/

Muito mais do que tabaco. Cientistas identificam drogas tomadas pelos maias em recipientes antigos

1

Washington State University

Uma equipa de cientistas da Washington State University identificou a presença de planta que não é do tabaco em recipientes de drogas dos antigos maias.

Os investigadores detetaram “marigold mexicana” (Tagetes lucida) em resíduos retirados de 14 vasos de cerâmica. Originalmente enterrados há mais de mil anos na península mexicana de Yucatán, os vasos também contêm vestígios químicos presentes em dois tipos de tabaco seco e curado, Nicotiana tabacum e N. rustica.

A equipa, liderada pelo antropólogo Mario Zimmermann, acredita que a marigold mexicana era misturada com o tabaco para tornar o ato de fumar mais agradável.

“Embora tenha sido estabelecido que o tabaco era normalmente usado nas Américas antes e depois do contacto, as evidências de outras plantas usadas para fins medicinais ou religiosos permaneceram amplamente inexploradas”, disse Zimmermann, em comunicado.

“Os métodos de análise desenvolvidos em colaboração entre o Departamento de Antropologia e o Instituto de Química Biológica dão-nos a capacidade de investigar o uso de drogas no mundo antigo como nunca antes.”

Neste trabalho, foi usado um novo método de análise baseado em metabolómica que pode detetar milhares de compostos de plantas ou metabólitos em resíduos colhidos de recipientes, canos, tigelas e outros artefactos arqueológicos. Os compostos podem ser usados ​​para identificar que plantas eram consumidas.

Anteriormente, a identificação de resíduos de plantas antigas dependia da deteção de um número limitado de biomarcadores, como nicotina, anabasina, cotinina e cafeína.

“O problema com isso é que, embora a presença de um biomarcador como a nicotina mostre que o tabaco foi fumado, não diz o que mais foi consumido ou armazenado no artefacto”, disse David Gang, professor do Instituto de Química Biológica da Washington State University.

“A nossa abordagem não só diz que sim, encontrámos a planta na qual estavamos interessados, mas também pode dizer o que mais estava a ser consumido.”

Zimmermann ajudou a desenterrar dois dos vasos cerimoniais que foram usados ​​para a análise na primavera de 2012. Na época, estava a trabalhar numa escavação dirigida pelo Instituto Nacional de Antropologia e História do México nos arredores de Mérida, onde um empreiteiro descobriu evidências de um sítio arqueológico maia enquanto limpava terras para um novo conjunto habitacional.

A equipa de arqueólogos usou equipamento GPS para dividir a área numa grade semelhante a um tabuleiro de xadrez. Depois, abriram caminho através da densa selva em busca de pequenos montes e outros sinais reveladores de edifícios antigos onde os restos mortais de pessoas importantes como os xamãs às vezes são encontrados.

“Quando se encontra algo realmente interessante, como um recipiente intacto, isso dá uma sensação de alegria”, disse Zimmermann. “Há literalmente toneladas de fragmentos de cerâmica, mas os recipientes completos são escassos e oferecem um potencial de pesquisa muito interessante”.

A equipa está atualmente em negociações com várias instituições no México para obter acesso a recipientes mais antigos da região que possam analisar em busca de resíduos vegetais. Outro projeto que estão a desenvolver atualmente passa por examinar resíduos orgânicos preservados na placa dentária de restos humanos antigos.

“Estamos a expandir as fronteiras da ciência arqueológica para que possamos investigar melhor as relações de tempo profundas que as pessoas tiveram com uma ampla gama de plantas psicoativas, que foram (e continuam a ser) consumidas por humanos em todo o mundo”, disse Shannon Tushingham, professor de antropologia na Washington State University.

“Há muitas formas engenhosas pelas quais as pessoas gerem, usam, manipulam e preparam plantas nativas e misturas de plantas, e os arqueólogos estão apenas a começar a arranhar a superfície de quão antigas essas práticas eram.”

A descoberta do conteúdo dos recipientes pinta uma imagem mais clara das práticas de uso de drogas dos antigos maias. Este estudo, publicado na semana passada na revista científica Scientific Reports, também abre caminho para estudos futuros que investiguem outros tipos de plantas psicoativas e não psicoativas que eram fumadas, mastigadas ou inaladas entre os maias e outras sociedades pré-colombianas.

  Maria Campos, ZAP //

1 Comment

  1. Nada disto me espanta, o que me surpreende mais é que na atualidade as drogas serão ainda mais consumidas e sofisticadas do que no passado porque a ganância de uns e a fraqueza de outros combinam bem no negócio em que os primeiros são os únicos beneficiados com a benção dos políticos mundiais que por alguma razão não querem pôr cobro a tamanha catástrofe humanitária.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.