Ministra da Justiça defende acompanhamento de endividados e penalização de credores

Manuel de Almeida / Lusa

A Ministra da Justiça, Francisca Van Dunem

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, defende a criação de mecanismos que permitam identificar e acompanhar consumidores endividados e a penalização de entidades que concedem créditos a pessoas sem condições de os pagar.

A titular da pasta da Justiça, Francisca Van Dunem, defendeu em entrevista à Antena 1 e ao Negócios “alguma penalização” para as entidades que concedem créditos a pessoas sem condições de os pagar, não obstante terem sido “devidamente alertadas” para essa situação.

Essa penalização seria dada no momento em que essas entidades pretendessem reaver os créditos. “É possível encontrarmos um mecanismo que permita publicitar junto das entidades que normalmente concedem crédito a situação daquela pessoa, para que essas entidades possam fazer uma avaliação mais adequada“, admitiu.

Segundo a ministra, “há vários modelos de resposta” para o endividamento familiar, como a criação de conselhos do consumidor ou de um sistema de “alertas precoces” de consumidores que “estão em situação de endividamento” e “em risco de ver agravada a sua situação”.

“A lógica é encontrarmos mecanismos que permitam precocemente identificar situações de consumidores que estejam em risco de deixar de poder cumprir as suas obrigações e, relativamente a esses, encontrar modelos de acompanhamento e modelos de restruturação das dívidas que já tenham”, referiu.

Van Dunem assinalou que eventuais medidas serão tomadas pelo Ministério da Justiça em articulação com outros ministérios, nomeadamente com o das Finanças. “A nossa lógica é percebermos o que se está a passar e adotarmos as providências que nos pareçam adequadas”, afirmou.

Na entrevista, a ministra abordou ainda a questão das taxas de justiça, afirmando que só podem baixar se forem encontradas outras fontes de financiamento, “dentro da Justiça ou no quadro do Orçamento Geral do Estado”.

“A redução das taxas de justiça a existir vai implicar que se encontre outras fontes de financiamento. Estamos a tentar encontrar respostas dentro deste modelo que consigam, acomodar as duas pretensões: reduzir as taxas de justiça e encontrar fontes de funcionamento”.

// Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Convém ler a notícia inteira antes de comentar. Penalizar é a quem empresta sem verificarem se esses terão condições de pagar.

    • Caro Nuno.
      Então quem vai pedir emprestado não é responsável pelo que faz?
      Se dissese que as entidades que emprestam deveriam ser criminalizadas por não darem DETALHADAMENTE todas as informações, estaria certo.
      Contudo, e a não ser que a pessoa que solicita um empréstimo tenha alguma deficiência mental ou cognitiva, deve ser responsabilizada pelo que faz. Principalmente pelo que pede emprestado.
      Infelizmente este governo anda a brincar, pois um governo responsável se preocuparia em criminalizar que é irresponsável e em ajudar que é responsável (pois infelizmente a muitas pessoas que têm empréstimos e que querem responsavelmente pagar, mas que por problemas da vida não conseguem e não têm ninguém que os ajude a conseguir).
      Acredite que quando Portugal não conseguir pagar a dívida externa, ninguém vai dizer que a culpa foi de quem emprestou!!!

  2. Caro Alves, posso não ter sido muito claro, mas tanto o seu comentário como o anterior parece-me que falta uma leitura mais atenta de toda a notícia. Em lado nenhum é dito que os devedores não são responsáveis.

    A notícia refere é que as entidades que concedem credito TAMBÉM deverão ter a sua responsabilidade, pois devem assegurar de que essas pessoas estão em condições de poderem pagar, começando por verificar nas listagem de devedores e de situações em risco de falharem com os seus compromissos.

    Dando um exemplo: um estranho aborda-o e pede-lhe crédito emprestado. Se lhe conceder sem verificar antes um conjunto de situações e sem ter algumas salvaguardas, sabe bem que a consequência é talvez nunca mais voltar a ver esse dinheiro. Claro que quem lhe deve está em incumprimento. Mas se lhe concedeu sem ter algumas “garantias”, também teve responsabilidade e a consequência pode ser perder o dinheiro para sempre.

    Actualmente apenas o devedor é culpado de tudo desde início. Nesta proposta refere que o credor, no acto inicial de conceder dinheiro a alguém, teria de verificar um conjunto de condições prévias de garantias. Senão, terá de ser responsabilizado também se algo falhar.
    Isto para mim faz sentido.

RESPONDER

Governo vira-se para Rio para mudar a lei e garantir o novo aeroporto

O Governo está a preparar uma alteração à Lei para evitar que o projecto do novo aeroporto do Montijo seja chumbado. Uma medida que passará, necessariamente, pela necessidade de um entendimento entre PS e PSD …

"Entretenimento saudável". Santa Casa desvaloriza estudo sobre raspadinhas

O Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desvalorizou a investigação da Universidade do Minho que aponta para o vício das raspadinhas. Esta sexta-feira, um artigo científico publicado na The Lancet alertou para …

"Diga-lhe para ligar ao FBI". Autocarro com a cara do príncipe André circula em Londres

Um autocarro escolar, com a cara do príncipe André, andou a circular por Londres, esta sexta-feira, numa campanha da advogada Gloria Allred para pressionar o filho da Rainha a falar com o FBI. Esta sexta-feira, um autocarro …

Suspeito de terrorismo ouvido em tribunal (com o juiz a recusar ver os seus vídeos por não ter Internet)

O arguido Rómulo Costa, um dos oito portugueses acusados por financiamento ao terrorismo e recrutamento, adesão e apoio ao Estado Islâmico, foi interrogado, esta sexta-feira, na fase de instrução do processo que vai decorrer no …

FC Porto recorre do castigo de um jogo à porta fechada

O FC Porto vai recorrer do castigo de um jogo à porta fechada, aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por ofensa a um agente desportivo. "O FC Porto vai recorrer …

Moita Flores investigado por corrupção. Antigo PJ fala em "coincidência" com empréstimo aos filhos

Francisco Moita Flores, antigo inspector da Polícia Judiciária e ex-presidente da Câmara de Santarém, está a ser investigado por suspeitas de corrupção. Há transferências de dinheiro de uma construtora para empresas a que esteve ligado …

SOS Animal vai constituir-se assistente no processo contra João Moura

A SOS Animal anunciou, esta sexta-feira, que se vai constituir assistente no processo criminal contra o cavaleiro tauromáquico detido, na quarta-feira, por suspeitas de maus-tratos a cães em Monforte, no distrito de Portalegre. Em comunicado, a SOS …

SMS de Rangel revelam teia de corrupção na Relação de Lisboa. Juiz Vaz das Neves tem empresa contra a lei

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, que foi constituído arguido na Operação Lex, tem uma empresa que se dedica à arbitragem extrajudicial de conflitos, o que constitui uma violação …

Presidente da PwC esteve em Lisboa para controlar danos do Luanda Leaks

O presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC) esteve em Lisboa, há duas semanas, para controlar os danos provocados pelo caso Luanda Leaks. Bob Moritz, presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC), esteve em Lisboa, há duas semanas, para perceber até …

CM Lisboa vai negociar avenças em parques para moradores da envolvente da Baixa

O presidente da Câmara de Lisboa afirmou, esta sexta-feira, que a autarquia irá tentar acordar com os operadores dos parques de estacionamento da envolvente da Zona de Emissões Reduzidas da Baixa-Chiado a criação de "avenças …