A Nova Zelândia está prestes a testar o “sonho” de Nikola Tesla: transmitir energia sem fios

Emrod

Uma empresa da Nova Zelândia está prestes a testar o grande sonho do inventor croata Nikola Tesla: transmissão de energia sem fios a longas distâncias.

Nikola Tesla foi um inventor nos campos da engenharia mecânica e electrotécnica. As suas experiências, conduzidas no Colorado, Estados Unidos, com transmissão de energia sem fios levaram a uma das suas propostas mais ousadas: alimentar o mundo com energia sem fios.

Na época, Tesla fez manchetes com os seus planos para um “sistema sem fios mundial” e ganhou financiamento do JP Morgan para construir a primeira de várias gigantes torres de transmissão.

No entanto, o sonho da energia sem fios de Tesla morreu pouco depois: JP Morgan cancelou financiamento adicional e a torre foi demolida.

Cientistas posteriores ficaram céticos sobre se os planos de Tesla – que eram um pouco vagos – teriam funcionado.

Enquanto isso, o colega de Tesla, Guglielmo Marconi, perseguia um sonho paralelo com muito maior sucesso: a transmissão sem fios de informações em ondas de rádio. O mundo de hoje está inundado de informações sem fios.

Agora, a startup Emrod da Nova Zelândia pode conseguir fundir estes dois sonhos. A empresa está a construir um sistema para transmitir energia sem fios a longas distâncias. De acordo com o Singularity Hub, no início deste mês, Emrod recebeu financiamento da Powerco, a segunda maior concessionária da Nova Zelândia, para realizar um teste do seu sistema numa estação de energia comercial conectada à rede.

A empresa pretende levar energia a comunidades distantes da rede ou transmitir energia de fontes renováveis ​​remotas, como parques eólicos offshore.

O sistema consiste em quatro componentes: uma fonte de energia, uma antena transmissora, vários relés transmissores e uma retena.

A antena transmissora transforma eletricidade em energia de microondas – uma onda eletromagnética como as ondas de rádio de Marconi, mas mais energética – e concentra-a num feixe cilíndrico. O feixe de microondas é enviado por uma série de relés até atingir a retina, que o converte novamente em eletricidade.

Emrod está a usar energia na banda industrial, científica e médica (ISM) e a manter a densidade de energia baixa. “Não se trata apenas de quanta potência se fornece, é quanta potência se fornece por metro quadrado”, disse Greg Kushnir, fundador do Emrod, em declarações ao New Atlas. “Os níveis de densidade que estamos a usar são relativamente baixos. No momento, é o equivalente a ficar do lado de fora ao meio-dia ao sol, cerca de 1 kW por metro quadrado”.

Se funcionar como pretendido, o feixe nunca entrará em contacto com nada além do ar vazio. O sistema usa uma rede de lasers ao redor do feixe para detetar obstruções, como um pássaro ou pessoa, e desliga automaticamente a transmissão até que a obstrução passe.

A tecnologia de transmissão de energia via energia de microondas existe há décadas. Porém, para torná-la comercialmente viável, é necessário minimizar as perdas de energia. Kushnir disse que os metamateriais desenvolvidos nos últimos anos são os que fazem a diferença.

A empresa usa metamateriais para converter com mais eficiência o feixe de microondas em eletricidade. Os relés, que são como “lentes” que estendem o feixe além da linha de visão ao refocalizá-lo, quase não têm perdas. A maior parte das perdas acontece na outra ponta, onde a eletricidade é convertida em energia de microondas.

A eficiência do sistema é de cerca de 70%, o que carece de fios de cobre, mas é economicamente viável em algumas áreas.

“Não prevemos num futuro próximo uma situação em que poderíamos dizer que todos os fios de cobre podem ser substituídos por wireless”, disse Kushnir. “Inerentemente, terá níveis de eficiência mais baixos. Não se trata de substituir toda a infraestrutura, mas aumentá-la em lugares onde faz sentido. ”

O protótipo da empresa consegue atualmente enviar alguns watts de energia a uma distância de cerca de 40 metros.

No projeto Powerco, estão a trabalhar numa versão maior, capaz de transmitir alguns quilowatts. O plano é entregar o novo sistema à Powerco em outubro, testá-lo no laboratório durante alguns meses e, se tudo correr conforme o planeado, testá-lo em campo. Os testes terão como objetivo validar quanta potência o sistema pode transmitir e em que distância.

“Podemos usar exatamente a mesma tecnologia para transmitir 100 vezes mais potência em distâncias muito maiores”, disse Kushnir, em comunicado. “Os sistemas sem fios que usam a tecnologia Emrod podem transmitir qualquer quantidade de energia que as soluções com fio transmitem.”

Ray Simpkin, diretor científico da Emrod, disse, em declarações ao IEEE Spectrum, que a empresa está a investigar se conseguiria enviar energia por 30 quilómetros de água do continente da Nova Zelândia à Ilha Stewart. O sistema pode custar até 60% de um cabo submarino.

Esta tecnologia pode ajudar áreas rurais, transmitir energia de parques eólicos offshore ou ser usado para fornecer energia após desastres naturais em que a infraestrutura física tenha sido danificada.

Para já, a tecnologia da Emrod não é o “sistema sem fios mundial” da Tesla, mas pode tornar a energia sem fio de longa distância uma realidade comercial num futuro não muito distante.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

22 COMENTÁRIOS

  1. Pois, só que há uma diferença colossal no tipo de tecnologias usadas! Neste caso estamos a falar microondas! Afetam tudo por onde passam (se apanharem pássaros pelo meio queimam-nos), daí a necessidade de colocarem sensores óticos no percurso do feixe. Não me parece ser uma grande ideia!! Para não falar da baixa eficiência!

  2. O Tesla caiu no ostracismo após esse projeto. Morreu abandonado. JP Morgan viu o projeto como uma ameaça aos seus lucros com outras fontes de energia, já que uma fonte de energia livre no ar seria grátis. Mais um inventor que teve sua vida destruída pela ganância dos homens.

  3. Tenho pouco conhecimento sobre eletricidade mas já ouviram falar curto circuito sem fios pode virar numa armadilha para humanos e poderão estar fritos se é que me entendem isso é perigoso e de onde vem essas idéias?

  4. Sempre que alguém tem um novo invento, aparece sempre aqueles cépticos, que não descobriram nada na vida e de repente acham-se os maiores do mundo.

  5. A electricidade sem fios já existe à bastante, “wireless charger” 🙂 , é curta a distância, mas é sem fios entre o emissor e o recetor. Se conseguirem enviar um sinal ao qual a voltagem seja baixa e a intensidade elevada, depois é uma questão de inverter.

  6. Sou cético quanto a esta forma de transmissão. Mais factível seria aproveitar por indução eletromagnética o potencial vetor das perdas nas torres de alto tensão levando energia para pequenas comunidades por onde tais torres se localizam. De qualquer forma, tomara que dê certo.

  7. Eletricidade sem fio sim existe desde sempre nos ‘e que nao dominamos nem entendemos como funciona….

    Ela existe sem fio mas no espaco…. nos na terra so temos que a transformar em feixe e lanca la como um leiser….

    conserteza querem tudo sem esforco…

    • Ah?!
      Antes de tentares compreender fenómenos da física, recomendo que aprendas a escrever…
      E não falta eletricidade “sem fio” na Terra – basta olhar para um relâmpago!

      • Ele pode escrever mal (não sei, mas é possível). Já tu, estás mal em todos os aspetos. Porque é que não te tornas “O Iluminado”, ao lado da Shelley Duvall? Tens jeito para isso. 😉

      • Xiça!! Sem necessidade nenhuma…

        Mas então se eu não souber escrever, não posso expor o meu pensamento?

        Agressão absolutamente gratuita e sem o mínimo sentido.

        Seja lá simpático ^_^

  8. Marconi era um ladrão de invenções.
    Por causa de gente destes o Tesla tinha que esconder as suas descobertas.
    Assim foi o Marconi responsável que algumas das invenções de Tesla ficaram sem efeito e desapareceram.
    Tesla foi concebido numa noite de tempestade eléctrica. Por isso ele ‘percebeu’ de electricidade como ninguém

RESPONDER

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, no comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. A notícia …