Ministra da Justiça defende acompanhamento de endividados e penalização de credores

Manuel de Almeida / Lusa

A Ministra da Justiça, Francisca Van Dunem

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, defende a criação de mecanismos que permitam identificar e acompanhar consumidores endividados e a penalização de entidades que concedem créditos a pessoas sem condições de os pagar.

A titular da pasta da Justiça, Francisca Van Dunem, defendeu em entrevista à Antena 1 e ao Negócios “alguma penalização” para as entidades que concedem créditos a pessoas sem condições de os pagar, não obstante terem sido “devidamente alertadas” para essa situação.

Essa penalização seria dada no momento em que essas entidades pretendessem reaver os créditos. “É possível encontrarmos um mecanismo que permita publicitar junto das entidades que normalmente concedem crédito a situação daquela pessoa, para que essas entidades possam fazer uma avaliação mais adequada“, admitiu.

Segundo a ministra, “há vários modelos de resposta” para o endividamento familiar, como a criação de conselhos do consumidor ou de um sistema de “alertas precoces” de consumidores que “estão em situação de endividamento” e “em risco de ver agravada a sua situação”.

“A lógica é encontrarmos mecanismos que permitam precocemente identificar situações de consumidores que estejam em risco de deixar de poder cumprir as suas obrigações e, relativamente a esses, encontrar modelos de acompanhamento e modelos de restruturação das dívidas que já tenham”, referiu.

Van Dunem assinalou que eventuais medidas serão tomadas pelo Ministério da Justiça em articulação com outros ministérios, nomeadamente com o das Finanças. “A nossa lógica é percebermos o que se está a passar e adotarmos as providências que nos pareçam adequadas”, afirmou.

Na entrevista, a ministra abordou ainda a questão das taxas de justiça, afirmando que só podem baixar se forem encontradas outras fontes de financiamento, “dentro da Justiça ou no quadro do Orçamento Geral do Estado”.

“A redução das taxas de justiça a existir vai implicar que se encontre outras fontes de financiamento. Estamos a tentar encontrar respostas dentro deste modelo que consigam, acomodar as duas pretensões: reduzir as taxas de justiça e encontrar fontes de funcionamento”.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Convém ler a notícia inteira antes de comentar. Penalizar é a quem empresta sem verificarem se esses terão condições de pagar.

    • Caro Nuno.
      Então quem vai pedir emprestado não é responsável pelo que faz?
      Se dissese que as entidades que emprestam deveriam ser criminalizadas por não darem DETALHADAMENTE todas as informações, estaria certo.
      Contudo, e a não ser que a pessoa que solicita um empréstimo tenha alguma deficiência mental ou cognitiva, deve ser responsabilizada pelo que faz. Principalmente pelo que pede emprestado.
      Infelizmente este governo anda a brincar, pois um governo responsável se preocuparia em criminalizar que é irresponsável e em ajudar que é responsável (pois infelizmente a muitas pessoas que têm empréstimos e que querem responsavelmente pagar, mas que por problemas da vida não conseguem e não têm ninguém que os ajude a conseguir).
      Acredite que quando Portugal não conseguir pagar a dívida externa, ninguém vai dizer que a culpa foi de quem emprestou!!!

  2. Caro Alves, posso não ter sido muito claro, mas tanto o seu comentário como o anterior parece-me que falta uma leitura mais atenta de toda a notícia. Em lado nenhum é dito que os devedores não são responsáveis.

    A notícia refere é que as entidades que concedem credito TAMBÉM deverão ter a sua responsabilidade, pois devem assegurar de que essas pessoas estão em condições de poderem pagar, começando por verificar nas listagem de devedores e de situações em risco de falharem com os seus compromissos.

    Dando um exemplo: um estranho aborda-o e pede-lhe crédito emprestado. Se lhe conceder sem verificar antes um conjunto de situações e sem ter algumas salvaguardas, sabe bem que a consequência é talvez nunca mais voltar a ver esse dinheiro. Claro que quem lhe deve está em incumprimento. Mas se lhe concedeu sem ter algumas “garantias”, também teve responsabilidade e a consequência pode ser perder o dinheiro para sempre.

    Actualmente apenas o devedor é culpado de tudo desde início. Nesta proposta refere que o credor, no acto inicial de conceder dinheiro a alguém, teria de verificar um conjunto de condições prévias de garantias. Senão, terá de ser responsabilizado também se algo falhar.
    Isto para mim faz sentido.

RESPONDER

Esquemas de Wall Street alimentaram a crise de 2008. Está a voltar a acontecer o mesmo

Bancos têm erroneamente relatado dados de rendimento inflacionados que comprometem a integridade dos valores imobiliários resultantes. Foi há mais de 12 anos que foi anunciada a falência do Lehman Brothers, o quarto maior banco de investimento …

Chelsea e Manchester City preparam-se para sair da Superliga Europeia

Os dois clubes ingleses estão a preparar-se para se retirar formalmente da Superliga Europeia, avança, esta terça-feira, a imprensa britânica. O jornal The Guardian avançou, tal como a generalidade da imprensa britânica, que o Chelsea e …

Rússia planeia clonar e "ressuscitar" um exército cita com 3.000 anos

Há duas décadas, arqueólogos da Sibéria encontraram os restos mortais de guerreiros citas com três mil anos com os seus cavalos na República de Tuva. Agora, a Rússia quer cloná-los. O ministro da Defesa da Rússia …

Levantada imunidade parlamentar a António Gameiro, suspeito na Operação Triângulo

A comissão de Transparência aprovou, esta terça-feira, um relatório favorável ao levantamento da imunidade parlamentar ao deputado António Gameiro (PS), envolvido na "Operação Triângulo". A decisão foi tomada por unanimidade na reunião desta terça-feira da comissão …

Medina confirma que ex-vereador Manuel Salgado é um dos visados na investigação da PJ

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa confirmou, esta terça-feira, que um dos visados na investigação da Polícia Judiciária (PJ) a suspeitas de crimes de abuso de poder e corrupção é o ex-vereador do Urbanismo …

Jeff Bezos quer transformar a Amazon no "melhor empregador da Terra"

O CEO da Amazon admitiu que é preciso fazer mais pelos trabalhadores e revelou que um dos seus principais objetivos é fazer da empresa "o melhor empregador da Terra". As más condições de trabalho a que …

Montenegro "hipotecou-se" à China (e agora quer a ajuda da Europa para se libertar)

Montenegro aceitou um empréstimo gigante da China para construir uma rodovia. Agora, o minúsculo país montanhoso quer ajuda da União Europeia (UE) para pagar a dívida. A situação em Montenegro é o mais recente conflito numa …

Punir os 12 clubes da Superliga Europeia? O tiro pode sair pela culatra

A UEFA ameaça punir os clubes que participem na Superliga Europeia. No entanto, tomar medidas precipitadas pode fazer com que o tiro saia pela culatra. O mundo do futebol foi abalado pelo anúncio de uma Superliga …

Criados 280 postos para vacinar 100 mil pessoas por dia

Duzentos e oitenta postos de vacinação rápida e de resposta reforçada estão a ser criados em todo o país para se conseguir vacinar 100 mil pessoas por dia, disse esta terça-feira à agência Lusa o …

Portugal e França promovem intercâmbio de árbitros nas ligas profissionais

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou, esta segunda-feira, que vai promover, juntamente com a Federação Francesa de Futebol (FFF), um intercâmbio de árbitros. "Portugal e França vão promover um intercâmbio de árbitros no seguimento do …