Mistério na Austrália. A identidade desta cidade repousa num navio português que pode não existir

(h) Warrnambool Art Gallery

A Costa do Naufrágio, em Victoria, Austrália, é um trecho dramático de 128 quilómetros de penhascos recortados e desfiladeiros profundos, formações calcárias e dunas altas. Estima-se que cerca de 700 navios naufragaram ao longo da costa entre meados do século XVIII e início do século XIX, período conhecido como a Idade de Ouro da vela.

Muitos dos navios ainda são visíveis: cascos descoloridos pelo Sol rompem as ondas e as âncoras corroem na praia. Apenas em Warrnambool, a maior cidade da costa, 29 naufrágios jazem no fundo da baía. De acordo com o Atlas Obscura, acredita-se que um desses navios naufragados seja uma caravela portuguesa do século XVI, conhecida como “Mahogany Ship” ou “Barco de Mogno”. Porém, esse navio pode nem existir.

“Em 1836, dois homens que trabalhavam numa estação baleeira em Port Fairy estavam a caminhar ao longo das dunas de areia e viram em algum lugar nas dunas um naufrágio muito antigo”, disse Pat Connelly, fundador e presidente do Comité do Mahogany Ship, uma organização independente de indivíduos dedicado a provar a existência do naufrágio.



O naufrágio foi avistado várias vezes. Testemunhas descreveram-no como construído a partir de uma madeira escura suficientemente dura para quebrar a lâmina de uma faca, com um casco de fundo plano e largo, ao contrário das embarcações que navegavam regularmente nas prósperas cidades portuárias de Victoria.

Anciãos aborígenes Gunditjmara alegaram que o naufrágio estava lá há tanto tempo que fazia parte das suas Trilhas do Tempo dos Sonhos – trilhas antigas que ligam fontes de água, locais de acampamento e locais sagrados.

Alguns afirmavam que era um bote baleeiro, outros acreditavam que era lixo chinês ancestral. Uma possibilidade sustentava que o naufrágio era um navio pilotado por condenados que escaparam da Terra de Van Diemens (atual Tasmânia).

Em 1876, o residente de Port Fairy e capitão da milícia britânica, John Mason, escreveu uma carta, descrevendo a sua primeira visita aos destroços cerca de 30 anos antes. Mason especulou que o navio foi construído em mogno, marcando a primeira vez que a palavra foi associada ao naufrágio.

Mason lembrava-se de uma conversa que teve com Samuel W. McGowan, então superintendente-geral de telégrafos, na qual McGowan o informou que o naufrágio era “de uma frota de navios dos descobrimentos portugueses ou espanhóis, um deles separou-se dos outros durante uma tempestade e nunca mais se ouviu falar dele”.

“Não havia provas, mas a palavra espalhou-se”, contou Connelly. As pessoas correram para as dunas, atormentadas pelas riquezas incalculáveis supostamente a bordo. Porém, em 1880, os destroços desapareceram, soterrados por areias movediças da praia.

Em 1977, a teoria portuguesa foi ressuscitada por um livro chamado The Secret Discovery of Australia, escrito pelo advogado e historiador Kenneth McIntyre. O autor afirmou que o barco fazia parte de um trio de caravelas de Cristóvão de Mendonça em 1522 numa exploração secreta em águas controladas pelos espanhóis.

Ironicamente, os navios estavam em busca de outro conhecimento marítimo: a lendária ilha de ouro de Marco Polo, Jave la Grande. De acordo com McIntyre, Mendonça mapeou com sucesso a costa leste de Jave la Grande antes de mudar o rumo para casa, após o navio Mahogany ter afundado numa tempestade perigosa.

As reivindicações de McIntyre baseavam-se num mapa do século XVI conhecido como Dauphin, que retrata Jave la Grande. “McIntyre viu que havia uma curva incomum no lado direito de Jave la Grande e acreditava que representava a costa leste da Austrália”, explicou Connelly.

A nova teoria simultaneamente revigorou o mistério e mergulhou-o em controvérsia. Se as afirmações de McIntyre fosse verdadeiras, isso significaria que os portugueses chegaram à Austrália mais de 100 anos antes do navegador holandês Willem Janszoon contactar com os aborígenes australianos e mapear a costa leste, 250 anos antes do Capitão Cook. Essa descoberta iria reescrever a história do país.

Porém, “nenhum mapa foi encontrado a descrever essa jornada. Nenhum registo do capitão, certamente nenhuma evidência física. Não há nada que realmente apoie a teoria de que há aqui um navio português”, disse Connelly.

Apesar disso, o livro de McIntyre esteve nas listas de leitura das escolas australianas durante anos e, em 1983, o Governo português nomeou-o Comandante da Ordem do Príncipe Henrique, o Navegador, uma honra semelhante à cavalaria.

Portugal estendeu a gratidão a Warrnambool, presenteando a cidade com um padrão – um pilar de pedra usado pelos exploradores portugueses para marcar novas reivindicações de terras – e bustos dos seus exploradores mais famosos, Vasco da Gama e o Príncipe Henrique, o Navegador.

Warrnambool acolhe um festival cultural português a cada dois anos.

“Desde a década de 1880, houve cerca de 180 alegações sérias de que partes dos destroços tinham sido encontradas”, disse Connelly. “O que precisamos é do navio de onde vem a madeira. Ainda estamos à procura.”

O arqueólogo amador Robert Simpson foi o primeiro a usar imagens de satélite na busca pelo indescritível naufrágio. No Google Earth, Simpson avistou várias formações não naturais nas dunas de Warrnambool. “Conseguia ver o contorno de objetos feitos pelo homem que eram simétricos”, disse Simpson, que acredita que o “Navio de Mogno” é um termo coletivo para vários naufrágios de origem desconhecida.

O radar de penetração no solo parecia confirmar a sua teoria, detetando estranhas anomalias nas profundezas da areia, e levou Simpson a concluir que havia identificado três naufrágios em terra previamente desconhecidos.

Embora promissora, a busca terminou sem nenhum achado importante. “Parece provável que quaisquer restos de um navio de alto mar seriam encontrados num nível muito mais profundo”, afirmou Simpson.

Quer seja uma caravela ou um barco a remo, o Barco de Mogno permanece como um símbolo da era romântica da aventura e da exploração.

  Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rui Rio, presidente do PSD

Rio apresenta recandidatura. "Seria muito prejudicial para o país se o PSD mudasse agora de líder"

O presidente do PSD apresentou, esta sexta-feira, na cidade do Porto, a sua recandidatura à liderança, tendo considerado que "seria muito prejudicial", não só para o país como para o partido, mudar agora de líder. Rui …

"Conquistem a vaga no relvado": aviso à UEFA sobre a nova Liga dos Campeões

Associação das Ligas Europeias contra vagas garantidas para clubes que não terminarem o campeonato nacional num dos primeiros lugares. A reunião da Associação das Ligas Europeias de futebol terminou com o reforço de posições públicas contra …

Bloco diz que as suas nove propostas foram rejeitadas. Governo aponta avanços em sete

O Bloco considerou, esta sexta-feira, que o Governo recusou as suas nove propostas para chegar a acordo no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). O Executivo, por sua vez, considera que há avanços negociais em …

Comissão de inquérito ao Novo Banco. PSD frisa "maioria popular", PS queixa-se de "partidarite"

Os partidos apreciaram, esta sexta-feira, o relatório final da comissão de inquérito ao Novo Banco, aprovado em julho, com o PSD a destacar a "maioria popular" nas conclusões e o PS a criticar a "partidarite" …

"Falta de respeito". Patrões abandonam Concertação Social e pedem audiência a Marcelo

As quatro confederações patronais suspenderam, esta sexta-feira, a sua participação nas reuniões da Concertação Social e decidiram solicitar uma audiência ao Presidente da República, perante a "desconsideração do Governo pelos parceiros sociais" na discussão sobre …

Parlamento aprova diplomas para alargar gratuitidade das creches e "direito ao esquecimento"

O Parlamento aprovou, esta sexta-feira, um projeto-lei para o alargamento da gratuitidade das creches e de soluções equiparadas e ainda um diploma que consagra o "direito ao esquecimento". A Assembleia da República aprovou um projeto-lei do …

Costa está muito empenhado num acordo pelo OE, mas não "a qualquer preço"

O primeiro-ministro disse, esta sexta-feira, que o Governo vai fazer tudo ao seu alcance para chegar a um acordo sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), mas advertiu que "um acordo não se obtém …

Evergrande escapa por um triz ao default e garante o pagamento de juros de 71.7 milhões de euros

A gigante imobiliária chinesa conseguiu cumprir com o pagamento dos juros no limiar do fim da extensão do prazo. No entanto, persistem os receios sobre a possibilidade da crise na China contagiar a economia mundial. A …

Pessoas a andar na rua em Viena, Áustria

Em caso de apagão geral, Áustria é o primeiro país europeu a ter um Plano B(lackout)

E se houvesse um apagão que afetasse todo o continente europeu? O cenário é o argumento que o Ministério da Defesa austríaco tem usado para enviar um aviso à população desde o início deste mês. A …

Só um terço das empresas em Portugal têm gestores com um curso superior

O estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos refere que este valor é negativo para o país já que a formação superior dos gestores está associada à produtividade e há maior probabilidade da empresa começar …