, voltou a garantir, na passada sexta-feira, que o Governo quer reverter a fusão de algumas das 1168 freguesias que se extinguiram em 2013. …

Juventus reforça liderança em Itália com bis de Ronaldo

Dois golos de Cristiano Ronaldo deram a vitória à Juventus, este domingo, na receção ao Parma (2-1), na 20.ª jornada da Liga italiana, com os campeões em título a reforçarem a liderança no campeonato. Frente à …

Salvini tem trunfo na manga para pedir novamente eleições antecipadas

Uma vitória da Liga nas eleições regionais de Emilia Romagna pode dar a Matteo Salvini o pretexto para exigir eleições antecipadas em Itália. Matteo Salvini continua de olhos postos no cargo de primeiro-ministro e pode voltar …