Morreu o filósofo e sociólogo Zygmunt Bauman

Narodowy Instytut Audiowizualny / Wikimedia

O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman

O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman

Morreu esta segunda-feira, aos 91 anos, Zygmunt Bauman. O sociólogo polaco radicado em Inglaterra foi o criador do conceito de “modernidade líquida”. A notícia foi avançada pelo jornal polaco Gazetta Wyborzca.

Com formação marxista, Zygmunt Bauman era possuidor de uma extensa biografia com intensas reflexões sobre a sociedade e o mundo atual. Bauman nasceu de uma família judia, no dia 19 de novembro de 1925, em Poznan, e ainda criança teve que fugir com a família por conta do nazismo, exilando-se na URSS.

O filósofo polaco chegou a combater nas fileiras do Exército Soviético, durante a Segunda Guerra Mundial, que viria a ser um de seus principais campos de estudo.

Mais tarde, Bauman foi expulso do Partido Comunista, num episódio marcado pelo antisemitismo, envolvendo conflitos em Israel. Mudou-se para Tel Aviv, e mais tarde  para Inglaterra, onde em 1971 adquiriu nacionalidade britânica. Instalou-se na Universidade de Leeds, onde permaneceu a maior parte da sua carreira.

Modernidade líquida

Ao longo da carreira de escritor, que iniciou nos anos de 1950, desenvolveu os parâmetros de uma sociologia crítica, abordando temas como as classes sociais, o socialismo, o Holocausto, a hermenêutica, a modernidade e a pós-modernidade, o consumismo e a globalização.

Bauman foi o inventor da teoria da modernidade líquida, desenvolvida na sua obra mais conhecida, “Modernidade Líquida“, de 2000.

A “liquidez” das relações sociais, teoria criada por Bauman, abriria um vasto terreno de análise para as mais diferentes áreas, como a filosofia, cultura, sociologia, relacionamento humano e até mesmo na revolução que os meios de comunicação digitais trouxeram à sociedade moderna.

Mesmo aos 91 anos, Bauman, que deixa três filhas, mantinha-se ativo, sem deixar de publicar livros e teorias, sendo considerado um dos maiores filósofos e sociólogos do final do século XX e início do século XXI.

A maioria das suas obras foram traduzidas para o português, tendo várias das suas obras editadas em Portugal – entre as quais, “A Liberdade” (1989), “Modernidade e Ambivalência” (2007), “Confiança e Medo na Cidade” (2006), e “Amor Líquido” (2008).

Tudo se converteu em mercadoria

Reconhecido por uma abordagem que incorporou a filosofia e outras disciplinas, Zygmunt Bauman foi uma forte voz para os pobres, num mundo revoltado pela globalização.

 

No seu último livro, “Viver com o tempo emprestado”, que publicou em 2009, analisou o estado atual e os desafios que enfrenta o mundo globalizado, em que tudo – a natureza, o ser humano – se converteu em mercadoria.

A crise dos refugiados, a perda de direitos e a construção de muros nas fronteiras, em vez de pontes, dominam o último ensaio de Bauman, publicado no final de 2016, “Estranhos batendo à porta”, no qual analisa o impacto das atuais vagas migratórias.

Bauman culpa os políticos que se aproveitam do medos dos “deserdados e dos pobres” e assegura que a política de construção de muros está destinada a fracassar a longo prazo.

Entre outras distinções, Bauman foi galardoado com o prémio Amalfi de Sociologia e Ciências Sociais (1992), o prémio Theodor W. Adorno (1998) e venceu ainda o prémio Príncipe das Astúrias de Comunicação em 2010.

PARTILHAR

RESPONDER

Fundação Champalimaud anuncia prémio de um milhão de euros para erradicar o cancro

A Fundação Champalimaud anunciou, esta segunda-feira, um prémio de um milhão de euros a atribuir anualmente, e sem limite temporal, vocacionado para a "erradicação do cancro". O prémio é atribuído em parceria com o casal de …

A maior lixeira da China ficou cheia 25 anos antes do previsto

O maior depósito de lixo da China, Jiangcungou, na cidade de Xi'an, já está cheio, 25 anos antes da altura prevista. O aterro tinha sido preparado para receber 2500 toneladas de resíduos por dia. Porém, de …

Cigarros eletrónicos podem prejudicar o coração mais do que os cigarros comuns

Há muito que está provado que fumar é uma das principais causas de mortes por doenças cardíacas. Agora, há evidências crescentes de que os cigarros eletrónicos podem causar danos ao coração. Em dois estudos que serão …

Sindicato dos Magistrados acusa Conselho Superior de fazer escolhas pessoais

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) acusou, esta segunda-feira, o Conselho Superior do Ministério Público de escolher os procuradores para os departamentos mais importantes da investigação criminal por preferências pessoais. Em comunicado, o Sindicato …

Esta empresa está a produzir "carne" feita de ar

Enquanto várias startups estão a vender "carne" feita de plantas, a Air Protein, uma empresa sediada na Califórnia, nos Estados Unidos, está a criar carne feita de ar. A ideia não é nova, uma vez que …

Autoridade da Concorrência faz buscas em cinco empresas de vigilância privada

A Autoridade da Concorrência (AdC) anunciou, esta segunda-feira, que realizou diligências de busca e apreensão em cinco empresas do setor da vigilância privada, no distrito de Lisboa, "por suspeitas de práticas anticoncorrenciais lesivas do normal …

"Breaking Bad" da vida real. Dois professores de Química acusados de produzir metanfetamina

Dois professores universitários de Química do estado do Arkansas, nos Estados Unidos, foram detidos no domingo por suspeitas de produzirem metanfetaminas. O caso tem atraído atenção mediática por se parecer inspirar no enredo da série …

TAP regista prejuízos de 111 milhões de euros até setembro

A TAP registou, nos primeiros nove meses deste ano, prejuízos acumulados de 111 milhões de euros que atribui a "variações cambiais sem impacto na tesouraria". "A TAP S.A. apurou um prejuízo acumulado, nos primeiros nove meses …

Coreia do Norte não está interessada em mais cimeiras com os EUA

A Coreia do Norte advertiu, esta segunda-feira, que "não está interessada" em mais cimeiras com os Estados Unidos, se Washington persistir na recusa em fazer concessões. A Coreia do Norte deu a Washington até ao final …

Refugiado detido que escreveu um livro pelo Whatsapp conquista a liberdade

O jornalista e escritor curdo-iraniano Behrouz Boochani, que estava detido há seis anos num centro de imigrantes na Austrália, conquistou a liberdade. Boochani escreveu, através de mensagens da rede social Whatsapp, o livro “No Friend But …