Os morcegos também se constipam (e podem contagiar os humanos)

Os cientistas descobriram pela primeira vez os vírus da gripe dos morcegos em 2012. Havia algo de estranho neles – a forma como infetavam as células do hospedeiro parecia ser diferente de outros vírus da gripe A.

Dado o receio em relação às doenças zoonóticas – aquelas que passam de animais para humanos, como a gripe das aves -, era necessário descobrir como estes vírus funcionavam o mais rápido possível.

Cientistas da Universidade de Zurique acabaram de ganhar essa corrida. Na revista Nature, os especialistas identificaram o gateway (“receptor”) que permite que o vírus da gripe do morcego entre nas células do hospedeiro e cause infeção. Infelizmente, este recetor também existe nas células de certos animais – incluindo nos humanos.

Os vírus da gripe infetam várias espécies de animais, ligando-se a uma molécula chamada ácido siálico nas células que revestem o trato respiratório destes animais. Recetores semelhantes são encontrados nas células do trato respiratório humano, especialmente nos pulmões – daí a disseminação da gripe suína e das aves.

No entanto, ao contrário dos vírus da pecuária, as duas classes de vírus da gripe dos morcegos descobertas em 2012 na América Latina não se ligam aos recetores do ácido siálico. Isto sugeriu que a gripe dos morcegos se liga e entra nas células de uma forma diferente dos vírus da gripe clássica.

Na nova investigação da Suíça, os cientistas descobriram que os vírus da gripe do morcego entram nas células do hospedeiro através das proteínas na superfície da célula chamadas MHC-II. A descoberta é alarmante porque estes recetores de proteína são muito semelhantes em várias espécies, incluindo ratos, porcos e galinhas.

Para descobrir como as células são infetadas com gripe do morcego, os investigadores compararam os genes que são ativados em células que são resistentes ou suscetíveis à infeção da gripe transmitida por morcego. Inicialmente, identificaram dez genes importantes. Cinco destes eram responsáveis por produzir proteínas associadas ao MHC-II.

De seguida, usaram uma técnica de edição do genoma para remover proteínas MHC-II da célula e notaram que a gripe dos morcegos não conseguiu entrar nas células.

As proteínas do MHC-II são encontradas na superfície de certas células do sistema imunológico e desempenham um papel importante na discriminação das estruturas do próprio organismo contra patógenos, como bactérias e vírus.

Como os porcos e galinhas são capazes de transmitir os vírus da gripe convencional para os seres humanos, os investigadores super-expressaram as proteínas do MHC-II de suínos e galinhas em células humanas. Essas células híbridas tornaram-se suscetíveis à gripe dos morcegos, o que sugere que o vírus poderia infetar galinhas e porcos.

Assim, parece que o vírus da gripe do morcego tem o potencial de infetar seres humanos diretamente ou através de outros animais. Mas, dada a limitada compreensão do MHC-II em morcegos, o papel biológico da proteína na transmissão da gripe dos morcegos ainda precisa de ser investigado.

Os morcegos constituem 20% de todos os mamíferos conhecidos e são portadores de mais de 60 patógenos humanos, incluindo os vírus Ébola, Sars e Nipah. Estes vírus foram transmitidos de morcegos para humanos, diretamente ou através de hospedeiros intermediários. Curiosamente, os vírus que podem espalhar-se e transmitir-se entre diferentes espécies de morcegos também podem espalhar-se rapidamente para as pessoas.

Não se sabe se os humanos já foram infetados com gripe dos morcegos no passado, mas esta investigação sugere que é possível. A descoberta de que a expressão de MHC-II nas células do trato respiratório permite que a gripe do morcego se replique sugere que o vírus pode ser transmitido aos seres humanos pelo ar.

Dada a presença de recetores MHC-II em diferentes órgãos, os vírus da gripe morcego podem ser disseminados pela saliva do morcego, pela urina ou pelas fezes.

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …