//

Nota artística: o telemóvel do Rúben bloqueia a baliza do São Garrido

No primeiro dia de mais uma jornada do principal campeonato português de futebol, que em breve vai deixar de estar ligado a todos nós para passar a ter o nome só de quem ganha, houve encontro entre leões. O regresso do Sporting Clube de Portugal ao Estádio São Luís, a casa do Sporting Clube Farense. Tanto leão em Faro.

O Sporting Clube de Portugal está lá em cima, na frente do campeonato; o Sporting Clube Farense está lá em baixo, no penúltimo lugar do campeonato. Mas, senhores de Lisboa, cuidado com os senhores de Faro: é que naquele Sporting do Algarve está um campeão europeu.

– Campeão europeu? Deves estar embriagado.
– Sim, campeão europeu.
– Quem?
– O Jorge Costa. Então não foi campeão europeu quando jogava?
– Ei, isso já foi em 2004, há mais de 15 anos…
– Está bem. Mas foi campeão europeu.
– Foi, mas o circo na altura era outro.
– Circo?
– Ele agora está noutro circo.
– Qual circo?
– Na semana passada, na Madeira, não foi ele que disse para não contarem com ele para palhaçadas?

O outro treinador, que não falou em palhaçadas mas que foi castigado, está numa das bancadas do estádio do santo. Constantemente a mexer no telemóvel, quer na primeira parte, quer no intervalo. Depois do jogo, Ruben Amorim disse aos jornalistas que estava sempre com os dedos no telemóvel porque estava a resolver assuntos pessoais. Não sei se eram assuntos pessoais ou assuntos sociais.

Em relação aos jogadores, o Sporting de Faro apresentou no onze inicial dois ex-jogadores do Sporting de Lisboa. Estás a ver quem são? Esses, Beto e Ryan Gauld. Mas não te lembras de terem jogado pela equipa principal de Alvalade? Jogaram, jogaram. Imensas vezes.

O guarda-redes português, que cresceu no Sporting e que esteve ligado ao clube durante mais de uma década, apareceu na baliza quase uma dezena de vezes, em 2016/17; sobretudo quando o Rui Patrício não esteve disponível. O médio escocês jogou em cinco partidas, na época 2014/15; mas marcou dois golos! Num jogo da Taça da Liga, que acabou com derrota no Restelo.

Quem também já esteve no Sporting Clube de Portugal e agora volta a estar é João Mário, que teve duas grandes oportunidades para inaugurar o marcador. Numa primeira parte em que os espaços junto às balizas não abundaram, os visitantes foram mais perigosos e Coates obrigou Beto a uma grande defesa. Que defesa! Até mereceu uma recompensa, segundos depois: golo do Sporting. Pedro Gonçalves, outra vez. Um jovenzinho, que poucos conheciam até há um ano e tal, cujo máximo anterior tinha sido brilhar no grande Famalicão da temporada passada, e que agora é o melhor marcador da Liga. Já são 17 golos.

Quem deve ter sentido um relâmpago na cabeça foi Beto. Tinha acabado de brilhar e depois sofre golo. Enquanto os adversários festejavam, o internacional português comentou com um dos treinadores-adjuntos do Farense que assim fica difícil: passividade dos colegas, César abordou mal o lance, pernas abertas de dois defesas que tentaram evitar o remate de Pedro Gonçalves, e depois a bola acabou por passar entre as pernas do próprio Beto. É tudo uma questão de pernas.

Pegando no título deste espaço, a nota artística neste duelo ia pertencendo a Daniel Bragança. Muita classe e muita estabilidade do jovem do Sporting, que não falhou qualquer passe até ao intervalo.

Depois do descanso, o aviso ao segundo minuto de Eduardo Mancha foi uma amostra das diferenças que se iriam notar na segunda parte: Mancha, Pedro Henrique, Brian Mansilla…todos estiveram perto de marcar mas todos encontraram pela frente um grande Antonio Adán Garrido. Em Alvalade, antes havia o São Patrício, agora substituído pelo São Garrido. Existe?

Bom, e assim se aguentou a vitória. Com o Adán a bloquear a sua baliza e com o auxílio do seu treinador, que andou a bloquear umas coisas lá no telemóvel.

Foi o regresso aos triunfos por parte do líder do campeonato. Que marcou apenas um golo em cada um dos seus últimos cinco compromissos; mas vai chegando.

Com esta vitória em Faro, chegou às 27 jornadas sem derrotas. Um recorde! Nunca o Sporting Clube de Portugal tinha chegado à 27.ª jornada de um campeonato sem perder qualquer jogo. O registo máximo anterior pertencia à equipa campeã em 2001/02, que era liderada pelo László Bölöni. Aquele que estava sempre contente.

Sem euforia mas com alegria: os adeptos do Sporting voltam a sorrir, após duas semanas tremidas. Devem estar contentes.

  Nuno Teixeira, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.