Moody’s vê adiamento da venda como fator “negativo” para o Novo Banco

A agência de notação Moody’s considera que o adiamento da venda do Novo Banco pelo Banco de Portugal “é negativo” para a instituição financeira porque se “corre o risco de adiar decisões-chave” tais como medidas de reestruturação.

Num comentário divulgado esta segunda-feira, a analista da Moody’s Pepa Mori refere que “o adiamento da venda do Novo Banco tem uma influência negativa de crédito para a instituição, porque a suspensão da operação introduz o risco de atrasar decisões-chave, tais como a implementação de medidas de reestruturação que iria melhorar o já muito fraco perfil de crédito do banco”.

Para a Moody’s, o adiamento da venda do Novo Banco “também aumenta o risco dos seus ativos se desvalorizarem caso não ocorra antes de agosto de 2016″, sendo que o BdP afirmou que a Comissão Europeia pode ainda prorrogar o prazo para além da data estipulada.

Além disso, o atraso na venda e “o perfil de crédito fraco persistente é suscetível de afetar o interesse dos investidores no banco e diminuir a probabilidade de que o Banco de Portugal venda a instituição a um preço satisfatório”.

O plano de resolução atual do Novo Banco prevê um prazo até agosto de 2016, 24 meses após a criação do Novo Banco, como uma instituição financeira de transição, após o colapso do antecessor Banco Espírito Santo.

Assim, Pepa Mori considera que se o Banco de Portugal não encontrar um comprador até agosto de 2016, os ativos não vendidos “teriam de ser revistos em baixa”, sendo que as autoridades “teriam de revogar a licença bancária do Novo Banco”.

A agência de notação adianta também que o atraso de venda do Novo Banco “é também negativo para o sistema bancário de Portugal, porque existe o desafio na obtenção de um preço de venda suficiente para reembolsar o Estado Português de um empréstimo de 4,5 mil milhões de euros que concedeu ao Fundo de Resolução, usado para recapitalizar o Novo Banco”.

Caso o empréstimo não seja totalmente reembolsado, a Moody’s diz que os bancos portugueses “poderiam ser obrigados a suportar um défice da venda, dado que são responsáveis pelo financiamento do Fundo de Resolução”.

Apesar de fazer progressos na desalavancagem, adianta Pepa Mori, “os resultados financeiros do primeiro semestre de 2015 do Novo Banco confirmaram as dificuldades enfrentadas pela instituição para preservar a sua base de capital, tendo em conta a possibilidade de uma deterioração da qualidade dos ativos e perdas em curso”.

“A capacidade de absorção de risco do banco continua fraca e é limitado pela sua incapacidade de aceder aos mercados dado o seu estatuto como um banco de transição público”, observa a analista, lembrando que a Comissão Europeia proíbe qualquer nova injeção de capital público no Novo Banco, “o que deixa o banco dependente de medidas de reestruturação para melhorar os seus rácios de solvência”.

Na terça-feira passada, o Banco de Portugal interrompeu o procedimento de venda do Novo Banco e vai começar a preparar uma nova operação de alienação do banco, disse o regulador em comunicado, acrescentando que “é intenção do Banco de Portugal retomar o processo de venda depois de serem removidos os principais fatores de incerteza relativos ao Novo Banco”.

Também o novo formato do modelo de venda não está definido e a única certeza que parece existir é que não seguirá o modelo que se mantinha até 14 de setembro.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Na Etiópia, os apagões da Internet afetam a vida de milhares de pessoas

A Internet desempenha um papel decisivo na transformação da vida de milhares de etíopes e é por isso que as paralisações têm um enorme impacto económico.  Entre janeiro e o final de março, os habitantes da …

É urgente moldar as áreas urbanas de África para suportar futuras pandemias

Quando o tema é a Covid-19, o poder das cidades provém do número de interações entre pessoas, empresas e mercados que estes centros populacionais permitem. Apesar de todas as suas virtudes, a verdade é que …

Incêndio em Chernobyl pode ter provocado valores de radiação acima do normal

Um fogo florestal atingiu este domingo a zona interditada da central nuclear de Chernobyl, mas as informações sobre o aumento dos níveis de radiação são contraditórias. O fogo já consumiu 100 hectares de floresta, disse Yehor …

Em pânico, os norte-americanos estão a comprar pintainhos para lidar com a pandemia

Todo o mundo está a ser afetado pela pandemia de covid-19, tendo os norte-americanos, inicialmente, corrido aos supermercados para comprar o máximo de papel higiénico possível. Porém, agora, o produto é outro. De acordo com o …

20 anos depois, aldeias no Peru ainda sofrem com derrame de mercúrio

Em junho de 2000, um camião derramou mercúrio, da mina de ouro Yanacocha, a maior da América Latina, em três aldeias do Peru. 20 anos depois, os moradores ainda sofrem as consequências deste acidente. Quando Francisca …

Caso BPP. Ex-banqueiro João Rendeiro acusado de nova burla

O Ministério Público (MP) acusou o ex-presidente e fundador do BPP, João Rendeiro, de mais um crime de burla qualificada no caso BPP, segundo avança o Correio da Manhã. A acusação relaciona-se, de acordo com o …

EUA "confiscam" na Tailândia 200 mil máscaras que iam para a Alemanha

A polícia de Berlim, na Alemanha, encomendou 200 mil máscaras cirúrgicas a uma empresa americana. Porém, foram "confiscadas" em Banguecoque, na Tailândia, e desviadas para os Estados Unidos. O ministro do Interior de Berlim considerou o …

Valência chega a acordo com Diogo Leite. Saída do FC Porto estará quase consumada

O Valência tem 20 milhões de euros para oferecer ao FC Porto em troca do defesa-central Diogo Leite, com quem já terá chegado a acordo. De acordo com o jornal desportivo A Bola, Diogo Leite já …

Jornais espanhóis fazem boicote às "conferências-farsas" do Governo

Os jornais espanhóis, como o Libertad Digital, o El Mundo, o ABC e o Vozpópuli, estão a boicotar as conferências de imprensa do governo de Espanha, acusando-o de filtrar as perguntas dos meios de comunicação. Tudo começou …

Número diário de óbitos desce em Espanha. Mais um campo de refugiados grego em quarentena

Em Espanha, o número diário de óbitos por infeção de covid-19 tem mantido uma tendência de subida. Já na Alemanha, há menos casos, mas mais mortes. Espanha continua a manter a tendência de descida do número …