Movimento “Convergência” prepara moção para convenção do Bloco (mas rejeita cisão)

Mário Cruz / Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins

Largas dezenas de elementos do Bloco de Esquerda (BE) estiveram reunidos para preparar uma moção para apresentar na próxima convenção do partido, mas rejeitam estar a criar uma nova tendência ou a preparar uma cisão.

João Madeira, bloquista desde a fundação do partido, explicou aos jornalistas que o movimento designado como “Convergência” reúne aderentes do BE de “diferentes sensibilidades” e que “estão preocupados com a situação” atual do partido.

Apesar dos resultados eleitorais “bastante satisfatórios”, este movimento entende que a direção do BE precisa de maior autonomia e de mais afirmação das propostas do partido, em vez de andar “à procura do entendimento com o PS”.

João Madeira critica ainda a falta de debate interno no partido: “Sentimos as dificuldades que decorrem de muitas vezes não sermos ouvidos nos reparos, nas críticas e propostas que fazemos […]. Há muitas discussões fundamentais, como o programa eleitoral, que não foi discutido dentro do Bloco, ou se foi discutido, foi de forma muito mitigada”.

O movimento “Convergência” entende que é “preciso valorizar as organizações da base até ao topo e ter participação mais ativa e empenhada dos diferentes aderentes”. Questionado sobre se procuram construir uma tendência dentro do BE, João Madeira rejeitou a ideia de serem um “movimento organizado e com regulamentação própria”.

“Não estamos nessa fase nem equacionamos isso sequer. Assumimo-nos como uma convergência de sensibilidades. Somos um conjunto de aderentes de sensibilidades diferentes e que entendemos que é possível construir uma plataforma de entendimento na qual nós convergimos”, explicou aos jornalistas numa conferência de imprensa durante o encontro que hoje decorreu em Lisboa e que reuniu cerca de 200 aderentes do partido, segundo números dos organizadores.

No encontro foi debatido um manifesto que será transformado numa moção para apresentar na próxima convenção do BE.

“Vamos à convenção apresentar uma moção. As listas não são independentes das moções. A existência de uma moção política implica assumir responsabilidades na apresentação de uma lista. O resultado que obtivermos refletir-se-á na nossa participação dentro das estruturas nacionais do Bloco. Não se trata de disputar o cargo A ou B“, afirmou. Ou seja, a moção a ser levada à convenção nacional do BE estará associada a uma lista aos órgãos nacionais.

“O que daí resultar traduzir-se-á na nossa influência nos órgãos nacionais. É necessário que o espaço democrático da convenção permita o aparecimento de várias propostas de natureza política e que possa traduzir em repartição proporcional dos lugares”, justificou João Madeira aos jornalistas.

Na proposta inicial do manifesto, o movimento “Convergência” quer, nomeadamente, a afirmação do Bloco de Esquerda “como alternativa ao PS”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nova universidade internacional de Soros pretende combater populismo e alterações climáticas

O filantropo multimilionário George Soros vai investir mil milhões de dólares (cerca de 904 milhões de euros) numa universidade internacional que terá como foco a oposição a governos autoritários e às alterações climáticas. Segundo avançou o …

"O índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual a nós", diz Bolsonaro

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse, durante um vídeo em direto em que comentava a criação do Conselho da Amazónia, que "o índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual …

Jorge Brito Pereira deixa de ser advogado de Isabel dos Santos

O advogado anunciou, esta sexta-feira, que saiu da sociedade de advogados Uría Menéndez Proença de Carvalho, suspendeu a atividade profissional e, como consequência, vai cessar "o patrocínio jurídico" à empresária angolana. "Face às informações publicadas nos …

621 milhões de euros. Ministra reconhece que redução do défice no SNS ficou aquém

A ministra da Saúde reconheceu, esta sexta-feira, que a redução do défice do SNS em 2019 para 621 milhões ficou aquém do que estava previsto, sublinhando o aumento dos custos com pessoal. A ministra da Saúde, …

Governo prevê descontos nas portagens no interior

A ministra da Coesão Territorial disse esta sexta-feira que o novo modelo de desconto das portagens para o interior do país prevê descontos para quem vive, para quem trabalha e para quem visita no …

Excesso de higiene está a tornar a nossa saúde mais frágil, aponta estudo

Um grupo de investigação do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) divulgou recentemente um estudo sobre a perda de diversidade da flora intestinal - também denominada como microbiota - e as consequências desta diminuição na nossa …

Tiroteio na Alemanha faz pelo menos seis mortos e vários feridos

Pelo menos seis pessoas morreram e várias ficaram feridas num tiroteio, esta sexta-feira, na cidade alemã de Rot am See. Um tiroteio, cujo presumível autor foi detido, fez hoje seis mortos e dois feridos graves em …

IKEA aumenta salário de entrada dos trabalhadores para 700 euros

A IKEA aumentou o salário de entrada para trabalhadores a tempo inteiro de 650 euros para 700 euros brutos mensais, acima do salário mínimo nacional (635 euros), anunciou hoje a cadeia de venda de mobiliário. Em …

Mortes nos Comandos. Recruta diz que colocaram um cateter em Hugo Abreu já depois de estar morto

Rodrigo Silvano, o último recruta no curso 127 de Comandos a sair da tenda de enfermaria onde morreu Hugo Abreu no primeiro dia da Prova Zero, relatou ao tribunal que viu o enfermeiro do INEM …

Rafa inegociável. Benfica só vende por 80 milhões de euros

Rafa é inegociável. O Benfica só deixar sair o extremo de 26 anos pelo valor da sua cláusula de rescisão, que está fixada nos 80 milhões de euros. A notícia é avançada esta sexta-feira pelo Correio …