Movimento em França quer “unir a esquerda” para evitar duelo Macron/Le Pen

Eric Feferberg / EPA

Marine Le Pen (E) e Emmanuel Macron (D)

Laurent Joffrin, um jornalista que deixou no início de julho a direção do jornal Libération, lançou uma plataforma para reforçar a esquerda reformista e evitar um novo duelo Macron/Le Pen nas presidenciais de 2022, em França.

Laurent Joffrin explicou, em entrevista à Lusa, que a plataforma Les Engagé.e.s. não pretende transformar-se num partido político, mas encontrar um candidato presidencial que passe à segunda volta em 2022.

“Já só falta um ano para que as presidenciais arranquem e, portanto, temos um ano para que haja uma esquerda reformista que possa apresentar um projeto e impedir o cenário previsível da eliminação da esquerda numa primeira volta e a reedição do duelo Macron/Le Pen na segunda volta”, afirmou Laurent Joffrin.

O agora ex-jornalista passou mais de 30 anos em redações, tendo dirigido os jornais Nouvel Observateur e Libération, mantendo-se à esquerda no espetro político e com um olhar crítico da vida política francesa nas centenas de editoriais escritos ao longo da sua carreira.

No início deste mês, anunciou a sua saída de diretor do Liberátion e lançou Les Engagé.e.s, que quer redinamizar as figuras políticas e os eleitores que se encontram entre os Verdes e o atual Presidente Emmanuel Macron.

“A razão para tentar unir a esquerda é que quando olhamos para as eleições municipais, que não foram nada más para a esquerda, os melhores resultados foram conseguidos com uma corrente ecologista e uma corrente socialista ou reformista. E isso cria um equilíbrio, mas a nível nacional, esse equilíbrio não existe”, justificou.

Convencido que à esquerda nenhum candidato que esteja agora no horizonte pode chegar a uma segunda volta face ao atual Presidente da República ou à líder da extrema-direita Marine Le Pen, Joffrin quer introduzir novas ideias, mas sem formar um novo partido.

“Não, não temos ambição de ser um partido. Mas temos a ambição de ser um bloco de esquerda. Não queremos vir dividir, mas unir quem representa a classe média e que não se enquadra nem nos Verdes, nem na extrema-esquerda”, declarou.

Esse lugar, normalmente ocupado pelo Partido Socialista, está, segundo o ex-diretor, “enfraquecido”, o que levou também a uma inação da esquerda durante os últimos três anos, apesar de as lutas sociais em França se terem multiplicado face a Macron e ao partido que o levou ao poder, o Republique En Marche.

“Penso que a inação da esquerda se deveu desde logo à dura derrota eleitoral de 2017. Ao mesmo tempo, não surgiu uma nova força à esquerda desde aí e é preciso recriar uma nova força com propostas que avancem ideias novas e esse trabalho coletivo não foi feito até agora”, defendeu.

A associação foi lançada através de uma conferência de imprensa que decorreu há cerca de duas semanas e cerca de 40 signatários vindos dos mais distintos campos da vida profissional como a atriz Agnès Jaoui, o cantor Benjamin Biolay, a jornalista Laure Adler ou o sociólogo Michel Wieviorka.

Para os analistas e comentadores, este novo movimento de esquerda serve para relançar François Hollande, antigo Presidente da República e líder socialista, na política francesa. Hollande e Joffrin são amigos há muitos anos, mas o ex-jornalista diz que a esquerda precisa de outras figuras.

“Somos amigos, é verdade e falei-lhe deste projeto. Mas falei com outras pessoas. Sególene Royale [ex-candidata presidencial], Anne Hidalgo [atual presidente da Câmara de Paris], com intelectuais e outras figuras. Ninguém é capaz de dizer quem está bem posicionado para liderar a esquerda. Pode ser Hollande, embora ele não esteja na melhor posição, mas haverá outros”, indicou.

Questionado se esta união à esquerda foi inspirada pelo Governo socialista em Portugal com apoio parlamentar do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista, Joffrin diz que sim, mas que há uma diferença chave. “Para algo como isso existir é preciso que haja uma força com propostas, como o Partido Socialista português soube ter e depois podemos pensar então em acordos para governar”, afirmou.

Sobre a opção pessoal que tomou de deixar o jornalismo e lançar-se na política, Joffrin considera que “é um risco”, mas que não tem nada a perder.

“Foi uma decisão difícil e pensei durante muitos meses no que fazer. Ou continuava a ser jornalista até ao fim da minha vida profissional, mas ficar num jornal não me trazia grande risco. Preferi correr este risco, não tenho grande coisa a perder”, concluiu.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Depois das sementes, norte-americanos recebem máscaras, óculos de sol e até meias sujas da China

Vários residentes da Flórida, nos Estados Unidos, receberam pacotes misteriosos da China pelo correio que não tinham encomendado. Desta vez não eram sementes, mas sim máscaras cirúrgicas, óculos de sol e até meias sujas. Em declarações …

Imposto sobre refrigerantes reduziu o seu consumo

O imposto especial sobre as bebidas com maior teor de açúcar levou mais de 40% dos inquiridos num estudo da Universidade Católica esta sexta-feira divulgado a reduzir o seu consumo, comportamento que adotariam também com …

Uma só teoria da conspiração sobre a covid-19 matou 800 pessoas. 60 ficaram totalmente cegas

Pelo menos 800 pessoas morreram e 60 ficaram cegas na sequência de uma teoria da conspiração sobre a covid-19, concluiu um novo estudo. A investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica American Journal …

Apple e Google removem das suas lojas de aplicações um dos jogos mais populares do mundo

As gigantes tecnológicas Apple e Google removeram esta semana das suas lojas de aplicações, a App Store e a Google Play Store, respetivamente, o Fortnite, um dos jogos mais populares de todo o mundo. As …

Encontrado tesouro de artefactos nazis no "Covil do Lobo", o quartel-general ultrassecreto de Hitler

Quando os nazis se prepararam para invadir a União Soviética, em 1941, construíram um quartel-general militar secreto na floresta Masúria, na Polónia, ao qual chamaram "Wolfsschanze" ou "Covil do Lobo". Desde a sua descoberta após a …

Itália vai construir um túnel submarino para unir Sicília ao continente

Itália está a planear construir um túnel para ligar a região insular da Sicília ao continente italiano. O projeto de cinco mil milhões de euros vai ser pago com a parte do Fundo de Recuperação …

Point Roberts tinha um pé nos EUA e outro no Canadá (mas agora não "pertence" a nenhum)

Point Roberts, em Washington, está numa posição única. Localizada na ponta da Península de Tsawwassen, a cidade fica totalmente abaixo do paralelo 49, a linha que separa o Canadá dos Estados Unidos. Agora, a cidade …

Milhares de processadores quebraram um trilião de chaves para resgatar um Zip com bitcoins

Um misterioso homem perdeu o acesso a um ficheiro Zip onde estavam encriptadas as suas chaves privadas de bitcoins. Os 300 mil dólares foram resgatados por dois especialistas em criptografia — e por muitos milhares …

Reino Unido com mais de mil novas infeções pelo quarto dia consecutivo

O Reino Unido registou mais 11 mortos e 1.441 infeções de covid-19 nas últimas 24 horas, anunciou o Ministério da Saúde britânico, que manteve restrições sobre a área metropolitana de Manchester e parte do norte …

Governo não pondera (para já) proibição de fumar ao ar livre

O Governo não está a ponderar, neste momento, proibir fumar ao ar livre como foi decretado em Espanha, mas há “muitos aspetos em aberto” que serão acompanhados, disse esta sexta-feira a ministra da Saúde, Marta …