Mulheres têm mais qualificações (mas continuam a ganhar menos e a não chegar ao topo)

As portuguesas ganham, em média, menos 16,7% do que os homens e, embora tenham mais qualificações, os cargos de topo continuam sobretudo nas mãos dos homens, denuncia a presidente da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego.

O mote é o Dia Internacional da Mulher, que se assinala a 8 de março, mas o tema da entrevista à agência Lusa acaba por ser as disparidades salariais entre homens e mulheres, algo que, para Joana Gíria, tem sofrido uma evolução ténue.

“Ao compararmos os últimos dados disponíveis com os anteriores, relativos a 2013, as mulheres em Portugal ganhavam menos 17,9% de remuneração média mensal de base do que os homens, face aos 16,7% em 2014. Uma pequeníssima diferença, sim, mas que deveremos encarar com expectativa de melhoria e progresso”, apontou.

Uma percentagem que significa que uma mulher para ter o mesmo ordenado do que um homem tem de trabalhar mais 61 dias no ano, ou seja, mais dois meses. Ou vendo de outra forma, é como se a mulher deixasse de receber os vencimentos relativos aos meses de novembro e dezembro e o homem recebesse o ano por inteiro.

No que diz respeito às qualificações profissionais, Joana Gíria salientou que “o diferencial salarial entre homens e mulheres é proporcional aos níveis de qualificação”, ou seja, “quanto mais elevado o nível de qualificação, maior o diferencial salarial, sendo especialmente elevado entre os quadros superiores”.

“Embora em Portugal as mulheres detenham, na atualidade, mais qualificações (licenciatura, mestrado, doutoramento) e, consequentemente, a qualificação adequada para o exercício de cargos de chefia e de topo, continuam a ser os homens a ocupar predominantemente tais cargos”, denunciou Joana Gíria.

Na opinião da presidente da CITE, “a opção pelos pares, em detrimento das mulheres, corresponde em muito à inadequada e teimosia persistência do estereótipo socialmente enraizado: mulher/cuidadora da família vs homem/provedor do agregado familiar”.

Joana Gíria frisou que, mesmo quando atingem cargos de topo, a maior parte das mulheres continua a entender como sua responsabilidade as tarefas domésticas ou as tarefas familiares, como cuidar dos filhos ou de outras pessoas dependentes.

“Em Portugal, há mais mulheres licenciadas, mestrandas e doutorandas do que homens em igualdade de circunstâncias. Está na hora de não desperdiçar capital humano e escolher pelo mérito e é tempo de o mundo do trabalho espelhar a realidade social”, defendeu.

Destacou, por outro lado, que o facto de as mulheres serem a maioria entre a população desempregada com habilitações académicas de nível superior mostra as “grandes dificuldades” que enfrentam no mercado de trabalho, mesmo quando têm as qualificações necessárias.

De acordo com a presidente da CITE, mantém-se uma “acentuada discrepância” na partilha entre homens e mulheres do trabalho não remunerado, sendo as mulheres quem, apesar de trabalharem maioritariamente a tempo inteiro, assegurarem “a maior parte do trabalho doméstico”.

“São também as mulheres quem mais condiciona o seu horário de trabalho diário, a sua atividade profissional e a sua carreira por razões familiares”, salientou a responsável, acrescentando que, por esse motivo, são também as mulheres quem mais recorre às medidas de conciliação entre a vida profissional e familiar.

Joana Gíria referiu também que, independentemente do número de contratos de trabalho precários celebrados com homens ou com mulheres, a CITE sabe que “a não renovação de contratos a termo celebrados com mulheres é mais frequente e, não parcas as vezes, o motivo ficará a dever-se ao exercício dos direitos da parentalidade pelas mães trabalhadoras”.

A esse propósito adiantou que, em 2016, a CITE emitiu 95 pareceres solicitados por entidades empregadoras que pretenderam despedir uma funcionária grávida, a amamentar ou mãe recentemente, algo a que obriga o Código do Trabalho.

Dados da CITE mostram ainda que no ano passado, até setembro, o organismo recebeu 58 queixas, onze relativas a questões sobre parentalidade, sete das quais sobre maternidade, 15 sobre igualdade e não discriminação em função do sexo, além de 20 sobre questões de flexibilidade na conciliação entre vida profissional e familiar.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …