Em seis meses, 21 mil norte-americanas pediram comprimidos online para abortar

Olivier Hoslet / EPA

Entre outubro de 2018 e março deste ano, 21 mil mulheres norte-americanas pediram ajuda à Aid Access, sendo que entre um terço e metade dessas mulheres receberam as pílulas abortivas no correio.

Em 2004, a médica holandesa Rebecca Gomperts andava no barco da Women On Waves em águas internacionais para distribuir a pílula abortiva às mulheres grávidas até às seis semanas e meia que estivessem interessadas em interromper a gravidez.

Quinze anos depois, Gomperts já não precisa de um barco, mas usa a Internet para, através da sua organização Women on Web, processar os pedidos de auxílio das mulheres em todo o mundo, enviando por correio os dois comprimidos necessários para a realização de um aborto médico (mifepristona e misoprostol). Em 2018, foi criado um site especialmente para os EUA: o Aid Access.

Segundo o The Guardian, que teve acesso aos dados, 21 mil mulheres norte-americanas pediram ajuda à Aid Access e a maioria vivem em estados que estão a restringir cada vez mais o direito ao aborto.

A médica holandesa já está na mira das autoridades norte-americanas. “Não serei dissuadida. Quando as mulheres dos EUA que procuram interromper a gravidez antes das nove semanas me consultarem, não lhes virarei as costas. Continuarei a proteger o direito humano e constitucional das minhas pacientes a ter acesso a um serviço seguro de aborto”, escreveu Gomperts no site da sua organização.

Na semana passada, o Alabama aprovou uma lei que é a mais restritiva de todos os estado no que diz respeito ao acesso ao aborto, legalizado até às 24 semanas nos EUA pela decisão do Supremo Tribunal Roe v. Wade de 1973. No Alabama, o aborto passa a ser proibido em todos os casos, incluindo violação ou incesto, exceto no caso de risco grave de saúde para a mãe.

“Os serviços e cuidado que garanto são essenciais num cenário em que mais e mais estados estão a desmantelar o acesso a abortos clínicos através de regulamentação direcionada a quem providencia o aborto, proibindo o atendimento antes que muitas pessoas descubram que estão grávidas e criminalizando totalmente os abortos“, escreveu Gomperts.

A médica recorda que os estudos mostram que estas proibições prejudicam principalmente as mulheres que vivem na pobreza, as vítimas de violência doméstica e as jovens. “Uma em quatro mulheres dos EUA fará um aborto até aos 45 anos”, indica.

A Aid Access, que foi criada em maio de 2018, oferece consultas online, sendo a receita passada por uma farmácia na Índia, que os envia diretamente para a casa das mulheres norte-americanas. O preço do serviço é de 80 euros, mas que se oferece ajuda a quem não puder pagar esse valor. Só em 2018, Gomperts disse que prescreveu 2581 abortos médicos a 11.108 mulheres que a consultaram.

No dia da mulher, Gomperts recebeu uma carta da FDA a ordenar que a Aid Access deixasse de distribuir as pílulas abortivas nos EUA, indicando que está a violar as leis federais ao vender “medicamentos novos sem marca e sem aprovação”. A médica lembra que ambos os medicamentos que receita têm aprovação da FDA.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

ESA prepara-se para intercetar pela primeira vez um cometa puro

A Agência Espacial Europeia (ESA) desenvolveu um projeto que visa intercetar um cometa puro - um corpo celeste que nunca passou pelo Sistema Solar -, quando este se aproximar da órbita da Terra em meados …

Astrónomos encontraram uma nova (e surpreendente) cratera em Marte

Marte não se "magoa" facilmente mas, quando acontece, o resultado pode ser quase comparado a uma obra de arte. Uma cratera, descoberta em abril pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter (MRO), é a prova disso. Notável não só …

Elon Musk alerta: Civilização pode colapsar daqui a 30 anos

De acordo com Elon Musk, uma "bomba populacional" vai surgir nas próximas décadas, quando uma população mundial cada vez mais idosa chocar com a queda das taxas de natalidade em todo o mundo. Esta não é …

O mundo árabe está menos religioso. Mas continua homofóbico

Há cada vez mais árabes que dizem não ter religião. Esta é a principal conclusão de uma grande sondagem feita a mais de 25 mil cidadãos de países árabes pelo centro de pesquisa Arab Network …

Tina morreu durante 27 minutos e foi ressuscitada 8 vezes. Quando acordou, escreveu "é real"

Uma mulher norte-americana entrou em paragem cardíaca em fevereiro de 2018 quando se preparava para fazer uma caminhada com o seu marido Brian. Depois de desmaiar, Brian ressuscitando-a duas vezes antes de os paramédicos chegarem para …

"Homem-árvore" pede que as suas mãos sejam amputadas

Abul Bajandar, um homem de 28 anos do Bangladesh conhecido como "Homem-árvore" devido às incomuns verrugas que nascem nos seus membros, pediu que as suas mãos fossem amputadas para aliviar as dores insuportáveis.  Bajandar sofre de …

EUA. Senadores republicanos do Oregon fogem para não aprovar lei ambiental

Senadores estaduais do Oregon, nos Estados Unidos (EUA), encontram-se a monte desde quinta-feira para não votarem uma lei ambiental. Procurados pela polícia, voltaram este domingo a faltar a uma sessão legislativa, impedindo que haja quórum …

O planeta enfrenta um "apartheid climático"

O planeta está confrontado com um “'apartheid' climático”. De um lado, os ricos que se podem adaptar melhor às alterações climáticas, e do outro, os pobres que vão sofrer mais, disse esta segunda-feira um especialista …

Governo repõe 40 horas semanais para trabalhadores do CNB. Greve mantém-se

A partir de 1 de julho, os trabalhadores da Companhia Nacional de Bailado (CNB) voltarão às 40 horas semanais, numa uniformização laboral com os trabalhadores do Teatro Nacional de São Carlos. A decisão foi comunicada, esta …

Nova espécie de planta fóssil descoberta em Gondomar

Annularia noronhai foi encontrada no meio da cidade de Gondomar. Tem 300 milhões de anos, é um parente muito afastado da cavalinha e diz muito sobre o clima da época. Uma nova espécie de planta já …