Militares e chavistas agrediram opositores que questionavam Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela

Cristian Hernández / EPA

Agentes da Polícia Nacional Bolivariana em formação contra opositores em protestos pelo referendo na Venezuela

Agentes da Polícia Nacional Bolivariana em formação contra opositores em protestos pelo referendo na Venezuela

Militares e motociclistas armados agrediram esta quinta-feira um grupo de 60 deputados da oposição venezuelana que pretendiam exigir ao Conselho Nacional Eleitoral o anúncio da data para verificação das assinaturas a favor dum referendo revogatório ao Presidente Nicolás Maduro.

Segundo indicaram fontes parlamentares à Agência Lusa, os deputados encontravam-se nas proximidades do CNE quando Júlio Borges, chefe da bancada da aliança opositora Mesa de Unidade Democrática, foi atacado e ferido no rosto por coletivos de chavistas armados que ali se encontravam.

Os coletivos agrediram ainda com tacos de basebol os opositores Alfonso Marquina e José Manuel Olivares, entre outros deputados.

A agressão teve lugar depois de oficiais da Guarda Nacional Bolivariana, a polícia militar venezuelana, e da Polícia Nacional Bolivariana, terem usado gás pimenta, bombas de gás lacrimogéneo e tiros de borracha para impedir os deputados de entrarem nas instalações do CNE.

Pouco antes do deputado Júlio Borges, explicou aos jornalistas que acudiam “em paz” ao CNE, porque tinham “40 dias esperando” que aquele organismo “anuncie as datas para a validação das assinaturas para ativar o referendo revogatório contra o Presidente Nicolás Maduro”.

“Estamos aqui em representação dos oito milhões de pessoas que votaram pela Assembleia Nacional e pelos dois milhões de pessoas” que assinaram a favor do referendo, declarou, acrescentando que “não é possível que os venezuelanos estejam cercados” e não possam exigir os seus direitos.

Ensanguentado depois da agressão, Júlio Borges declarou que “cada golpe” fortalece a oposição, que não desistirá da vontade de mudar o Governo da Venezuela.

Miguel Gutierrez / EPA

Protestos pelo referendo na Venezuela

Protestos pelo referendo na Venezuela

O parlamentar acusou o general Fábio Zavarse, chefe da GNB, de impedir a entrada dos deputados no CNE e de “empurrar os parlamentares contra grupos de chavistas armados, que os golpearam “com tubos, pedras e engenhos explosivos”.

Entretanto, funcionários da GNB e da PNB reprimiram uma manifestação de estudantes em Caracas, que ao som de “revogatório já” pretendiam chegar ao CNE para exigir a realização do referendo.

A oposição venezuelana anunciou na segunda-feira que representantes do CNE indicaram que tinham sido validadas 1,3 milhões das 1,8 milhões de assinaturas recolhidas pela oposição para pedir a convocação de um referendo, processo para o qual era necessário menos de 200 mil assinaturas.

Ainda não houve nenhuma posilção oficial do CNE nesse sentido, apesar de informações não oficiais darem conta de que aquele organismo emitiria um comunicado na última quarta-feira.

A oposição acusa o CNE de estar aliado ao regime do Presidente Nicolás Maduro e de atrasar intencionalmente o processo para evitar que exista referendo revogatório ainda em 2016.

Se o referendo não se realizar em 2016, não será necessária a convocatória de eleições presidenciais antecipadas, prevendo a legislação que o vice-presidente Executivo dirija o país até ao final do atual mandado, que termina em 2019.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …