“Nenhum país está preparado para um evento da magnitude de Pedrógão Grande”, diz Comissão Técnica Independente

António Cotrim / Lusa

O engenheiro António Salgueiro, da Comissão Técnica Independente (CTI) que avaliou os incêndios na Região Centro em junho de 2017, afirmou esta terça-feira que nenhum país está preparado para a magnitude do fogo de Pedrógão Grande a partir de certa altura.

“Nenhum país está preparado para um evento da magnitude de Pedrógão Grande a partir de determinada altura. (…) Temos obrigação de nos preparar o melhor possível”, disse António Salgueiro, no Tribunal Judicial de Leiria, onde prosseguiu esta terça-feira o julgamento para apurar eventuais responsabilidades criminais dos incêndios.

Nestes incêndios, o Ministério Público (MP) contabilizou 63 mortos e 44 feridos quiseram procedimento criminal.

A CTI foi criada pela Assembleia da República na sequência dos incêndios florestais ocorridos nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Ansião, Alvaiázere, Figueiró dos Vinhos, Arganil, Góis, Penela, Pampilhosa da Serra, Oleiros e Sertã de 17 a 24 de junho de 2017. A sua missão foi fazer uma avaliação independente sobre estes fogos.

António Salgueiro, que vai continuar o depoimento à tarde, salientou que “salta à vista a intensidade e extrema violência do fogo” de Pedrógão Grande, destacando, também, a direção “extremamente errática” que este tomou.

A testemunha explicou que são “os combustíveis finos superficiais [mato] que determinam mais o comportamento do fogo”, sustentando que “são eles que permitem a propagação linear do fogo”.

Sobre a utilidade das faixas de gestão de combustível, o engenheiro florestal referiu que “as faixas de contenção facilitam a supressão” do fogo, mas não o autoextinguem.

“Efetivamente, nalgumas situações, mesmo com as faixas de contenção, pode não ser suficiente”, declarou, admitindo: “Mesmo com limpeza, não sei se existiria hipótese” de evitar as consequências dos fogos, prosseguiu, assinalando, ainda, que o ‘downburst’, vento de grande intensidade que se move verticalmente em direção ao solo e após o atingir sopra de forma radial em todas as direções, “provocou milhares de projeções”.

António Salgueiro frisou, contudo, que “o que diferencia é a gestão ou a ausência de gestão”, observando que “uma área não gerida é sempre mais propícia à propagação do fogo”.

No depoimento, a testemunha considerou que em Pedrógão Grande “foi ultrapassada a capacidade de extinção” dos incêndios e, depois, a de deslocação de pessoas, pelo que o que se poderia fazer “era dizer às pessoas para ficarem em casa”, mas reconheceu que “deixou de haver telemóveis, internet”.

Questionado se este fogo poderia ter sido atacado de forma mais adequada, António Salgueiro respondeu que não sabia, pois “não estava no local no ataque inicial”, para acrescentar que “depende de muitos fatores”.

O engenheiro disse ainda que eram necessários técnicos especializados e uma equipa multidisciplinar, incluindo um piroclimatologista, nos trabalhos de combate aos incêndios.

À pergunta se a sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil não poderia funcionar como um centro de comando à distância para poder ajudar o comandante das operações no terreno, neste caso o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, Augusto Arnaut, arguido no processo, e proporcionar competências especializadas, técnicas e interdisciplinares, a testemunha respondeu que “pode, deve e pretende”.

Quanto à eventual existência desse apoio às decisões tomadas pelo comandante, António Salgueiro afirmou desconhecer se houve.

No depoimento, o engenheiro foi confrontado recorrentemente com o relatório final da CTI, tendo deixado expresso que “não há nenhuma parte” do documento que “tenha sido feito por uma única pessoa”, além de que a comissão não procedeu a qualquer averiguação da causa do incêndio.

O relatório conclui que o principal problema da gestão de combustível nas áreas devastadas por estes incêndios foi o incumprimento da legislação para as faixas de rede secundária.

A rede secundária inclui faixas de 50 metros em redor das edificações, faixas de 10 metros para cada lado das estradas e de 100 metros à volta dos aglomerados populacionais. Já a rede primária “foi executada na totalidade apenas em três municípios” dos 11 abrangidos pelo relatório.

Além de Augusto Arnaut, estão a ser julgados por crimes de homicídio por negligência e ofensa à integridade física por negligência, alguns graves, mais 10 pessoas, incluindo dois funcionários da EDP, três elementos da Ascendi e o ex-presidente da Câmara de Castanheira de Pera Fernando Lopes.

Os presidentes das Câmaras de Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande, Jorge Abreu e Valdemar Alves, respetivamente, também foram acusados.

O antigo vice-presidente da Câmara de Pedrógão Grande José Graça e a então responsável pelo Gabinete Florestal deste município, Margarida Gonçalves, estão igualmente entre os arguidos.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Ai-Da, a robô artista, foi detida no Egito antes da sua mais recente exposição

Ai-Da, a primeira robô artista ultrarrealista do mundo, foi detida pelas autoridades egípcias na alfândega por "questões de segurança". De acordo com o jornal The Guardian, está previsto que Ai-Da apresente o seu último trabalho na …

Albertina Museum, em Viena, na Áustria

Cansados de ver posts removidos por nudez, museus de Viena aderiram ao OnlyFans

Cansados de ver as obras de arte que partilhavam nas redes sociais removidas por serem demasiado "explícitas", vários museus austríacos decidiram abrir uma conta na plataforma mais liberal OnlyFans. No passado, tanto o Conselho de Turismo …

O pior desastre nuclear da história dos EUA pode ter sido fruto de uma brincadeira

O SL-1 era um reator nuclear experimental de baixa potência, localizado no Idaho, nos EUA, que tinha como objetivo fornecer energia a pequenas instalações militares remotas no início dos anos 1960. O reator acabou por ficar …

PJ deteve quarto suspeito da morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, ao final da tarde desta quinta-feira, um quarto suspeito da morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Durante a tarde de hoje, em conferência …

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, e a ministra da Saúde, Marta Temido

Saúde, Trabalho e Cultura. As medidas aprovadas pelo Governo para facilitar a negociação do OE

Novo Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, Agenda do Trabalho Digno e a versão final do Estatuto dos Profissionais da Cultura foram os grandes destaques da conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta …

Banido do Facebook, Donald Trump aposta na criação da sua própria rede social

Nova rede social deverá estar disponível a partir do início do próximo ano e é uma resposta do antigo presidente às empresas que o decidiram banir. O antigo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump anunciou o …

Um cigarro aceso

"Fumar mata." Deputados britânicos querem que o aviso seja impresso em cada cigarro

Para desencorajar os fumadores, os deputados britânicos querem imprimir o slogan "Fumar mata" em cada cigarro de um maço de tabaco. Deputados britânicos apresentaram, no Parlamento, uma emenda à Lei de Saúde e Cuidados de Saúde …

Ludogorets 0-1 Braga | Horta bracarense dá frutos cedo

O Sporting de Braga conseguiu um importante triunfo por 1-0 na deslocação ao terreno do Ludogorets, no Grupo F da Liga Europa. A formação lusa não quis perder tempo e marcou logo aos sete minutos, por …

PJ admite mais pessoas envolvidas na morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) admitiu, esta quinta-feira, que estejam mais pessoas envolvidas na morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Os dados foram avançados esta tarde, em conferência de …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo continua a "desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o OE passar"

O Presidente da República afirmou, esta quinta-feira, que continua "a desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o Orçamento passar" e considerou que os próximos dias, com reuniões partidárias até ao fim-de-semana, "são …