/

NOS deixa de patrocinar a Liga de futebol no final da próxima época

A NOS anunciou esta sexta-feira que vai deixar de patrocinar a Liga Portuguesa de Futebolapós o fim da época 2020/21, “materializada no apoio como patrocinador principal e ‘naming sponsor'”.

Em comunicado, a operadora de telecomunicações afirma que “entende ser oportuno informar da sua intenção de não renovação da parceria que celebrou com a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), após o término da época de 2020/2021, materializada no apoio como patrocinador principal e ‘naming sponsor'”.

A NOS justifica a decisão com uma avaliação que está a elaborar há meses e que concluiu que “o valor que esta parceria representava para ambas as partes e os objetivos que lhe estiveram subjacentes estarão totalmente atingidos”.

Em comunicado enviado às redações, a Liga de Clubes, presidida por Pedro Proença, dá conta que a operadora não pretende renovar o contrato que termina em junho de 2021.

“A Liga Portugal foi informada pela NOS da sua intenção em não renovar, no final da próxima época, o contrato de patrocinador principal e naming sponsor da sua principal competição, a Liga Nos, atualmente em vigor até final de junho de 2021″, pode ler-se.

“A direção executiva da Liga Portugal deixa uma palavra de profunda gratidão à aposta feita pela marca, no período de sete anos, e que se traduziu num crescimento do valor da prova, também alavancado por esta aliança”, avança ainda o comunicado.

Benfica abandona direção da Liga

Também nesta sexta-feira, a Sport Tv avançou que o Benfica demitiu-se da direção da Liga, na sequência das últimas reuniões do organismo. É a primeira baixa confirmada na estrutura liderada por Pedro Proença, que terá colocado o lugar à disposição.

A TSF confirmou entretanto a saída.

Lourenço Coelho, representante encarnado neste órgão, decidiu renunciar à posição na reunião desta sexta-feira, adianta o Mais Futebol, dando conta que a saída dos encarnados está relacionada da contestação dos últimos dias ao líder da Liga.

“Em causa está a forma como tem sido gerida a paragem e retoma da Liga, provocada pela pandemia de covid-19, e sobretudo a carta que Proença escreveu ao Presidente da República e ao Ministro da Economia, a sugerir jogos transmitidos em canal aberto”.

Esta situação caiu mal às equipas, bem como às próprias operadoras de televisão. Ambos terão sido apanhados de surpresa, segundo o mesmo órgão de comunicação.

Com a saída do Benfica, a direção da Liga de futebol é agora composta pelos primodivisionários Benfica, FC Porto, Sporting, Tondela e Gil Vicente, assim como por Mafra, Leixões e Cova da Piedade, da II Liga.

A 9 de junho, a Liga vai debater, em Assembleia Geral, a atuação de Pedro Proença.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.