Míssil russo atinge centro comercial ucraniano. Há pelo menos 10 mortos

Anton Gerashchenko / Twitter

Ataque ao centro comercial em Kremenchuk.

Um míssil russo atingiu hoje um centro comercial na cidade de Kremenchuk, no centro da Ucrânia, onde se encontravam mais de mil pessoas.

De acordo com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, pelo menos 10 pessoas morreram e 40 ficaram feridas.

O ataque russo com mísseis num centro comercial em Kremenchuk terá morto, pelo menos, 10 pessoas e feito 40 feridos, de acordo com fontes oficiais do governo ucraniano, segundo o jornal britânico The Guardian.

“Os ocupantes dispararam foguetes no centro comercial, onde havia mais de mil civis. O centro comercial está a arder, os socorristas estão a combater o fogo, o número de vítimas é impossível de imaginar”, escreveu Zelenskyy no Telegram, citado pela agência Ukrinform.

O presidente ucraniano acompanhou ainda o texto com um vídeo no qual se vê algumas pessoas num parque de estacionamento ao ar livre a olhar para um edifício em chamas e muito fumo.

As imagens da destruição nesta cidade industrial da Ucrânia estão a ser partilhadas na rede social Twitter, que mostram o edifício em chamas.

No Twitter do assessor do Ministro da Administração Interna da Ucrânia foi partilhado um vídeo que mostra o edifício em chamas.

O assessor partilhou também imagens do exterior do centro comercial, onde se vêm os bombeiros a combater as chamas. E, na mesma publicação, reforça a necessidade de “armamento e de sistemas modernos de defesa aérea“.

Segundo Zelenskyy, o centro comercial não representava qualquer perigo para as forças russas, nem qualquer valor estratégico.

“É apenas uma tentativa das pessoas de viverem uma vida normal, o que enfurece tanto os ocupantes. A Rússia continua a colocar a sua impotência sobre os cidadãos comuns. É inútil esperar por humanidade da sua parte“, acrescentou.

A mesma informação foi divulgada pelo governador da região de Poltava, Dmytro Lunin, a que pertence Kremenchuk, segundo a agência francesa AFP.

  Alice Carqueja, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.