A pensar em ganhar votos, Benjamin Netanyahu promete anexar partes da Cisjordânia

World Economic Forum / Flickr

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu

A poucos dias das eleições legislativas, que decorrem na terça-feira, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, prometeu que irá anexar os colonatos nos territórios ocupados na Palestina, caso venha a manter-se na chefia do Governo. Este movimento pode ser a sentença para a solução dos dois Estados.

De acordo com o Público, as declarações foram feitas durante uma entrevista televisiva, no sábado, em que, a certa altura, o jornalista perguntou por que não tinha sido alargada a soberania aos colonatos na Cisjordânia, à semelhança do que acontece com Jerusalém Oriental e os Montes Golã – todos territórios considerados ocupados ilegalmente por Israel. “Quem disse que não o iremos fazer?”, ripostou o primeiro-ministro.

“Está a perguntar-me se vamos avançar para a próxima fase, a resposta é sim. Vou estender a soberania e não irei distinguir entre blocos de colonatos e colonatos isolados“, acrescentou.

Estas declarações foram imediatamente interpretadas como um gesto de última hora, a apenas dois dias das eleições legislativas de terça-feira, com o objetivo de captar o apoio de pequenos partidos ultraconservadores, de forma a garantir uma coligação de Governo.

As eleições são cruciais para Benjamin Netanyahu, acossado por acusações de corrupção e a enfrentar um forte desafio da parte do antigo chefe do Exército, Benny Gantz.

As sondagens mais recentes apontam para um empate entre o Likud do atual primeiro-ministro e a aliança Azul e Branca de Benny Gantz e, nesse contexto, o apoio de formações mais pequenas será decisivo.

A anexação dos territórios ocupados na Cisjordânia era uma reivindicação antiga dos setores mais nacionalistas da política israelita, que têm ganho cada vez mais protagonismo nos governos liderados por Benjamin Netanyahu.

Os colonatos tornaram-se o grande símbolo físico da ocupação israelita da Cisjordânia. Calcula-se que quase meio milhão de israelitas vivam nestas comunidades que variam radicalmente entre si, havendo desde pequenos ajuntamentos de casas até grandes cidades e, inclusive, uma universidade.

A comunidade internacional considera os colonatos ilegais e o Conselho de Segurança das Nações Unidos tem condenado frequentemente a sua propagação e o apoio dado pelo Estado israelita. Na Cisjordânia convivem dois sistemas legais paralelos: enquanto os palestinianos estão sujeitos à lei militar, os colonos israelitas obedecem à lei civil israelita.

Mas a extrema-direita exige que a soberania israelita seja estendida completamente à Cisjordânia, como se de uma região normal se tratasse. Uma das principais defensoras desta ideia é a ministra da Justiça, Ayelet Shaked, líder do partido Nova Direita.

Os colonatos são vistos como um dos principais obstáculos à solução dos dois Estados, encarada pela generalidade dos observadores internacionais como a mais viável para resolver o conflito israelo-palestiniano, uma vez que foram construídos em território que pertence ao futuro Estado palestiniano.

Segundo avançou o Deutsche Welle, o primeiro-ministro mostrou-se claramente contra uma futura criação de um Estado palestino.

“Um Estado palestino colocaria em perigo a nossa existência. Aguentei uma enorme pressão nos últimos oito anos. Nenhum primeiro-ministro aguentou tanta pressão. Temos que controlar o nosso destino”, declarou, numa provável referência ao consenso internacional sobre a solução de dois Estados.

O colunista do jornal Haaretz, Victor Kattan, citado pelo Público, considera que “a anexação sobre qualquer forma iria provavelmente acabar com qualquer hipótese de criar um Estado palestiniano”. “Poderá haver desestabilização na Cisjordânia e em Gaza, que poderia levar ao colapso da Autoridade Palestiniana, com Israel a voltar a ocupar a Cisjordânia”, indicou.

A recente oficialização da soberania israelita sobre os Montes Golã, anexados à Síria, pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, é um dos fatores que vem fortalecer as pretensões de Telavive sobre outros territórios considerados ocupados.

No domingo, também foi divulgado que o Alto Conselho de Planeamento da Administração Civil Israelita na Cisjordânia aprovou a construção de 3.659 novas casas em diversos colonatos, segundo a ONG Shalom Achshav (Paz Agora). Quase 90% dessas casas serão construídas em colonatos isolados e não nos grandes blocos que Israel reteria numa troca de terras caso existisse um acordo de paz com os palestinianos.

Críticas ao primeiro-ministro

A promessa de Benjamin Netanyahu foi criticada pelas organizações palestinianas, que a consideram uma machadada no processo de paz. “A declaração dele [Benjamin Netanyahu] não foi feita apenas no calor da campanha eleitoral, isto é o fim de qualquer hipótese de paz”, afirmou o dirigente da Organização de Libertação da Palestina, Hana Ashrawi.

Um porta-voz do Hamas garantiu que “a resposta aos crimes e às imbecilidades [de Israel] será feira pela resistência popular e pela resistência armada”, informou o Público.

Já o Deutsche Welle revelou que, depois das declarações polémicas, Benny Gantz questionou por que o primeiro-ministro “não anexou a Cisjordânia durante os 13 anos em que esteve no poder, se essa era sua intenção”, afirmando que as suas declarações foram “irresponsáveis”.

Questionado sobre sua própria posição, Benny Gantz disse que se opunha a qualquer decisão “unilateral”. “Faremos todo o possível para alcançar um acordo de paz regional e global, mantendo-nos fiéis aos nossos princípios”, explicou.

Saëb Erakat, dirigente da Organização pela Libertação da Palestina (OLP), afirmou que as declarações de Benjamin Netanyahu não foram “surpreendentes”.

“Israel continuará a violar cinicamente a lei internacional, desde que a comunidade internacional permita que o Estado judeu ignore as suas obrigações com total impunidade, particularmente com o apoio do governo Trump”, declarou no Twitter.

Na mesma rede social, o chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu, escreveu: “A Cisjordânia é território palestiniano ocupado por Israel em violação do direito internacional. As afirmações irresponsáveis de primeiro-ministro [Benjamin] Netanyahu visam garantir alguns votos antes de uma eleição geral”.

“As democracias ocidentais vão reagir ou permanecer quietas? Vergonha!”, afirmou no Twitter Ibrahim Kalin, porta-voz do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Cada vez mais louco este Benjamin!…
    Roubar território agora dá votos…
    E assim se comprova que quanto mais religioso, mais radical e mais perigoso!!

RESPONDER

"Dirty Dancing" está de volta e conta com Jennifer Grey

John Feltheimer, CEO da Lionsgate, confirmou ao The Guardian que a produtora está a desenvolver uma sequela de Dirty Dancing. O clássico dos anos 80 que agora regressa foi protagonizado originalmente por Patrick Swayze e …

A Bugatti está a vender um carro elétrico "para crianças". Chama-se Baby II e custa 30 mil euros

A Bugatti e a Little Car Company, sediada em Londres, uniram-se para criar 500 Bugattis elétricos em miniatura para crianças. Agora, fruto dos desenvolvimentos mundiais, alguns veículos ficaram disponíveis para compra. O mais recente brinquedo da …

50 anos de monarquia e uma guerra de dias. A pandemia "matou" a micronação mais antiga da Austrália

O reinado de 50 anos de uma micronação na Austrália chegou ao fim devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, que fez com que o autodeclarado principado se rendesse ao país. Hutt River, um principado …

NASA vai rebatizar planetas e outros corpos celestes com nomes ofensivos

A agência espacial norte-americana (NASA) anunciou que vai rebatizar alguns planetas, galáxias e outros corpos celestes que possuem nomes "ofensivos". Em comunicado publicado esta quinta-feira, a NASA explica que vai abandonar os nomes "não-oficiais" a …

O maior parque de crocodilos da Índia está à beira da falência. Abriga mais de 2.000 animais

O maior parque de crocodilos da Índia, localizado perto da cidade de Chennai, no sul do país asiático, encontra-se à beira da falência depois de a pandemia de covid-19 ter obrigado a fechar o espaço …

Campanha científica acrescenta mais de 37 mil quilómetros quadrados ao mapa do mar português

A campanha científica que o navio hidro-oceanográfico D. Carlos I da Marinha Portuguesa realizou durante nove semanas nos Açores, para levantamentos hidrográficos, permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português”. Numa …

Apesar dos alertas, houve quem plantasse as sementes misteriosas da China (e já começaram a crescer)

Durante as últimas semanas, pessoas em todo o mundo têm recebido, sem ter encomendado, nas suas caixas de correio sementes com origem na China. Apesar dos avisos em contrário, houve quem plantasse os misteriosos presentes. As …

Marcelo veta redução de debates sobre a Europa. Não foi uma "solução feliz"

O Presidente da República vetou esta segunda-feira a redução do número de debates em plenário para o acompanhamento do processo de construção europeia de seis para dois por ano, defendendo que não foi uma “solução …

Boris Johnson admite alargar quarentena a mais países

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta segunda-feira alargar o sistema de quarentena a pessoas que cheguem de países atualmente isentos para reduzir o risco de infeção com a doença covid-19 no Reino Unido. "No contexto …

Novo lay-off. Ajuda da Segurança Social para pagar subsídios de Natal pode chegar só em 2021

O apoio ao pagamento do subsídio de Natal previsto pelo Governo para apoiar as empresas no âmbito do novo regime de lay-off, que entrou em vigor em agosto, poderá só ser pago pela Segurança Social …