Netanyahu alerta para aumento do antissemitismo e fala do cartoon de António

Abir Sultan / EPA

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, denunciou nesta quarta-feira o aumento do anti-semitismo no mundo e deu como um dos exemplos o cartoon do autor português António.

“Vivemos um paradoxo, admiração por todo o mundo para com o Estado judeu, acompanhada em alguns círculos por um aumento do anti-semitismo”, disse. “A extrema esquerda e a extrema direita só concordam num ponto: o ódio aos judeus”.

Numa cerimónia na véspera das comemorações consagradas em Israel à memoria do Holocausto, o primeiro-ministro exemplificou o ódio com um ataque que fez um morto numa sinagoga na Califórnia e com o cartoon, publicado no jornal New York Times.

O desenho do autor português, representando o Presidente dos Estados Unidos como se fosse cego e com um quipá na cabeça, sendo guiado por um cão com a cara de Netanyahu, foi publicado no jornal e depois retirado, com um pedido de desculpas. O cartonista negou que o desenho tivesse qualquer pendor anti-semita.

A polémica, que escalou no 25 de abril aquando a publicação do cartoon, continua a dar que falar. Esta terça-feira, o NYT voltou ao tema e, através de um editorial, explicou como é que a imagem foi parar ao jornal. “O desenho foi escolhido através de um serviço de distribuição por um editor que não reconheceu o seu antissemitismo”, pode ler-se.

Quando foi publicado, explica a mesma publicação, percebeu-se a “evidência de um profundo perigo — não apenas de antissemitismo mas também da dormência face ao seu aparecimento, da maneira subtil como este antigo e duradouro preconceito é mais uma vez trabalhado para chegar à visão pública e conversa comum”.

“As imagens antissemitas são particularmente perigosas agora (…) Durante décadas, a maioria dos judeus americanos sentia-se segura para praticar a sua religião, mas agora passam por detetores de metais para entrar em sinagogas e escolas”.

O NYT escreve ainda que o facto de ter ficado em silêncio entre 1930 e 1940, quando “o antissemitismo se ergueu e banhou o mundo de sangue”, é um “fracasso que ainda assombra este jornal”. “As desculpas são importantes, mas a obrigação mais profunda do The Times é concentrar-se em liderar o jornalismo sem pestanejar e a clara expressão editorial dos seus valore”, frisa.

“Nos últimos anos, a sociedade tem mostrado sinais saudáveis ​​de maior sensibilidade a outras formas de fanatismo, mas, de alguma forma, o antissemitismo muitas vezes ainda pode ser descartado como uma doença apenas nas franjas da sociedade. Isso é um erro perigoso. Como os eventos recentes mostraram, é um problema muito mainstream”.

O anti-semitismo está a aumentar na Europa e na América do Norte, segundo um relatório do Centro Kantor para o estudo do judaísmo na Europa e divulgado pelo Congresso Judaico Europeu.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal tem o segundo melhor ataque do Euro. E a terceira pior defesa

Fechada a segunda jornada da fase de Grupos do Euro 2020, a seleção nacional tem o segundo melhor ataque da prova, com 5 golos marcados, atrás apenas da Itália. Mas tem também a terceira pior …

Espanha 1-1 Itália | Hino ao desperdício trama La Roja

A Polónia, comandada pelo treinador português Paulo Sousa, empatou hoje a um golo com a Espanha, em Sevilha, em encontro da segunda jornada do Grupo E do Euro2020, mantendo-se ambas sem vitórias. A formação espanhola, que …

Já pode ajudar a NASA a batizar o manequim que vai até à Lua

A agência espacial norte-americana está a pedir ajuda para batizar o "Moonikin", o manequim que vai a bordo da nave Orion, durante a missão lunar Artemis I, ainda este ano. Quando a nave espacial Orion, da …

Portugal em Europeus: as últimas três derrotas foram (todas) contra a Alemanha

Em 90 minutos, Portugal não era derrotado numa fase final de um Europeu desde a estreia no Europeu 2012. Recorde as seleções que bateram Portugal, até agora. "Já não posso ver os franceses à frente". Esta …

Spotify lança Greenroom (e abre concorrência ao Clubhouse)

O Spotify lançou na quarta-feira, dia 16 de junho, uma app de conversas por áudio em direto chamada Greenroom, uma resposta do gigante sueco de streaming de música à popular plataforma Clubhouse. O Greenroom permite que …

"Médicos de árvores" em Singapura ajudam a preservar os seus pacientes gigantes

Arboristas como Eric Ong são responsáveis pelo bem-estar das milhares de árvores em Singapura. O seu trabalho é essencial para a preservação da natureza. A Singapura é uma cidade-estado insular situada ao sul da Malásia, com …

Novo primeiro-ministro de Israel dá 14 dias a Netanyahu para deixar residência oficial

O novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Benet, deu duas semanas ao antecessor Benjamin Netanyahu para abandonar a residência oficial do chefe de Governo, em Jerusalém, segundo adianta hoje a imprensa local. Benet terá enviado na sexta-feira …

Ponte inca com mais de 500 anos é reconstruída após cair durante a pandemia

Peruanos da comunidade Huinchiri, localizada na região de Cusco, estão a reconstruir uma ponte inca com 500 anos. Esta foi feita a partir de técnicas tradicionais de tecelagem para criar uma passagem sob o Rio …

Portugal 2-4 Alemanha | Reality check ao plano do engenheiro

A seleção portuguesa de futebol, campeã em título, caiu hoje para o terceiro lugar do Grupo F do Euro2020, ao perder por 4-2 com a Alemanha, em encontro da segunda jornada, disputado no Allianz Arena, …

Pandemia mostrou “falta de proteção das mulheres”

A pandemia de covid-19 mostrou “a vulnerabilidade e a falta de proteção das mulheres e quão pouco as sociedades se preocupam realmente em proteger elementos-chave em matéria de segurança”, considera Edit Schlaffer, diretora-executiva da Women …