Ministra da Saúde avisa que Portugal pode chegar aos 37 mil novos casos diários na primeira semana de Janeiro

1

Rodrigo Antunes / Lusa

Marta Temido garante também que a linha SNS24 vai ser reforçada e afirma que os novos casos da Ómicron duplicam-se a “cada oito dias”.

Em entrevista à SIC Notícias, a Ministra da Saúde traçou as previsões para a pandemia no início do próximo ano.

“Vale a pena sublinhar que iremos atingir os 37 mil casos na primeira semana de janeiro. Portanto estamos perante aquilo que tínhamos referido que era o impacto previsível desta variante Ómicron, com uma ‘parede’ de casos como têm enfrentado outros sistemas de saúde como Inglaterra ou Dinamarca”, afirmou Marta Temido.

Estas declarações surgem no mesmo dia em que Portugal bateu o recorde de novas infecções diárias desde o início da pandemia. Houve nas últimas 24 horas mais 17 172 novos casos de covid-19 e 19 pessoas perderam a vida com a doença.

Só estava previsto chegarmos a estes números amanhã, mas a Ministra refere que os valores se enquadram nas estimativas dos especialistas.

“Aquilo que estamos a verificar está em linha com aquilo que eram a estimativas que dispúnhamos, designadamente os modelos de modelação epidemiológica do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, embora estejamos com uma ligeira aceleração face àquilo que eram as estimativas. Nós estimávamos atingir este número no dia 29 de dezembro e atingimo-lo ontem“, esclareceu.

O grande aumento de casos das últimas semanas deve-se à variante Ómicron, que é “muito mais transmissível e que se está a duplicar a cada oito dias“, disse mais tarde em declarações à RTP3.

A responsável pela pasta da Saúde confessa que o grande aumento de novos casos está a colocar os hospitais sobre “uma enorme pressão“. “Está a colocar-nos todos à prova e está a traduzir-se numa enorme pressão no funcionamento de alguns dos nossos serviços, designadamente das linhas de contacto, dos inquéritos epidemiológicos”, afirmou.

Mesmo assim, Temido reforça que os especialistas estão a trabalhar para terem a certeza de que os hospitais vão conseguir responder à situação e lembra que a vacinação permitiu que, por enquanto, a pressão não se sinta tanto nos internamentos e e nos cuidados intensivos.

Têm também havido muitas queixas sobre horas de espera para quem liga para a linha SNS24, que está sob imensa pressão. “Estamos a fazer mudanças nos algoritmos da linha para permitir acompanhar esta nova fase”, garante a Ministra da Saúde, que acrescenta que vão ser abertos mais call centers e os actuais vão ser reforçados devido aos “vários milhares de chamadas” que a linha recebe.

“Na mesma forma que numa outra fase da pandemia nós sabíamos que nenhum sistema tinha uma elasticidade infinita que permitisse garantir uma cama de cuidados intensivos a todos, agora nesta fase temos um sistema que também não tem uma elasticidade infinita que permita atender o telefone de todos ao mesmo tempo”, concluiu.

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE