O legado do Mundial de 2010 na África do Sul: estádios ao abandono e fracasso desportivo

Uma década depois da África do Sul ter organizado o Campeonato do Mundo de Futebol, o país não guarda um bom legado da competição. Desde então, nunca mais se qualificou para um Mundial e alguns estádios foram deixados ao abandono.

Em 2010, 80 anos depois da primeira edição da competição no Uruguai, o Campeonato do Mundo chegava finalmente ao continente africano. A África do Sul foi escolhida como organizadora da maior competição de seleções de futebol do mundo.

O Estádio FNB, em Johannesburg, encheu para ver jogar a anfitriã frente ao México. Aos 55 minutos de jogo, Siphiwe Tshabalala inaugurava o marcador com um pontapé certeiro, que levou o público ao delírio e as vuvuzelas a ecoarem com estrondo pela arena. Para desilusão dos sul-africanos, Rafa Márquez empatou a partida aos 79 minutos.

A ideia de organizar um Mundial em África sempre fez parte da visão do então presidente da FIFA, Sepp Blatter. No entanto, como escreve a Sports Illustrated, embora seja uma iniciativa nobre, pode-se argumentar que Blatter sonhava com um Campeonato do Mundo em África porque o bloco africano da FIFA sustentava o seu poder na organização que tutela o futebol mundial.

Aliás, já em 2006, Blatter quis que o Mundial fosse organizado na África do Sul, mas a Alemanha acabou por ser escolhida como a sede dessa edição.

Não obstante, o sonho sul-africano chegaria quatro anos depois. A organização de um evento destas dimensões envolve sempre gastos megalómanos em infraestruturas, principalmente se for o caso de um país que não esteja preparado. Portugal pode sentir empatia com a situação dos sul-africanos, basta olhar para os investimentos que foram feitos para receber o Euro 2004.

Para o Mundial de 2010, foram construídos novos estádios em cidades onde um estádio pré-existente poderia ter sido remodelado e modernizado. Apenas três anos depois, quando o país recebeu a Taça das Nações Africanas, já se constatava facilmente quantos destes estádios tinham caído em desuso.

As instalações para a imprensa no Estádio FNB, conhecido como Soccer City, desapareceram. O relvado em Nelspruit foi devastado por uma infeção de fungos. Na Cidade do Cabo, o Estádio Green Point perdia um milhão de dólares por ano e, de acordo com a Sports Illustrated, havia rumores de que seria convertido em habitação.

No entanto, receber uma competição deste calibre traz também alguns frutos a nível desportivo, principalmente para os países em que o futebol ainda não está tão desenvolvido. Para tal, basta olhar para o exemplo da Coreia do Sul e do Japão, que organizaram o Mundial de 2002 e que, desde então, tornaram-se presenças habituais na competição.

Por sua vez, a África do Sul não se qualifica para o Campeonato do Mundo desde 2010. E, para piorar a situação, falhou também a Taça das Nações Africanas em 2012 e 2017.

Além disso, a África do Sul tornou-se o primeiro país organizador a não passar a fase de grupos. Os ‘bafana bafana’ ficaram no terceiro lugar do grupo, atrás do Uruguai e do México. Curiosamente, a França ficou em último do grupo, com apenas um ponto.

A primeira edição de um Mundial em África deixou um fraco legado. Pobreza, corrupção, intrigas políticas e desorganização continuam a reinar no continente africano. E a esperança de ver um campeão mundial oriundo de África é cada vez mais diminuta.

Daniel Costa DC, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Perto de sequenciar 1 milhão de genomas, cientistas querem desvendar segredos genéticos

O projeto All of Us está a recolher informações genéticas, registos médicos e hábitos de saúde de mais de um milhão de pessoas. Os dados podem ser usados para desvendar segredos genéticos. O primeiro esboço do …

"Besta dos cinco dentes". Descoberta nova espécie de mamífero na Patagónia

Paleontólogos descobriram uma nova espécie de mamífero, com dentes peculiares, que viveu na Patagónia durante o período Cretáceo. De acordo com a agência Europa Press, os fósseis foram encontrados em Cerro Guido, na província chilena de …

Com os zoos fechados, tudo serve para entreter uma família de lontras. Até um simples galho de bambu

O confinamento serviu como um lembrete indesejado de que ficar preso dentro de casa sem muito o que fazer pode ser desgastante. O mesmo é verdade para os animais, por isso os jardins zoológicos tiveram …

Uma ilha, cinco géneros. Os Bugis têm palavras para as "cinco maneiras de estar no mundo"

Uma ilha, cinco géneros. O povo Bugis é um poderoso grupo étnico que se destaca pelo reconhecimento de cinco géneros distintos. Na Indonésia, a ilha Sulawesi é a casa de um povo que reconhece cinco …

O "aeroporto do amanhã" está abandonado no meio de um pântano dos Estados Unidos

Era para ser o "aeroporto do amanhã", um centro intercontinental para aviões supersónicos com seis pistas e conexões ferroviárias de alta velocidade para as cidades vizinhas. Hoje, é pouco mais do que uma pista no …

Facebook remove (acidentalmente) página oficial de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa

O Facebook apagou a página de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa. O município passou um mês a apelar à rede social para repor a página. "Recebemos uma mensagem no Facebook e também percebemos que …

NASA escolheu SpaceX de Elon Musk para a próxima missão tripulada à Lua

Elon Musk fecha contrato de 2,9 mil milhões de dólares para levar o Homem novamente à Lua. O contrato é a mais importante vitória da SpaceX e reforça a posição da empresa como parceira …

Benfica 1-2 Gil Vicente | Galo canta e silencia águia na Luz

STOP. O Gil Vicente visitou na tarde deste sábado o Benfica e saiu do palco da Luz com os três pontos na bagagem e a “cantar de galo”, ao vencer por 2-1, num duelo relativo …

"Longa vida à monarquia." Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns. O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo …

Abominável (e falso) Homem das Neves. Líder russo usou Yeti para atrair turistas para a Sibéria

Um dos líderes regionais mais antigos de Vladimir Putin confessou ter encenado avistamentos falsos de Yetis numa tentativa de encorajar o turismo na Sibéria. Aman Tuleev, um dos líderes regionais de longa data do Presidente russo …