/

Nova ponte do Porto já tem desenho conhecido. Vai servir para metro, ciclovia e peões

1

A Metro do Porto recebeu 28 propostas para o concurso público de elaboração de projeto e execução da nova ponte sobre o rio Douro. Já foram selecionadas as três melhores.

Esta segunda-feira, foram apresentados os três finalistas de concurso público internacional para uma nova ponte. Depois de uma análise, uma das propostas será escolhida e concretizar-se-á na ligação entre as duas margens do Douro, entre Porto e Gaia.

Segundo noticia o Jornal de Notícias, a nova ponte servirá a segunda linha Metro do Porto para Gaia e não terá trânsito rodoviário.

Das três propostas escolhidas, em primeiro lugar ficou a da Edgar Cardoso, Engenharia e Laboratório de Estruturas, que tem o nome do famoso engenheiro que projetou a Ponte da Arrábida, inaugurada em 1963.

A proposta apresentada, escreve o JN, é a mais bem posicionada para vencer o concurso público internacional de conceção para a elaboração do projeto de execução da ponte do Metro sobre o Douro e que ficará concluída em dezembro de 2025.

Se esta proposta avançar, pode-se esperar uma ponte amiga do ambiente que deverá contribuir para a descarbonização, já que os carris terão painéis fotovoltaicos para produzir a energia que a iluminará. Esta é a proposta mais barata, 50,5 milhões de euros, e que ficará mais rapidamente concluída: 970 dias.

Esta proposta prevê um acesso para peões, através de escadas e por um elevador, servindo a cota baixa, a Rua do Bicalho, e a cota alta, na zona da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto.

Independentemente da proposta que avançar, a nova travessia ficará localizada a escassos 500 metros da Ponte da Arrábida, inaugurada em 1963, projetada pelo famoso engenheiro de pontes português, que agora dá nome ao gabinete que apresenta uma proposta mais barata e deverá ficar finalizada em menor espaço de tempo.

Um das prioridades do concurso reside no facto de se construir uma ponte não só para servir a segunda linha de metro para Gaia, mas que contemple ainda a circulação de peões e bicicletas.

Agora, segue-se a segunda fase do concurso, onde serão consultados os três classificados e escolhida a proposta final. Os parâmetros de avaliação contemplam a qualidade de conceção em 50%, o preço em 20% e o prazo de execução em 30%.

O envio dos convites está marcado para 3 de novembro. A publicação do relatório de avaliação do júri será a 30 de novembro e a adjudicação a 7 de dezembro.

Espera-se para que as obras arranquem no terreno no último trimestre de 2022 ou no primeiro de 2023. A conclusão está prevista para 31 de dezembro de 2025.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP //

 

 

 

 

1 Comment

  1. Mais uma ponte para o Porto e, imagino eu, grátis como as restantes. É necessário, faz-se. Pronto.

    Agora vamos até Lisboa. Duas pontes, e há imensas conversas sobre a terceira, se fazem ou não. E todas a pagar e muito! Podemos incluir a de Vila Franca, que ainda está na zona urbana de Lisboa. Vá lá, essa é grátis. Agora! Porque em tempos pagava-se.

    Alguém me explica esta diferença, porque há 7 pontes no Porto grátis e em Lisboa há 2 a pagar, sendo a função a mesma, levar o pessoal de uma cidade (V.N.Gaia / Almada) para outra (Porto / Lisboa) e vice-versa? Alguém me explica?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.