Milhares em Londres pediram um segundo referendo ao Brexit

Andy Rain / Epa

Manifestantes pró-União Europeia protestaram este sábado contra o Brexit

O centro de Londres encheu-se este sábado de milhares de pessoas que se manifestaram  por um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia. “Queremos ter a palavra sobre o ‘brexit’”, gritou-se.

Dois anos depois da primeira consulta na qual os britânicos aprovaram o ‘brexit’, este sábado milhares de pessoas desfilam no centro de Londres a pedir um segundo referendo.

Os manifestantes desfilam até à praça do Parlamento com bandeiras da UE e cartazes onde se pode ler “Ainda não saímos” ou “Queremos ter a palavra sobre o ‘brexit’”.

O objetivo é pedir ao governo e a todos os partidos políticos que permitam que os britânicos votem sobre se aceitam ou não o acordo sobre o ‘brexit’ que a primeira-ministra Theresa May fizer com o bloco comunitário.

O Reino Unido está na fase final das negociações com Bruxelas sobre a saída britânica.

A manifestação foi organizada pelo movimento The People’s Vote (O voto do povo) e conta com o apoio de figuras destacadas, entre as quais o líder do Partido Liberal Democrata (a terceira formação do país), Vince Cable.

Este movimento argumenta que a opinião pública está a voltar-se contra o ‘brexit’ à medida que os seus custos económicos se tornam mais claros. Segundo a agência Associated Press, o ‘brexit’ tem já um claro efeito na economia britânica, as famílias estão mais pobres, as empresas mais cautelosas e o mercado imobiliário arrefeceu.

No referendo de há dois anos, o ‘brexit’ foi aprovado por 53,4% dos britânicos contra 46,6%. O Reino Unido deverá abandonar a União a 29 de março de 2019, mas Londres e Bruxelas ainda não chegaram a acordo sobre a sua futura relação comercial ou sobre a fronteira entre as duas Irlandas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Boris Johnson, insistiu este sábado numa saída “completa” da União Europeia (UE), num artigo publicado no jornal “The Sun”.

Johnson sinalizou que a população não irá tolerar uma retirada “suave” do bloco europeu – defendida por algumas camadas políticas – pois tal passaria uma imagem indefinida.

O chefe da diplomacia, que votou a favor do ‘brexit’ no referendo de há dois anos, disse que os britânicos querem que o Governo “cumpra o mandato público” com uma saída total da UE.

// Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Ingleses sentem-se enganados pelos políticos.
    E ainda não sentiram na economia, o desastre que o Brexit lhes vai provocar.

  2. Isso é coisa certa e sabida, Carlos. O Brexit ou simplesmente não chega a acontecer ou o Reino Unido vai-se esbardalhar ao comprido e levará décadas a levantar-se.

    • Pessoalmente discordo. O primeiro passo no sentido da destruição da UE está dado. Mais países se seguirão e penso que brevemente haverá mais notícias. Vamos aguardar.

RESPONDER

Polícia britânica tingiu de negro uma lagoa azul para afastar visitantes

A Polícia britânica decidiu tingir de negro uma lagoa azul muito procurada na região de Derbyshire, visando assim afastar os visitantes e fazer com que estes cumpram o isolamento social exigido pelas autoridades para travar …

A maior cascata do Equador desapareceu repentinamente

A maior cascata do Equador, com cerca de 150 metros, desapareceu repentinamente por causa de uma dolina. Investigadores ainda não sabem se esta apareceu por causas naturais ou humanas. Em fevereiro, a cascata de San Rafael, …

Aprovada descida de 3% na eletricidade no mercado regulado

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) aprovou uma descida do preço da tarifa aplicada no mercado regulado de cinco euros por megawatt/hora (MWh). Contas feitas, trata-se de uma redução de aproximadamente 3% no total …

Turquemenistão proibiu o uso da palavra "coronavírus"

Enquanto o mundo luta para conter a propagação da pandemia de covid-19, no Turquemenistão os cidadãos podem ser presos só por dizerem a palavra "coronavírus". De acordo com a rádio NPR, que cita a organização não …

EDP oferece desconto de 20% a profissionais e organizações de saúde

Face à pandemia de covid-19, a EDP vai oferecer um desconto de 20% na fatura da eletricidade a profissionais e organizações de saúde, anunciou esta quarta-feira a empresa liderada por António Mexia em comunicado. “A …

Bill Gates deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia

Num artigo publicado no jornal norte-americano Washington Post, o fundador da Microsoft, Bill Gates, deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia de covid-19, que já fez 43 mil mortes em todo o …

Comissão de Trabalhadores da TAP pede nacionalização da companhia

A Comissão de Trabalhadores (CT) da TAP reforçou esta quarta-feira o apelo para que a transportadora “se torne 100% pública”, depois de a empresa ter anunciado o lay-off da maioria dos trabalhadores, segundo um comunicado. No …

"Posso ir?" Há uma app que lhe diz como estão as filas nos supermercados

A comunidade tecnológica tech4COVID19 criou uma aplicação móvel que permite aos seus utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados. A app, sob o nome "Posso ir?", pretende orientar os utilizadores nas idas aos …

Conte pede à Alemanha mais solidariedade europeia. “Se somos uma União, está na hora de o provarmos”

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, fez esta quarta-feira um apelo solene à Alemanha para que haja mais solidariedade europeia no combate à pandemia da covid-19, que está a afetar severamente o seu país. “Se somos uma …

Em França, Portugal é destacado como bom exemplo (mas também pela sorte da sua geografia)

Portugal tem "11 vezes menos mortes" do que Espanha, em proporção das respectivas populações, e parece estar a lidar melhor com a pandemia de Covid-19 do que o país vizinho. Esta é a conclusão de …