/

“Napoleão Afegão” e o Vale de Panjshir: o último reduto de resistência aos talibãs

O Vale de Panjshir é o último reduto de resistência aos talibãs no Afeganistão. Tanto os talibãs quanto os líderes da resistência pediram negociações.

Depois de uma ofensiva incrivelmente rápida, os talibãs ocuparam Cabul com resistência mínima e estão a consolidar o seu poder em todo o Afeganistão. Mas Panjshir, no noroeste do país, mostrou-se obstinadamente resistente à interferência externa — ao longo de mais de quatro décadas — e permanece desafiante diante do domínio dos talibãs.

No dia 15 de agosto, enquanto os talibãs se aproximavam de Cabul, o presidente Ashraf Ghani — que tinha prometido “lutar até à morte” — fugiu silenciosamente do país, o que precipitou o colapso do Governo. O seu vice-presidente, Amrullah Saleh, decidiu ficar e mudar-se para a sua cidade natal, Panjshir.

O Vale de Panjshir, quase 150 km a norte de Cabul, é o lar de uma população tajique em grande parte étnica e, durante quatro décadas de guerra civil e insurgência dos talibãs, tem sido um centro de resistência.

Panjshir resistiu à invasão soviética na década de 1980 e ao domínio dos talibãs no final da década de 1990. Nos últimos 20 anos, foi a única província em que os talibãs pareciam incapazes de penetrar.

Google Maps

Com o “pin” vermelho está assinalada a província de Panjshir.

As elites de Panjshir desempenharam um papel importante na ordem política pós-2001 instituída pela intervenção liderada pelos Estados Unidos. Tem sido um baluarte para todos os principais candidatos da oposição à presidência desde 2004, incluindo Abdullah Abdullah, um alto funcionário do Governo deposto.

Mas as alegações generalizadas de fraude após as eleições de 2014 e 2019 prejudicaram a confiança da população local na liderança de Cabul, tornando-os suspeitos das intervenções do Governo central.

A resistência de Panjshir está a mobilizar-se sob a forma de Ahmad Massoud, o filho de 32 anos do líder carismático Ahmad Shah Massoud — apelidado de “Napoleão Afegão” numa biografia recente do veterano jornalista britânico Sandy Gall.

Massoud liderou a campanha de resistência contra os russos, mas foi assassinado em 2001 por agentes da Al-Qaeda passando-se por jornalistas — apenas dois dias antes dos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos.

Massoud Jr. está a tentar mobilizar as forças locais, mas ainda precisa de provar que é um líder honesto e competente para a sua base de apoio. Há desdém entre os moradores locais por alguns dos líderes Panjshiri — incluindo Saleh e Abdullah — que ocuparam cargos importantes no Governo em Cabul, mas fizeram pouco ou nada para servir as suas comunidades.

Mas as coisas mudaram de formas que vão desafiar a resistência em Panjshir. As linhas de abastecimento para a província foram reduzidas e Panjshir está efetivamente cercada. Isto criou o problema de como levar mantimentos militares e humanitários para o vale, se as hostilidades se transformarem numa guerra aberta.

Também houve uma mudança na dinâmica política da região que ajudará os talibãs. É importante realçar que os talibãs melhoraram a sua relação com o regime teocrático iraniano, que outrora apoiou as forças anti-talibã.

Mas também há oportunidades. A facilidade com que capturou Cabul parece ter convencido os talibãs a voltar a impor a sua conceção de um emirado movido por um entendimento estreito e fundamentalista da lei islâmica sharia.

Isto pode agradar à base de apoio dos talibãs nas áreas rurais dominadas pelos pashtuns. Mas seria importante para o apoio popular dentro do Afeganistão, bem como para a perspetiva de receber ajuda estrangeira e reconhecimento internacional do novo regime.

Também criaria uma oportunidade para a resistência se apresentar como uma alternativa melhor e mais popular. Incidentes como a violência que saudou os protestos anti-talibã e nacionalistas recentemente em Jalalabad só podem ajudar a unir o movimento de resistência.

É possível um acordo?

Tanto os talibãs quanto os líderes da resistência pediram negociações com o objetivo de estabelecer um “Governo inclusivo” em Cabul. Neste caso, o desafio será chegar a um consenso sobre o que significa “inclusivo”. Muitos estão a interpretar os apelos dos talibãs por inclusão como uma tentativa de obter reconhecimento internacional e acesso a ajuda.

Mas se for este o caso, é improvável que garanta estabilidade. Basta olhar para as falhas dos últimos 20 anos para ver os erros nisso.

A velocidade do avanço dos talibãs e a conquista de Cabul tornam um acordo de paz menos provável. Atualmente detém a maior parte das moedas de troca, o que torna difícil para uma resistência esgotada clamar por um sistema político democrático, descentralização e direitos iguais para todos os cidadãos.

Por que razaão cederiam os líderes dos talibãs na cadeira do poder a essas exigências? Mas, ao mesmo tempo, é difícil imaginar que Massoud e os seus colegas negociem o que será efetivamente uma rendição.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.