Morreu Alan Bean, o quarto homem na Lua

(dr) Alan Bean

Alan Bean usou poeira lunar real para retratar os seus passeios na Lua

Alan Bean, o quarto homem a caminhar na Lua, morreu aos 86 anos, informou a agência espacial norte-americana NASA em comunicado.

Morreu Alan Bean, o astronauta que, quatro meses depois de Neil Armstrong ter dado um pequeno passo para um homem mas um passo de gigante para a Humanidade, se tornou no quarto homem a fazê-lo.

A norte de Alan Bean acontece pouco mais de um ano após a de Eugene Cernan, o último homem a andar na lua, que partiu para a sua última viagem em janeiro do ano passado.

“Alan Bean, 86 anos, morreu este sábado, 26 de maio, no Houston Methodist Hospital em Houston, Texas. A sua morte aconteceu depois de Bean ter ficado doente, durante uma viagem a Fort Wayne, no Indiana, há duas semanas”, informa o comunicado da agência espacial norte-americana.

“Estamos tristes pela morte de Alan Bean, o quarto homem na Lua, que passou mais de 10 horas na superfície lunar. Foi comandante da missão Skylab II, e dedicou-se à pintura depois de se retirar”, acrescenta a NASA no seu perfil no Twitter.

Capitão da Marinha dos Estados Unidos, Alan Bean tornou-se astronauta em 1963. Seis anos mais tarde, era o piloto do módulo lunar da Apollo 12, a segunda missão dos EUA a chegar à Lua.

As missões Apollo levavam 3 astronautas a bordo, dos quais dois tinham o privilégio de pisar a Lua – que, no caso das Apollo 12, coube a Bean e ao seu colega Peter Conrad, comandante da missão e terceiro homem a pisar a Lua.

Os dois astronautas exploraram a superfície da Lua, tendo realizado experiências científicas a baixa gravidade, enquanto o terceiro membro da missão, Richard Gordon, se manteve em orbita do satélite da Terra, no módulo de comando, à procura de posições de pouso para futuras missões lunares.

“Lembro-me de uma vez estar a olhar para a Terra e começar a pensar uau, isto é belo. Mas então disse a mim próprio, acaba de dizer disparates e vai mas é recolher pedras. Achávamos que a reflexão não era produtiva”, contou Bean à revista People em 1981.

A missão Apollo 12 começou com um susto. Pouco depois da descolagem, o foguete foi atingido por um raio, mas a tripulação conseguiu continuar o voo programado para a Lua. Bean e Conrad passaram mais de 31 horas na superfície da Lua, incluindo mais de 7 horas de trabalho fora do módulo lunar.

Em 1973, Bean comandou a missão Skylab II, a segunda missão tripulada ao famoso Skylab, primeira estação espacial dos EUA, que se despenhou na Terra em 1979, após 6 anos em órbita.

Bean nasceu a 15 de março de 1932, em Wheeler, no Texas. Tinha o sonho de se tornar um piloto, e começou a voar aos 17 anos. Formou-se em engenharia aeronáutica na Universidade do Texas, após o que foi contratado como oficial da Marinha dos EUA.

Bean foi treinado como piloto de testes da Marinha precisamente por Peter Conrad, o que, anos mais tarde, desempenhou um papel crucial na sua escolha para a missão Apollo 12. Alan Bean passou 69 dias, 15 horas e 45 minutos no espaço, antes de se retirar, em 1981.

Depois de deixar a NASA, o ex-astronauta dedicou-se à pintura, tendo criado várias obras que retratavam passeios na superfície lunar usando poeira e detritos trazidos da Lua.

ZAP // Sputnik News / NPR

PARTILHAR

RESPONDER

Motorista que conduziu Marcelo entre Lisboa e Porto mandou um e-mail. Foi investigado como "ameaça ao Estado"

O Governo recebeu um email a avisar que a greve dos motoristas ia provocar o caos, fazendo parar muitos serviços - e lembrando que assim caiu um governo no Chile. O executivo receou que fosse uma …

Marinho e Pinto quer Pardal Henriques como deputado do Partido Democrático Republicano

Ainda que não tenha confirmado Pedro Pardal Henriques como um dos cabeça-de-lista do partido que fundou, Marinho e Pinto não poupou elogios ao advogado do Sindicato de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) . “Seria um …

TAP vai deixar de contar para o défice orçamental

A 15 dias das eleições legislativas, o défice orçamental de 2018 vai ser revisto em baixa. Em causa estão os prejuízos da TAP que deixam de influenciar as contas nacionais. A alteração será comunicada a duas …

Imigrantes desesperam com atrasos no SEF. Bloco questiona Governo

As marcações para atendimento no SEF estão suspensas até ao final deste ano e não existem datas disponíveis nem agenda definida para 2020, levando muitos imigrantes a ficar em risco de irregularidade. A espera para conseguir …

Rui Rio esteve de cócoras a confecionar tapetes em Viana do Castelo. Mas quer país governado “bem de pé”

O líder do PSD, Rui Rio, esteve “de cócoras” a confecionar tapetes floridos em Viana do Castelo, na noite de segunda-feira, assumindo que aquela posição é desaconselhada para governar o país. Duzentos metros ao lado, António …

Empresa está há 12 anos à espera que o Fisco lhe devolva 86 mil euros

Uma empresa do sector alimentar está há 12 anos à espera que o Fisco lhe devolva 86 mil euros de uma caução paga no âmbito de uma queixa que apresentou contra a Autoridade Tributária (AT). …

Há medicamentos esgotados há mais de um ano. Doentes estão sem alternativas

Há várias farmácias com os medicamentos esgotados, segundo os dados que a Associação Nacional de Farmácias (ANF). Os hipertensos são dos que mais preocupam. Quem sofre de hipertensão e é medicado com Adalat tem, há pelo …

Homem com gasolina e arma de brincar sequestrou autocarro no Rio de Janeiro. Acabou abatido

Um homem armado fez vários reféns num autocarro no Rio de Janeiro, no Brasil. Identificando-se como polícia militar, o sequestrador entrou no veículo com gasolina e com uma arma que se veio a revelar ser …

Governo de Hong Kong anuncia plataforma de diálogo. Ativistas desconfiam

O Governo de Hong Kong anunciou a criação de uma "plataforma de diálogo" com "pessoas de todas as áreas sociais", dois dias depois do protesto pacífico que terá juntado 1,7 milhões de pessoas. Em conferência de …

Altice rompe contrato com o Estado e já não vai enterrar cabos nas zonas de risco de incêndio

A Altice Portugal denunciou o protocolo assinado com a Infraestruturas de Portugal, em 2017, para o enterramento de cabos de telecomunicações nas zonas de elevado risco de incêndio, alegando falta de "condições necessárias" para cumprir …