Ministério toma medidas para responder ao “crescimento brusco” da procura da linha SNS 24

Continua a ser difícil ligar para a linha SNS 24. Há registo de utentes que estiveram cerca de sete horas à espera de serem atendidos.

Nos últimos dias, houve relatos de utentes que ficaram várias horas à espera de serem atendidos pela linha SNS 24 e, em alguns casos, o atendedor automático até pede para que desliguem e tentem mais tarde.

“A linha está com elevada procura. Aconselhamos que desligue e ligue mais tarde”, é a mensagem reproduzida.

A linha continua a estar muito pressionada e, segundo o jornal online Observador, este domingo houve utentes que estiveram cerca de sete horas à espera de serem atendidos.

Confrontados pelo jornal digital, os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) – que gerem a linha SNS 24 – falaram num “crescimento muito acentuado e brusco da procura da linha” e anunciaram novas medidas para evitar a rutura deste serviço.

Entre as novas medidas estão, por exemplo, a “revisão de alguns algoritmos para elevar a sua eficiência”, uma “adoção mais alargada de soluções de atendimento automatizado” e a “abertura de novos call centers para beneficiar de recursos humanos disponíveis noutras regiões”.

Os SPMS abriram um novo call center em Coimbra na semana passada e está a ser preparada a abertura de outros, “designadamente já em janeiro em Beja”, anunciaram.

Além disso, os serviços destacam que o Ministério da Saúde vai investir na “formação e contratação de novos profissionais, perfazendo neste momento cerca de cinco mil, maioritariamente enfermeiros, mas também psicólogos, farmacêuticos, médicos-dentistas, administrativos, intérpretes de Língua Gestual Portuguesa e estudantes de medicina do sexto ano”.

Os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde não revelam quantas chamadas têm ficado por atender, mas informaram que entre os dias 1 e 25 de dezembro foram emitidas quase 225 mil requisições de testes à covid-19, das quais mais de 87 mil na última semana (12.390 só no dia de Natal).

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.