No fim de semana do Super Bowl, a inflação está a levar as cadeias de restaurantes a publicitar asinhas de frango sem ossos

Empresários e fornecedores não esperam que haja escassez este fim de semana, mas alternativa será publicitada numa tentativa de antecipar o futuro, que será marcado pela subida de preços.

O fim de semana do Super Bowl, o jogo decisivo da liga de futebol norte-americano, é esperado com grande ansiedade por muitos: adeptos das equipas que disputam o título, empresas que investiram milhões nos anúncios publicitários que serão emitidos no intervalo do encontro, mas também os donos dos restaurantes em todo o país, que, por esta altura, já têm os armazéns repletos de mercadoria para dar respostas aos múltiplos pedidos que irão receber.

Por natureza, esta é uma altura em que muitos produtos sobem de preço, dada a elevada procura, no entanto, a inflação em alta — tal como revelaram os dados económicos referentes a 2021 — tem-se revelado uma dificuldade extra para os proprietários de espaços de restauração. No ano passado, as asinhas de frango, por exemplo, registaram uma subida nos preços de 84% face ao ano anterior, o que fixou o seu valor em 3.22 dólares por quilo.

Desde então, os valores desceram, mas a dita inflação não, o que tem originado uma subida generalizada dos preços dos alimentos — asinhas incluídas. O facto de estas serem partes pequenas das galinhas e, por isso limitadas, levou os produtores a enveredar por outro caminho: apostar em asinhas de frango sem ossos, feita com carne da parte do peito do animal, frita e preparada como se de uma asinha normal se tratasse.

Desta forma, explica Andy Wiederhorn ao site Insider, os empresários têm “opções para oferecer os seus produtos a preços mais baixos“. O responsável descreveu que não antecipa que os clientes optassem por outros pratos em vez de pagarem pelos preços mais elevados, já que as asinhas são uma tradição do dia. Adicionalmente, os empresários também não preveem que quebras no abastecimento, mas isto não os impede de aproveitar a ocasião para publicitar a nova solução.

Os restaurantes da cadeia Applebees, por exemplo, vão oferecer 20 unidades de asinhas sem ossos por cada encomenda no valor de 40 dólares ou mais através da aplicação durante o domingo do jogo, apurou a mesma fonte. Já a Wingstop irá oferecer 70 cêntimos de asinhas sem ossos no Dia dos Namorados, na segunda-feira após o jogo deste ano.

De acordo com a Insider, o consumo de asas de frango subiu 17% em 2021, ao passo que o frango empanado aumenta 15% no mesmo período, de acordo com os dados da NPD. Também em 2021, o preço do peito de frango duplicou no ano passado, avançou o The Wall Street Journal. Os preços das coxinhas também subiram, mas para um valor relativamente modesto de 54 cêntimos por quilo em comparação com 2 dólares por quilo de peito de frango, com base em dados da empresa Urner Barry.

Embora mais caras que no passado, é provável que os clientes ainda recebam as suas asas — todos os anos é frequente circularem histórias sobre escassez de asas circulam no mês que antecede o Super Bowl. De facto, até os dados do Google Trend mostram que as pesquisas de “falta de asas de frango” são mais elevadas em daneiro e fevereiro, uma febre que os gerentes dos restaurantes também notam.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.