Número de mulheres nas Forças Armadas está a descer desde 2010

(dr) Exército Português

A percentagem de mulheres nas Forças Armadas baixou de 13% para 10,5% entre 2010 e 2017, ano em que o efetivo totalizava 2.930 mulheres, segundo um estudo de investigadores do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL), que faz parte do livro “Desigualdades Sociais, Portugal e a Europa”.

“Em 2017, verificou-se um retorno aos valores anteriores ao fim do serviço militar obrigatório [2004]”, adianta o estudo publicado no livro “Desigualdades Sociais, Portugal e a Europa” que será divulgado na quarta-feira, em Lisboa, no colóquio comemorativo dos 10 anos do Observatório das Desigualdades.

No ano passado, as mulheres constituíam 10,6% dos militares da Marinha, 8,7% do Exército e 14,8% da Força Aérea em 2017.

Segundo o estudo, o aumento do número de mulheres nas Forças Armadas foi pronunciado até 2000, altura em que estabilizou, voltando a subir ainda mais acentuadamente a partir de 2004, ano em que terminou o serviço militar obrigatório e em que o recrutamento passou a ser exclusivamente voluntário.

“Essa tendência de aumento manteve-se até 2010, altura em que se inverteu e, pela primeira vez, se assistiu a uma redução significativa do número de mulheres, afetando em particular o Exército”, sublinha o estudo.

A descida é explicada pela “forte redução de efetivos militares em contexto de crise”, que penalizou sobretudo os regimes de voluntariado e contrato, nos quais as mulheres se concentravam numa percentagem superior à média.

Para os autores do estudo, “esta tendência de decréscimo da representação feminina é simultaneamente inesperada e paradoxal“.

“Inesperada, uma vez que o aprofundamento do processo de profissionalização e os desafios de recrutamento que habitualmente se lhe associam conduziriam potencialmente a um reforço da componente feminina”, sublinham.

“É paradoxal” no quadro dos compromissos assumidos por Portugal na implementação da resolução 1325 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que exorta os Estados a aumentar a representação feminina nas suas forças e nos contingentes enviados para missões internacionais.

Tal como noutros países, “o envolvimento de mulheres em atividades militares nas áreas mais operacionais tem sido objeto de resistências e dificuldades“.

Apesar dos elevados níveis de aceitação da presença militar feminina, sobretudo entre os oficiais, “as atitudes relativas ao seu envolvimento operacional, em particular se se considerar também a categoria de praças, nem sempre revelou a mesma positividade”, refere o estudo.

“O padrão de desigualdade que ainda persiste, bem como um significativo retrocesso em termos de níveis de representação, mostram como são por vezes frágeis os progressos conseguidos no plano da construção da igualdade e que uma permanente monitorização e avaliação de políticas e resultados se impõe”, acrescenta.

O estudo adverte que a “inexistência de políticas concretas” em áreas que “provocam erosão nos níveis de empenhamento das mulheres”, como a conciliação entre família e profissão, “poderá continuar a produzir efeitos nos níveis de integração de género nas forças armadas e, por essa via, na qualidade do relacionamento civil-militar em Portugal”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Solução para Novo Banco pode não passar por um OE retificativo, diz João Leão

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, disse que a alternativa à anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco não tem "necessariamente que passar" por um orçamento retificativo …

Plano de vacinação arranca em janeiro com três fases. 950 mil pessoas no primeiro grupo prioritário

Pessoas com mais de 50 anos com uma patologia frequente nos casos graves de covid-19, residentes e/ou internados em lares e profissionais de saúde integram o primeiro grupo prioritário para a administração da vacina de …

Segunda vaga de moratórias autorizada pela Autoridade Bancária Europeia

A Autoridade Bancária Europeia (EBA) autorizou a reabertura de moratórias de crédito, com efeitos a partir de 01 de outubro até 31 de março de 2021, dois meses após ter suspendido novas adesões. Num comunicado publicado …

Turquia alvo de críticas duras em reunião da NATO e em risco de sanções

A Turquia esteve esta quarta-feira sob um fogo de críticas na reunião virtual dos Ministros dos Negócios Estrangeiros (MNE) da NATO e, com a deceção manifestada pelos Estados Unidos, deve preparar-se para sanções económicas americanas …

O que Neymar mais quer é voltar a jogar com Messi. Só se vier a custo zero, diz o Barça

O internacional brasileiro Neymar, que alinha pelo PSG, confessou esta quarta-feira que o mais deseja é voltar a jogar com o astro argentino Lionel Messi, com quem partilhou balneário entre 2013 e 2017 no Barcelona. …

Ministro da Administração Interna e procuradora-geral da República vão ser ouvidos no Parlamento

Eduardo Cabrita será ouvido sobre o caso do cidadão ucraniano assassinado nas instalações do SEF e Lucília Gago sobre a "recente diretiva sobre os poderes hierárquicos" na magistratura do Ministério Público. A comissão de Assuntos Constitucionais …

Portugal regista mais 79 mortos e 3.772 novos casos de covid-19

Portugal contabiliza esta quinta-feira mais 79 mortos relacionados com o novo coronavírus, que provoca a covid-19, e 3.772 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da …

França investiga 76 mesquitas por suspeita de radicalização islâmica

A França vai investigar nos próximos dias 76 mesquitas por suspeitas de radicalização islâmica, anunciou esta quarta-feira o ministro do Interior do país, Gerald Darmanin. Trata-se de 16 templos na região de Paris e 60 no …

Medidas estão a dar resultados. Novas regras apresentadas sábado vão vigorar até 7 de janeiro

O primeiro-ministro afirmou que as medidas adotadas estão a produzir resultados, havendo uma trajetória descendente de novos casos de covid-19, mas advertiu que janeiro é mês de risco e as restrições não podem ser aliviadas. Esta …

Interpol alerta para ameaça do crime organizado ligado às vacinas. Falsificações podem ser fatais

A Interpol emitiu um alerta global aos perigos de burlas à volta da nova vacina para a covid-19. As falsificações podem ser lucrativas para os criminosos e fatais para quem as usar. A Interpol emitiu um …